“A Sobrevivência Do Mais Apto É Uma Mentira Que Contamos A Nós Mesmos” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “A Sobrevivência Do Mais Apto É Uma Mentira Que Contamos A Nós Mesmos

A cada dia que passa, temos que perceber que, apesar das crescentes tensões, odiamos o inimigo errado. Achamos que o inimigo é aquele homem que apoia a outra parte, ou aquela mulher que pertence à outra raça, ou aquela pessoa que é mais privilegiada de alguma forma, que é mais rica, mais inteligente, mais bonita, mais sortuda ou qualquer outro com um “predicado” que eu gostaria de ser ou ter.

Não haverá vencedores nesta guerra porque não é a guerra certa. A guerra certa é contra nossos próprios egos, e só podemos derrotá-los se lutarmos especificamente ao lado daqueles que são diferentes de nós, de quem não gostamos e os quais desaprovamos, já que esta é a única aliança que nossos egos nunca apoiarão.

Mas nenhum deles é meu verdadeiro inimigo. Sempre houve pessoas que tiveram mais sucesso do que nós de alguma forma, e sempre haverá essas pessoas. Mas elas não costumavam nos fazer sentir mal e não costumavam nos fazer sentir que as queremos fora de nossas vidas e, se possível, fora da existência. Elas sempre estiveram aqui, mas éramos diferentes. Éramos menos autointitulados, menos absorvidos conosco mesmos, ou simplesmente, menos egoístas. Sim, nosso próprio egoísmo é nosso inimigo.

Não podemos controla-lo; ele está crescendo dentro de nós e é tão parte de quem somos que nem mesmo sentimos que esse é o problema. Mas se não aprendermos a trabalhar com nosso ego, ele nos levará à guerra civil, porque não seremos capazes de tolerar a existência de ninguém além da nossa própria e daqueles que pensam como nós e se parecem conosco.

Não haverá vencedores nesta guerra porque não é a guerra certa. A guerra certa é contra nossos próprios egos, e só podemos derrotá-los se lutarmos especificamente ao lado daqueles que são diferentes de nós, de quem não gostamos e dos quais desaprovamos, já que esta é a única aliança que nossos egos nunca apoiarão.

Mas tem que ser uma decisão comum, tomada por toda a sociedade em todas as suas facções, ou está fadada ao fracasso. E você deveria perguntar o que motivará as pessoas a cooperar com aqueles que odeiam, ou mesmo a se relacionar com eles de forma positiva? A resposta é que não temos mais opções. Se não fizermos isso, todos cairemos. Chegamos a um estado em que somos totalmente dependentes uns dos outros, e dependemos mais daqueles de quem mais não gostamos.

Na verdade, não apenas nós, mas toda a realidade consiste em opostos que se complementam. Eles não gostam um do outro, mas são completamente dependentes um do outro e sua própria existência garante e sustenta a existência de seu oposto ou “rival”.

Pense em “noite” sem “dia”, “inverno” sem “verão”, “seco” sem “úmido”. Ou quando se trata de pessoas, pense em negro sem branco, republicano sem democrata, liberal sem conservador. Você pode imaginar uma moeda que tem apenas um lado? É assim que somos dependentes uns dos outros.

Achamos que, quando Darwin descobriu o princípio da “sobrevivência do mais apto”, ele quis dizer que apenas os mais mesquinhos e beligerantes sobrevivem. Esta é uma interpretação totalmente errônea de suas palavras que nossos egos belicosos nos impõem. Um livro recente de Brian Hare e Vanessa Woods intitulado, Survival of the Friendliest, escreve que “para Darwin e os biólogos modernos, ‘sobrevivência do mais apto’ refere-se a algo muito específico – a capacidade de sobreviver e deixar para trás uma descendência viável. Não é para ir além disso”. Além disso, eles acrescentam que “Darwin ficava constantemente impressionado com a bondade e cooperação que observava na natureza”, e citam seu livro Descent of Man, que afirma: “Essas comunidades, que incluíam o maior número dos membros mais simpáticos, floresceriam melhor e criariam o maior número de descendentes”.

Estamos indo na direção oposta. Estamos quebrando nosso tecido social, destruindo nossas comunidades e desmantelando o país. Em tais circunstâncias, nós mesmos não sobreviveremos. E o único culpado é o ego humano. Estamos agora em um ponto onde ou nos unimos contra ele e ajudamos uns aos outros a superá-lo, encorajando uns aos outros a se conectar e tentando nos unir com aqueles que são diferentes de nós, ou o ego vai ganhar e todos nós vamos perder tudo.

Comente