Pai Sírio Que Se Tornou Viral Ensinando Sua Filha A Rir Dos Foguetes Que Caem (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Pai Sírio Que Se Tornou Viral Ensinando Sua Filha A Rir Dos Foguetes Que Caem

Boom! Boas gargalhadas saem de uma menina nos braços de seu pai. Boom!

Agora diminua o zoom da cena para colocar o momento radiante de alegria em seu contexto de partir o coração:

Abdullah Al-Mohammad ensina sua filha de 3 anos, Salwa, a rir ao som de cada foguete que cai e explode nas proximidades.

Como um sírio tentando sobreviver à guerra e sem lugar para fugir, o que resta para ele fazer? A fim de reduzir ou eliminar o trauma dos foguetes que caem, ele ensina à pequena Salwa que o som dos foguetes caindo é engraçado e que o ruído do projétil é apenas um jogo. A vida é linda (quase).

O vídeo comovente de Abdullah se tornou viral nas mídias sociais e fez dele um herói instantâneo da Internet, ganhando mais de dois milhões de curtidas e comentários positivos, incluindo propostas para adotar o método para ajudar as crianças em Gaza.

Na realidade caótica da Síria devastada pela guerra, as táticas desesperadas deste pai são uma tentativa compreensível de fornecer ao filho proteção psicológica contra os ataques de bombardeios traumatizantes. Ele não tem tempo ou luxo para pesquisar a melhor intervenção educacional a ser tomada quando os foguetes caem no quintal. Certamente, não há uma boa solução ou modelo de melhores práticas para acalmar o terror, apenas primeiros socorros.

Que forma de ensino seria mais útil para situações tão trágicas?

A educação precisa ser direcionada a todos os membros da sociedade, pais e filhos, e deve ser projetada para atingir a causa principal dos problemas, a fim de proporcionar uma cura duradoura.

Todo membro da sociedade precisa entender, de acordo com seu nível de maturidade, que se quisermos parar as guerras de uma vez por todas, precisamos tentar nos conectar de acordo com as leis unificadoras da natureza.

Embora ensinar as crianças a rir das ameaças e do perigo possa ajudá-las a enfrentar situações assustadoras imediatas com mais conforto, isso não traz benefícios a longo prazo, porque esse aprendizado pode causar desajustes psiconeuróticos e interpretações errôneas da realidade. Essa conexão deslocada entre perigo e reação estabelece uma relação incorreta no cérebro entre ameaça e resposta. Assim, nos momentos em que a vigilância é justificada, a quantidade de preocupação e cautela é reduzida de maneira inadequada, deixando-os vulneráveis ​​a danos.

Médica e cientificamente, chorar e rir causam a mesma resposta de choque no sistema nervoso. Assim, embora a emoção associada ao riso possa parecer mais agradável, o efeito no corpo não é mais saudável do que o choro.

Chorar e rir são uma reação de excitação que excede a extensão da capacidade de uma pessoa de absorver em um determinado momento. Portanto, precisamos acalmar as reações aos medos e só depois explicar claramente a situação e por que ela está acontecendo.

Passo a passo ao longo do tempo, as crianças precisam entender que guerras e destruição acontecem porque a sociedade não recebeu educação para desenvolver relações positivas e que não há preocupação na sociedade em aprender como se conectar positivamente acima das unidades divisivas inatas de cada pessoa.

Elas precisam saber que, para interromper as guerras de uma vez por todas, precisamos tentar nos conectar corretamente e de acordo com as leis unificadoras da natureza.

Se as crianças entendessem esse princípio, não ririam e nem sorririam. Pelo contrário, nos diriam diretamente em nossos rostos, em seu estilo ingênuo: pais, consertem seus pensamentos e comportamentos e melhorem seus relacionamentos uns com os outros!

Comente