Concordar Em Trabalhar Para O Criador

laitman_962.4Após um Congresso tão poderoso, queremos medir nossas subidas e descidas de acordo com novos valores. Anteriormente, o estado dependia apenas de mim, do meu sentimento bom ou ruim, do qual concluí que estava em subida ou descida. Mas agora eu quero conectar meus estados ao Criador: se eu anseio por Ele, significa que estou em subida, e se não anseio por Ele, não importa o quão bem minha vida comum seja disposta, considero que isso é uma descida.

Em seguida, passamos para um novo estado em que subidas e descidas são determinadas de acordo com a direção: em direção ao Criador ou em direção a nós mesmos. Este é um grande avanço, porque já posso analisar: estou pensando no Criador ou em mim mesmo? E se anseio pelo Criador, por que trazer satisfação a Ele ou a mim mesmo? Aqui começa um cálculo através de um discernimento adicional: eu ou o Criador, eu ou os amigos?

Nessas escalas, eu dou um peso crescente ao lado oposto a mim: o grupo ou o Criador, e o uso para avaliar a subida e descida. As subidas são quando penso mais no bem da dezena e do Criador e as descidas são o contrário: quando eles desaparecem do meu horizonte e não penso neles, mas apenas em mim. Essas são etapas claras de causa e efeito que devem me levar à Lishma.

O principal é desconectar-me um pouco e começar a pensar na direção do Criador. Eu quero ansiar por Ele e lhe trazer satisfação. E somente se eu me colocar na dezena, isso trará satisfação a Ele. Portanto, a dezena ganha novo peso para mim: não são apenas dez pessoas, mas a Shechinah (Divindade), um lugar para a revelação do Criador, onde eu posso dar a Ele. Tudo já está direcionado para o estado de doação, Lishma. 1

O Criador está dançando um tango conosco: ele se aproxima, depois se afasta e exige uma resposta de mim. Depois que Ele me iluminou, se afastou e desapareceu, eu devo me aproximar do estado anterior. É como respirar: expirar e inspirar. Assim, o Criador me ensina que, através de ações no grupo, eu darei a Ele um lugar onde Ele possa ser revelado, onde eu O convido, e exijo revelação. Quando este local é aberto, o Criador o preenche e desaparece novamente, deixando-o vazio. Então eu tenho que atraí-Lo de volta.

Eu preciso adicionar minha paixão, minha aspiração a esse tango. Toda vez que o Criador desaparece, devo me examinar: pelo que estou realmente desejando? E tento melhorar a qualidade da minha aspiração por Ele, para que não seja importante o meu preenchimento, mas aquele por quem anseio. 2

Não temos nada a dar ao Criador, exceto a nossa conexão. O Criador é perfeito e não precisa de nada, não sente carência. Tudo o que podemos oferecer a Ele é um vaso, um Kli, no qual Ele pode se revelar e desfrutar de preencher nosso desejo. Portanto, cada um de nós tem a oportunidade de trazer satisfação ao Criador, preparando as nove primeiras Sefirot, os nove amigos, para a revelação do Criador nelas.

Cada um de nós se torna Malchut em relação ao resto e os prepara para serem preenchidos pelo Criador. A pessoa dá o desejo e o Criador é revelado nas nove primeiras Sefirot, nos amigos. Este é o nosso trabalho e é tudo o que podemos apresentar ao Criador: um vaso espiritual. 3

O desejo pelo Criador é desenvolvido através de um longo caminho, a partir do nosso desejo egoísta. Eu recebo vários golpes e sinto que eles são manipulados pelo Criador para me fazer entender que tudo vem Dele, bom e ruim, em qualquer situação da vida. Dentro de todos os problemas e “punições” da vida, a mão do Criador é revelada.

No começo, senti apenas punições, mas por causa disso senti dor, medo, desespero e vergonha. Mas, de repente, acontece que os castigos vêm do Criador, e isso é um alívio. Afinal, há uma justificativa e explicação para o que está acontecendo: é assim que o Criador me leva à correção final. Já adoça os castigos.

Eu me senti mal quando os castigos vieram, mas pelo adoçamento deles, me sinto bem. É impossível obter essa sensação agradável sem sofrimento prévio. Portanto, eu concordo: que haja medos, ansiedades, confusão, apenas para receber misericórdia e adoçar. É assim que aprendemos que a conexão com o Criador justifica qualquer condição.

É assim que o anseio pelo Criador é construído, porque eu vejo que o amor cobre todos os crimes e quero sentir o Criador, entender, amar. Sinto-me bem por ansiar por Ele – essa ainda é uma forma egoísta. Sinto-me bem pelo fato de ter pensamentos sobre o Criador, que luto por Ele, porque sei que a conexão com Ele dá doçura. E não apenas porque Ele adoça o julgamento que recebo, mas mesmo sem a ameaça de julgamento, quero pensar nele. Esta é a segunda etapa.

Se eu não pensar no Criador nem por um momento, me sinto mal. E se não me sinto mal com isso, lamento por que isso acontece? De fato, isso significa separação do Criador. Aqui, a pessoa pode verificar o quão terrível é se afastar do Criador, mesmo que por um momento.

Minha definição de bem e mal muda. O mal é quando não penso no Criador e o bem é quando penso. Eu ainda avalio pelo fato de me sentir satisfeito ou descontente, mas o próprio pensamento do Criador já está se tornando uma recompensa. Não preciso mais de uma punição preliminar neste mundo para esperar pelo Criador como meu salvador. Acontece que eu já estou me movendo deste mundo para o Criador e dizendo que pensar nele é uma recompensa e não pensar é uma punição.

O Kli que o Criador pode preencher é a dezena. Bom é quando o Criador é revelado aos dez como um: Ele une tudo e é revelado a todos. Deixe-O trabalhar, Ele ama este trabalho! Mas Ele não fará nada até exigirmos que Ele trabalhe. Nós somos os mestres que ordenam o trabalho do Criador: nós identificamos lugares onde não estamos conectados e exigimos que o Criador nos conecte e nos preencha. Este é o elevar MAN, a oração. 4

Você deve trabalhar pela fé acima da razão, ignorando seus sentimentos, “como um boi para o fardo e um burro para a carga”. Antigamente, animais domésticos, bois e burros eram livres e viviam suas vidas na natureza, em sua família, no rebanho. Agora, toda a sua vida é atender à demanda do proprietário. Eles se venderam por comida e estão prontos para fazer todo o trabalho que o proprietário exige.

Também precisamos concordar em fazer todo o trabalho a pedido do Criador “como um boi para o fardo e um burro para a carga”. E por qual recompensa? Por nenhuma, apenas pelas necessidades básicas de existir. Não quero nada, apenas existo, e por quê? Para preencher o desejo do mestre para que Ele me ame como seu boi ou burro.

Por que os proprietários alimentam e limpam seus animais? Porque eles trabalham. Então, eu quero o mesmo e nada mais. Eu preciso me abaixar ao estado de pura intenção. 5

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 13/11/19, Endurecimento do Coração – Um Convite para Construir um Anseio pelo Criador ”

1 Minuto 4:50
2 Minuto 27:50
3 Minuto 31:56
4 Minuto 51:50
5 Minuto 1:24:15

Comente