Dê o poder à Ciência

Se olharmos para livros de história de uma forma diferente, vamos ver como suas descrições são diferentes. Parece que a humanidade passou por uma mesma história, incluindo todos os seus problemas, guerras, e sucessos, mas todas as nações as descrevem do seu ponto de vista. Como resultado, os livros didáticos que devem refletir a verdade final se contradizem um do outro.

Às vezes eu falo com líderes de diferentes movimentos em outros países. Cada um deles é absolutamente certo de que seu movimento tem que liderar o mundo todo. Isso inclui movimentos religiosos e seculares, as organizações ligadas à ecologia, a proteção da vida selvagem, e muitos outros. Enquanto estou no meio deles, como eu sou diferente deles?

Sem tentar responder a essa pergunta, nós trazemos a mensagem cabalística para as pessoas de uma forma diferente. Nós não tentamos provar quem está certo e quem está errado, e nós não dissecamos opiniões diferentes. Nós não tentamos examinar as coisas do ponto de vista da história ou uma direção religiosa porque, em cada uma dessas áreas, cada pessoa pode apresentar a sua própria razão para justificar a sua opinião.

Convidamos as pessoas só para desengatar-se a partir de tudo o que existe – a partir do passado e o presente, e olhamos para o futuro a partir do momento presente. Neste ponto, vemos que a natureza nos obriga a estabelecer a interligação direita, para entrar em equilíbrio, reciprocidade e harmonia, semelhante a um só corpo, integral, global, do sistema pan-humano que se sente e funciona realmente como um todo.

A natureza obriga e nos impulsiona a isso. Há uma série de pesquisas confirmando isso, e podemos confiar nela. Além disso, não temos mais nada. É na ciência em que podemos confiar, como está escrito, “A pessoa é guiada apenas pelo que vê.” Fatos de hoje são tudo o que precisamos, e temos que avançar de acordo com eles.

Os fatos indicam que querendo ou não estamos nos tornando uma sociedade global, integral, que é soldada internamente pela interconexão e garantia mútua total. Essencialmente, esta é a tendência de toda a natureza, e, de um dia para o outro, vemos como ela está se tornando mais expressa mais claramente.

Uma pergunta surge: Qual é o nosso papel neste processo? Podemos agora inventar qualquer coisa artificial, seguindo qualquer idéia, algum político, sociólogo, cientista político, ou de outra parte, de repente outra parte já pensou nisso? O mundo já experimentou todos os tipos de idéias e a humanidade sofreu muito devido a elas.

Talvez devêssemos simplesmente pesquisar a natureza e sermos guiados pelos resultados de nossa pesquisa, não considerando qualquer outra coisa, mas isso? Se nós avançamos com base em nossa pesquisa, que é realizada na natureza, então não há dúvida de que, de todas as poucas oportunidades que as pessoas têm sobre esta terra pequena, abandonada na beira da galáxia, na periferia do universo, pelo menos temos essa única chance real.

Então não vamos afundar na filosofia e demonstrar incompatibilidade. A partir da experiência já sabemos que quando você se posiciona na sua terra e eu na minha, isso só leva a guerras e auto-aniquilação.

Hoje nós precisamos desesperadamente de um denominador comum, que só pode vir das leis invioláveis ​​da natureza. Com base nessas leis, podemos construir a sociedade integrada que visa a criatividade, em vez de destruição.

[51150]

De uma conversa sobre um novo livro em 7/11/11

 

Um Comentário

  1. Hoje nós precisamos desesperadamente de um denominador comum, que só pode vir das leis invioláveis ​​da natureza. Com base nessas leis, podemos construir a sociedade integrada que visa a criatividade, em vez de destruição.

    Bom, com esse paragrafo minha duvida de que a Cabala era ou não mais positivista do que não positivista, parece esclarecida.

    Estou correta em afirmar que o positivismo “reina” por aqui?

    🙂 Nada contra o positivismo de minha parte… Eu ando estudando sobre ele e eu tenho entendido que ele é bom.

Comente