A Análise Do Egoísmo Próprio

Inicialmente, no mundo de Nekudim, Malchut conecta com Bina, criando um pequeno estado (Katnut). Então Bina conecta a Malchut dando-lhe força de Malchut que parece atingir o estado maior (Gadlut). Essa ação é realizada pela ABA ve Ima do mundo da Nekudim. No entanto, há um desejo em Malchut chamado “Malchut de-Malchut”, que é incapaz de incluir as qualidades de Bina, por si só e simplesmente continua Malchut. Portanto, esta é a razão para a quebra e, em cada partícula e desejo há uma parte desse desejo chamado de “o coração de pedra” (Dalet de-Dalet), que é incapaz de se misturar com Bina.

O levantamento da segunda restrição (Tzimtzum Bet) leva à revelação dos desejos que são incapazes de aceitar Bina (doação). No entanto, é impossível saber de antemão que Malchut inclui os desejos que serão sempre egoístas, uma vez que só pode serem revelados pela quebra! Portanto, o mundo de Atzilut aparece após a quebra e já sabemos o que escolher para as correções: Bina em Malchut, Malchut em Bina, e Bina pura, já que não sabemos usar Malchut puro. Em suma, todo esse conhecimento vem devido à quebra. Assim, no nosso caminho para a evolução, precisamos receber a impressão da ruptura.

Isso significa que estamos curvando para trás, mas veja que estamos impotentes. Tentamos nos unir com os outros, doar a eles, e amá-los sem aceitar o seu amor, mas veja que nós somos incapazes. Devemos revelar essa qualidade dentro de nós mesmos, e isso significa, em última análise revelarmos que parte de Malchut que é incapaz de incluir Bina. Isso é quando uma pessoa rompe e chora, e é aí que reside o ponto de onde vem a correção.

Na verdade, tudo é facilmente corrigido. A principal coisa é separar Malchut de-Malchut do resto dos desejos que podem ser corrigidos. Nossa análise e separação deve ser feita antes de qualquer outra coisa. Desta forma, nós corrigimos as peças que podem ser corrigidas.

Da 2a. parte da Lição Diária da Cabalá de 18/04/10, Beit Shaar HaKavanot

Comente