“Coronavírus E O Vírus Do Ódio Contra Os Judeus” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Coronavírus E O Vírus Do Ódio Contra Judeus

Foi apenas uma questão de tempo até que o vírus do coronavírus estivesse vinculado às teorias de conspiração antissemitas. É sabido que, quando as coisas dão errado, os judeus são os culpados, e essa ameaça global não é exceção.

Mais uma vez, o povo judeu é acusado de causar deliberadamente a epidemia em benefício próprio, como acontece com outras pragas ao longo da história, levando os inimigos da Internet a pedir seu extermínio. “Finalmente! A ciência descobriu uma cura para a doença mais insidiosa do nosso tempo … o judaísmo”, lê um post recente nas mídias sociais. Libélulas De Sangue Se Espalham Como Vírus

Centenas de anos atrás, outra epidemia eclodiu na China. Em meados do século XIV, a peste bubônica, conhecida como “Peste Negra”, surgiu na Ásia. Da Mongólia, espalhou-se para a China e de lá para o Oriente Médio, África e Europa. Em cinco anos, a epidemia devastadora matou quase 50 milhões de pessoas em todo o mundo, matando mais da metade dos residentes da Europa.

Naquela época, a catástrofe global foi atribuída ao envenenamento de poços por judeus que supostamente pretendiam estabelecer um governo judeu em todo o mundo. Os cristãos europeus medievais demonizaram os judeus e finalmente os massacraram. Como resultado, mais de 200 comunidades judaicas nas cidades europeias foram vítimas de pogroms e destruição entre 1348 e 1351.

A “prova” de que os judeus deveriam ser culpados era o grande número de baixas entre a população em geral, comparado ao punhado de judeus infectados. No entanto, a razão para a baixa taxa de mortalidade entre judeus é explicada pelos bons hábitos de higiene entre os judeus proibidos como parte da tradição judaica – hábitos como lavar as mãos antes das refeições, imersão no mikveh (banho ritual) antes e depois das relações pessoais, e tratar carnes com sal antes de cozinhar. Outro fator que reduziu a mortalidade entre os judeus foi a separação de comunidades judaicas em guetos fechados e aldeias isoladas.

Nesta semana, o antigo libelo medieval de sangue adotou uma nova forma: a epidemia de coronavírus.

Os extremistas foram à web para divulgar sua agenda antissemita, acusando os judeus de criarem o vírus de propósito para controlar o mundo. A mídia árabe também se uniu à tendência conspiratória contra os EUA e Israel, alegando que a ausência de casos nos dois países não é coincidência e que a doença se espalhou como parte de um plano econômico e político para dominar a China.

A Cura Para Todas As Doenças

O povo de Israel de fato possui uma vacina milagrosa profundamente enraizada no “DNA” judaico: o poder da conexão com a força superior através de uma oração comum. Nos dias do Templo, os judeus viviam unidos por fios de amor e, em virtude de sua conexão positiva, entendiam o objetivo da criação e eram capazes de atrair a força que guia a humanidade à bondade. No entanto, como resultado do ódio infundado, o Templo foi destruído e, desde então, os judeus precisam se reconectar e construir os alicerces da unidade entre todos os países e povos do mundo.

A humanidade está ligada por meio de conexões invisíveis como em uma rede. Inconscientemente, a humanidade sente que o povo judeu tem o papel de manter o equilíbrio nessa rede, pois possui uma relação especial com a força superior, a força que controla tudo na natureza em todos os níveis: inanimado, vegetativo, animado e humano. Em outras palavras, a atitude discriminatória em relação aos judeus, para o bem ou para o mal, resulta da missão que somente eles podem cumprir, que o mundo exige cada vez mais.

A missão do povo judeu é se unir “como um homem com um coração” e, através dessa unidade, ativar a força que ajudará o mundo a alcançar amor, paz e unidade acima das crescentes divisões. O vínculo especial dos judeus com a força superior abre o caminho da abundância e da luz para a humanidade. Essa é precisamente a tarefa do povo judeu: ser “uma luz para as nações”.

O ódio resultante da epidemia de coronavírus é apenas outra expressão da falta de conexão entre os judeus. Quando os judeus não cumprem seu papel, o ódio é revelado, forçando-os a fazer uma oração comum. Tal oração não é um ritual, mas o desejo compartilhado do fundo de nossos corações pela unificação.

Uma pessoa que ora é uma pessoa que tenta se conectar com os outros e que então se julga em relação à sua extensão de conexão e seus esforços para se conectar. Isso se dá pela percepção de que todos são abençoados somente quando todos estão unidos. Quando chegamos a um acordo com esse princípio, entendemos que precisamos pedir ajuda da força superior: mudar nossa atitude egoísta do foco em nós mesmos e transformá-la em cuidar dos outros.

Nesse ponto, a oração será respondida e a unidade será possível. Em um estado tão harmonioso, a humanidade como um todo será saudável e segura.

Comente