“Covid-19 – Chicote Da Humanidade”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 02/09/20

O vírus não veio nos corrigir. Veio para nos mostrar que temos que nos corrigir. No entanto, ele não fará o nosso trabalho por nós. Ainda temos que aceitar que não podemos vencer o esconde-esconde que jogamos com a Covid, onde cada vez que os níveis de contágio caem, nós diminuímos as restrições e enlouquecemos até que o vírus “veja” que saímos de nossos esconderijos e retorne mais contagioso e violento do que antes. Imprudentemente, estamos brincando com a vida de nossos entes queridos, e não apenas com os idosos e enfermos entre nós, mas também com a de nossos filhos.

Assim como os jóqueis chicoteiam seus cavalos para fazê-los correr mais rápido, a natureza nos chicoteia usando a Covid-19 para nos forçar a começar a trabalhar em nossas relações mútuas. Já fizemos algum progresso, e a maioria dos governos reconhece que não pode simplesmente deixar as pessoas morrerem de fome por falta de empregos. Mas esses pacotes de resgate são poucos e distantes entre si. Pior ainda, eles perdem o problema principal: nossa indiferença um pelo outro. Se fôssemos menos descuidados e mais cuidadosos com nossos semelhantes, poderíamos facilmente superar quaisquer provações que a natureza nos envia. Se não começarmos a implementar programas que nos ensinem a cuidar uns dos outros, ao lado da ajuda monetária, vamos acabar em colapso social e derramamento de sangue.

A simples verdade que a Covid está nos mostrando é que tudo em que pensamos é em nosso próprio lucro e que, se pudermos ganhar às custas de outra pessoa, melhor. Em nossa defesa, poderíamos argumentar que essa é a natureza humana, que a natureza nos criou egoístas, então não podemos ser culpados por sermos assim. Embora isso seja verdade, também é verdade que a natureza não deixa suas criações egocêntricas. Ela faz o oposto, entrelaçando-os em uma rede de conexões recíprocas, de modo que a unidade entre eles se torna sua fonte última de força. Se insistirmos em ser egoístas, acabaremos nos destruindo; vamos matar uns aos outros no sentido mais literal da palavra. É apenas uma questão de tempo, e não muito a tempo partir de hoje.

Nada é inerte na natureza; tudo evolui em seu próprio ritmo em direção ao resultado inexorável da fusão completa. A humanidade, como todos os outros elementos naturais, também evolui nessa direção. Se olharmos para as sociedades humanas ao longo da história, podemos facilmente identificar essa trajetória. Mudamos de clãs para aldeias, de aldeias para cidades, de cidades para países, até que finalmente nos tornamos uma aldeia global.

No entanto, fizemos isso apenas no nível social. Emocionalmente, estamos tão separados agora como sempre estivemos. Na verdade, de muitas maneiras, estamos mais separados agora do que nunca, uma vez que nosso individualismo é constantemente desafiado por nossa interdependência forçada. Não podemos fazer nada por nós mesmos: não podemos fazer nossa própria comida, nossas próprias roupas ou nossas próprias casas. Mas odiamos esse fato, mesmo que não tenhamos consciência disso; queremos nos sentir como indivíduos únicos e especiais. O choque entre os dois cria uma série de perturbações que nossa sociedade exibe, da violência ao abuso de substâncias, ao suicídio, escapismo de todos os tipos, fanatismo, transtornos mentais e emocionais e todos os outros sinais de angústia que as pessoas estão enviando.

Mas a natureza não nos deixará sozinhos; vai nos aproximar cada vez mais, o que nos fará sentir cada vez mais distantes uns dos outros em nossos corações. Existem apenas duas maneiras de acabar com isso: um colapso completo da sociedade ou a união da humanidade com a trajetória da natureza em direção à união. É por isso que é imperativo que governos e autoridades estabeleçam programas educacionais que nos informem sobre a direção do desenvolvimento e nos ajudem a aderir a ele.

As pessoas não sabem por que se sentem mais odiosas, por que suspeitam mais dos outros e por que são tão más umas com as outras. Se soubessem, elas poderiam escolher se unir e acabar com sua miséria. Mas como estão alheias ao progresso inexorável da natureza, não têm escolha a não ser proteger a si mesmas e suas famílias o melhor que puderem até que tudo desmorone, o que acontecerá em breve.

A única diferença entre a humanidade e o resto da realidade é que o processo evolutivo que acontece instintivamente em todas as outras criaturas deve acontecer conscientemente em nós. Na verdade, somos o ápice da criação, mas só podemos nos conduzir de acordo se compreendermos a criação. É por isso que a humanidade não terá concessões; teremos que aprender como tudo funciona e teremos que pagar nossas dívidas. Mas quanto mais rápido aprendermos, menores serão as taxas.

Comente