“A Lição Que A Ignorância Sobre O Holocausto Deve Nos Ensinar” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “A Lição Que A Ignorância Sobre O Holocausto Deve Nos Ensinar

Uma pesquisa que foi citada recentemente no USA Today descobriu que quase “dois terços dos millennials e da Geração Z, não sabem que 6 milhões de judeus foram mortos no Holocausto”. Pior ainda, a pesquisa descobriu que “em Nova York … quase 20% dos millennials e da Geração Z acreditam incorretamente que os judeus causaram o Holocausto”.

Não importa a história que contemos ao mundo. Mesmo que os fatos estejam certos, e neste caso eles estão, o mundo evidentemente não escuta. Se as organizações que professam existir para comemorar o Holocausto estão indo tão mal, então por que existem?

Os dados mais reveladores que encontrei nesta pesquisa são que, em Nova York, quase 20% acreditam que os próprios judeus causaram o Holocausto. É uma indicação de que a educação sobre os judeus na cidade mais “judaica” da América está totalmente errada.

Devemos dizer a verdade. Se escondermos a verdade sobre o judaísmo, isso apenas intensificará o antissemitismo, os judeus serão culpados pelas coisas erradas e o fim será o mesmo que na Alemanha.

E a verdade é simples: os judeus são diferentes de todas as outras nações. Eles têm uma enorme dívida moral para com o mundo. Eles devem ao mundo ser um exemplo de união acima do ódio. Os judeus se odeiam mais do que odeiam seus inimigos. Na verdade, a maioria dos judeus não odeia seus inimigos, mas com certeza se odeia.

Mas há uma boa razão para isso: os judeus se odeiam porque sua tarefa é ser um modelo, um exemplo de unidade acima do ódio. Este é o significado de ser “uma luz para as nações”. No sopé do Monte Sinai, nós inauguramos nossa nacionalidade quando juramos nos unir “como um homem com um coração”. Imediatamente depois, fomos instruídos a brilhar a luz dessa unidade para as nações. E nos momentos finais de nossa unidade, quando o Templo já estava em ruínas, o Rabi Akiva nos legou o lema final do altruísmo, “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Este deveria ter sido nosso legado. Mas veja onde estamos agora.

Assim que nos tornamos uma nação, imediatamente começamos a enfrentar disputas. Quanto mais nos uníamos, mais o ódio crescia. Mas essa era toda a ideia, ou como O Livro do Zohar (BeShalach) descreve, “Todas as guerras na Torá são paz e amor”.

Por fim, o Rei Salomão formulou a maneira como Israel deve trabalhar com o ódio: “O ódio suscitará contendas e o amor cobrirá todos os crimes” (Provérbios 10:12). Mas não foi para nosso próprio benefício, mas para o benefício do mundo. O Livro do Zohar articulou o impacto dos esforços de Israel para se conectar ao mundo. Na porção Aharei Mot, O Zohar escreve, “’Veja, quão bom e quão agradável é que irmãos se sentem juntos’. Esses são os amigos quando se sentam juntos e não estão separados uns dos outros. No início, parecem pessoas em guerra, desejando se matar… depois eles voltam a estar no amor fraternal. … E… como vocês tinham carinho e amor antes, doravante também não se separarão… e por seu mérito, haverá paz no mundo. ”

Se concentrarmos nossos esforços apenas em lembrar o passado, o futuro nos trará muito mais catástrofes para comemorar. As pessoas não se importam com o que aconteceu conosco. Elas já estão dizendo “Hitler estava certo” e “Vamos terminar o trabalho de Hitler”. E essas são pessoas que sabem o que aconteceu lá.

Devemos lembrar o passado apenas para saber o que devemos fazer no presente: nos unir e ser um modelo de unidade para o mundo. Nosso ódio evidente um pelo outro é a razão pela qual os antissemitas nos culpam por causar guerras. Eles têm um pressentimento de que a culpa é nossa e, embora não possam racionalizar, estão basicamente corretos porque, se não mostrarmos o caminho para a unidade, o mundo não terá mais ninguém para pavimentar o caminho para a paz, por isso culpa as guerras contra nós.

Aqui, por exemplo, está uma citação de um livro escrito por um dos antissemitas mais notórios da Rússia, certamente em sua época. Vasily Shulgin era um membro sênior da Duma, o Parlamento Russo, antes da Revolução Bolchevique de 1917. Em seu livro O Que Não Gostamos Neles, Shulgin analisa sua percepção dos judeus e o que ele pensa que eles estão fazendo de errado. Ele reclama que “os judeus do século XX se tornaram muito inteligentes, eficazes e vigorosos na exploração das ideias de outras pessoas”. Mas, de repente, ele dá uma guinada brusca na conversa fiada e declara: “[Mas] esta não é uma ocupação para professores e profetas, nem o papel de guias de cegos, nem de portadores de aleijados”.

A única maneira de sermos professores é pelo exemplo, e o único exemplo que podemos dar é a unidade. Enquanto nos odiarmos, o mundo nos odiará. Se nos elevarmos acima dele, ele nos colocará sobre seus ombros. Se não fizermos isso, ele nos extinguirá.

Comente