“Covid19, Divisões Judaicas: Perspectivas Sombrias Para 5781” (San Diego Jewish World)

Meu novo artigo no San Diego Jewish World: “Covid19, Divisões Judaicas: Prospectivas Sombrias Para 5781

Estamos prestes a celebrar o Ano Novo Judaico, um Rosh Hashaná como nenhum outro. Sinagogas em toda a América e no mundo estão ajustando seus serviços às restrições da Covid-19 que limitam as reuniões físicas. Além da perda de vidas, membros individuais e congregações inteiras foram profundamente afetados pelos golpes econômicos da pandemia, causando estragos em ondas, que alimentaram antissemitas para culpar os judeus pela criação e disseminação do vírus. Um futuro sombrio parece o cenário mais realista, mas isso pode definitivamente ser mudado se apenas vermos nosso destino como um projeto único e perfeitamente compartilhado.

O oposto está acontecendo agora. No judaísmo americano, divisão, ódio a si mesmo e brigas sinalizam uma fragmentação interna que coloca em risco a continuidade de uma vida judaica vibrante agora e nas gerações futuras. Israel, a política, quem é considerado judeu, esses tópicos e muito mais estão acendendo confrontos ardentes em nossa comunidade.

Curiosamente, a Covid-19 chegou sem prestar atenção em quem é religioso e quem é secular, de esquerda ou de direita. Enquanto isso, deixamos de olhar para o quadro geral que é a crise ameaçadora causada por um vírus que não ignora ninguém. A Covid-19 apareceu e interrompeu a vida normal com o claro propósito de nos fazer refletir sobre nós mesmos e nossas perspectivas egoístas em relação aos outros e ao nosso redor.

Como podemos ter uma visão global quando estamos tão ocupados com conflitos e brigas? Infelizmente, entramos na temporada de festas com os olhos vendados, preocupados em voltar à rotina e às nossas habituais lutas pelo poder, nos preocupando apenas com nossos interesses pessoais.

É hora de pararmos e nos agarrarmos firmemente ao novo ano como uma oportunidade única de introspecção e mudança. Rosh Hashaná, do hebraico “Rosh Hashinui”, marca não apenas o início do calendário hebraico, mas também simboliza a renovação – um tempo de avaliação interna de nossos pensamentos em relação aos outros e a intenção por trás de nossas ações.

Atualmente, somos governados por nosso intelecto, que imediatamente faz cálculos sobre como melhor buscar relacionamentos egoístas em benefício próprio, provocando separação e conflito. Chegou a hora de sermos inspirados por uma mentalidade mais elevada, mais abrangente e estável, que nos ajudará a abrir nossos olhos e reconhecer nossas lutas exaustivas e infrutíferas na vida e escolher a mudança em seu lugar.

Como é possível uma transformação tão significativa? Através do poder da natureza – uma força que trabalha consistentemente para unir todos os detalhes da realidade, que envolve e nos conecta a todos como um, que transcende nossas visões limitadas e egoístas – uma mudança profunda é garantida.

Nosso problema é que atualmente estamos em um estado oposto ao da natureza, onde tudo funciona em equilíbrio. Devido à nossa falta de integração com o sistema mais amplo em que vivemos através de nossas relações mútuas rompidas, a natureza continuará a amplificar o impacto da pandemia até que reajamos e nos unamos. Nossas vidas já são regidas por fechamentos, restrições, incertezas, e cada golpe sucessivo será ainda mais doloroso do que o anterior, até que façamos esforços para melhorar a conexão em nossas relações humanas.

No entanto, não há necessidade de esperar que a situação piore. As coisas podem melhorar se começarmos a nos perguntar qual é a causa principal do coronavírus, aprendermos com a vida o que é essencial para existirmos e nos abordarmos de maneira saudável e atenciosa. Como o mundo natural redondo e conectado ao nosso redor, a natureza está tentando nos ensinar a viver em harmonia e paz com o desejo de fazer o bem aos outros, implementando o princípio judaico definitivo, “ame o próximo como a si mesmo” e transformando nossos corações.

Nós despertamos a força que impulsiona uma mudança positiva quando damos um passo em direção à conexão, quando nos aproximamos e reduzimos as enormes lacunas entre nós. Podemos fazer isso contra nossa própria vontade ou proativamente com o coração aberto. Não precisamos nem mesmo apagar os sentimentos negativos e desacordos entre nós, mas apenas nos elevar acima deles no espírito de “o amor cobrirá todos os crimes.” (Provérbios 10:12)

Em suma, o poder do amor que ativamos através da conexão de nossos corações, acima de tudo nos separando, é exatamente o que vai adoçar nosso destino como povo judeu e como indivíduos, mantendo-nos fortes e saudáveis. Feliz Rosh Hashaná!

Comente