O Desejo É Matéria, A Intenção É Uma Forma De Vida

Dr. Michael LaitmanPesquisa (Cleve Backster, especialista norte-americano em detectores de mentira): “Cleve Backster era um especialista norte-americano em detectores de mentira. Em 1966, usando um detector de mentiras, ele descobriu acidentalmente que as plantas têm alto nível de atividades emocionais que era semelhante ao dos seres humanos. Ele, então, realizou uma série de estudos que espantou o mundo.

“Um dia, Backster ligou um detector de mentiras às folhas de uma dracaena, vulgarmente conhecido como” árvore do dragão”. Ele queria ver quanto tempo levaria para que as folhas reagissem quando ele derramava água sobre as raízes da planta. Em teoria, uma planta vai aumentar a sua condutividade e diminuir a sua resistência depois de absorver água, e a curva registrada no papel de gráfico deveria ter ido para cima. Mas, na verdade, a linha que foi traçada teve uma curva para baixo. Quando um detector de mentiras está ligado a um corpo humano, a caneta registra diferentes curvas de acordo com as mudanças de humor da pessoa. A reação da árvore de dragão era como a ondulação de humor humanos. Parecia que ela estava feliz quando bebia água.

“Backster queria ver se a planta teria quaisquer outras reações. De acordo com a experiência do passado, Backster sabia que uma boa maneira de provocar uma forte reação numa pessoa é ameaçá-la. Assim, Backster ensopou as folhas da planta em café quente. Nenhuma reação. Então ele pensou em algo mais aterrorizante: queimar as folhas que estavam conectadas ao detector de mentiras. Com este pensamento, antes mesmo dele buscar um fósforo, uma curva para cima rapidamente apareceu no papel do gráfico. Quando ele voltou com um fósforo, ele viu que outro pico apareceu na curva. Era provável que quando a planta viu que ele estava determinado a começar a queimar, ela se assustou novamente. Se ele mostrasse hesitação ou relutância em queimar a planta, as reações registradas pelo detector de mentira não eram tão aguda. E quando ele apenas fingia tomar medidas para queimar as folhas, a planta não tinha quase reação. A planta era ainda capaz de distinguir as verdadeiras intenções das falsas. Backster quase correu para a rua gritando: “As plantas podem pensar! As plantas podem pensar!”, Com esta descoberta surpreendente, a sua vida mudou para sempre.

“Mais tarde, quando Backster e seus colegas fizeram experimentos em todo o país com diferentes instrumentos e plantas diferentes, eles observaram resultados similares. Eles descobriram que, mesmo que as folhas fossem colhidas de uma planta e cortadas em pedaços, as mesmas reações eram registradas quando estas partes eram colocadas perto dos eletrodos do detector de mentiras. Quando um cão ou uma pessoa hostil, de repente surgisse, a planta também reagia”.

Meu comentário: De acordo com a Cabalá, tudo – inanimado, vegetal e animal – consiste no desejo de receber prazer, que faz com que um objeto viva e lute por prazer, para manter a sua estrutura e as leis de sua natureza na natureza inanimada, e para se sustentar e reproduzir na natureza vegetal e animal.

Não há dúvida de que para existência de qualquer objeto, até mesmo das pedras e metais, eles têm que sentir a atitude do ambiente em relação a eles, isto é, as intenções dos outros. Afinal de contas, a intenção, uma forma do desejo de desfrutar, que é a matéria do universo, determina o que acontece.

Comente