The Times Of Israel: “A Sabedoria Judaica E O Próximo Renascimento Na Europa”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “A Sabedoria Judaica E O Próximo Renascimento Na Europa

A humanidade de hoje não reconhece necessariamente que as bases que moldam sua cultura nasceram na Europa: filosofia, ciência, arte, política, economia e linguagem. Tudo isso transformou o homem de uma criatura bárbara em um ser humano iluminado.

No entanto, dia após dia, a Europa está afundando. Só esta semana, depois de dois anos de discussões políticas e crises, líderes de 27 países se reuniram em Bruxelas para finalizar a saída da Grã-Bretanha da União Europeia. O Brexit é mais um choque no Mercado Comum, que une o declínio da estabilidade política, a perda da identidade europeia, a ascensão da extrema direita e as ondas de imigração em massa, todas ameaçando afundar o navio europeu.

Assim, a cultura humana que se formou na Europa ao longo de dois milênios, a cultura que se enraizou no DNA da humanidade e moldou os padrões de pensamento que caracterizam a sociedade moderna, está agora se desintegrando. Enquanto ainda não está claro como o futuro irá se desenrolar, através do prisma da Cabalá, uma coisa é certa: mais uma vez, o mundo irá fixar sua visão no povo judeu.

Dois mil anos atrás, quando o Segundo Templo estava no auge de sua glória, muitas das nações do mundo vieram visitar, para aprender com os sábios de Israel sobre o segredo do povo judeu: sobre a sabedoria que aproximou o povo judeu como um homem em um só coração, a sabedoria que tinha o poder de tecer as diferenças entre as pessoas em uma humanidade harmoniosa baseada nas leis da natureza.

Esses estudantes foram apresentados à profunda sabedoria que revigorou o povo judeu. No entanto, com base em uma compreensão limitada, eles criaram suas próprias versões distorcidas da sabedoria. O Cabalista Yehuda Ashlag, também conhecido como Baal HaSulam, descreve isso da seguinte maneira:

“Os sábios da Cabalá observam a teologia filosófica e denunciam que eles roubaram a casca superficial de sua sabedoria, que Platão e seus antecessores gregos haviam adquirido enquanto estudavam com os discípulos dos profetas em Israel. Eles roubaram elementos básicos da sabedoria de Israel e usaram uma capa que não é deles.

Alguns dos sucessores daqueles que estudaram com os sábios judeus também escrevem sobre isso.

“A preeminência de Pitágoras não foi derivada dos gregos, mas novamente dos judeus. Ele mesmo foi o primeiro a converter o nome “Cabalá”, desconhecido para os gregos, no nome grego filosofia”, escreve o filósofo alemão Johannes Reuchlin em ‘De Arte Cabbalistica’”.

O escritor do século XIII Raimundus Lullus escreveu o seguinte:

“Ciências como teologia, filosofia e matemática tomam seus princípios e origens dos ensinamentos da Cabalá. Essas ciências são inferiores às leis e princípios da Cabalá, daí seus argumentos estarem faltando sem ela.

Os fundadores do movimento renascentista também foram influenciados pela Cabalá. Giovanni Pico della Mirandola, filósofo e cientista italiano que viveu no século XV, estudou hebraico e ficou fascinado com a sabedoria da Cabalá.

Em seu ensaio, “Discurso Sobre a Dignidade do Homem”, Mirandola escreveu que “a verdadeira interpretação da lei dada a Moisés é chamada de ‘Cabalá’”, e observou que “os livros da Cabalá contêm as fontes de conhecimento e sabedoria – a mais sólida filosofia que explica a natureza.

Seu ensaio seminal se tornou mais tarde um manifesto do movimento renascentista, que reformulou toda a Europa através da arte, religião, filosofia, literatura, educação e muito mais. O Renascimento trouxe uma mudança dramática de visão de mundo, que também levou à revolução científica na Europa.

A presença física dos judeus em toda a Europa também trouxe muitas mudanças ao longo de dois mil anos de exílio. Na esfera econômica, por exemplo, os judeus tinham uma posição significativa. Werner Sombart, uma das figuras mais proeminentes da ciência social no início do século XX, descreveu como os judeus conseguiram estabelecer o sistema capitalista que se enraizou na Europa:

“O povo de Israel era como um sol, onde quer que brilhasse – uma nova vida emergia do solo; onde quer que eles saíssem – a destruição se seguiu.

Mas tanto a influência indireta que a Europa absorveu da sabedoria da Cabalá quanto o impacto direto da presença de judeus que se estabeleceram na Europa foram uma expressão de um processo mais profundo e significativo. Sob a superfície, um vínculo interno estava se formando entre o povo judeu e os povos europeus. Gradualmente, uma dependência foi tecida entre a evolução da cultura humana e a sabedoria da Cabalá.

Hoje, cerca de dois mil anos depois, esse processo de conexão está chegando a um novo estágio. A cultura humana está se tornando interconectada em todo o mundo. Fronteiras estão se tornando confusas, a Internet canaliza a humanidade para um único espaço virtual compartilhado, e os seres humanos precisam de uma sabedoria de conexão que seja adaptada à nossa geração para se unificar acima de suas diferenças.

Como a Europa constitui a base da cultura humana, a necessidade é sentida primeiro lá. À medida que o continente europeu declina, a demanda pela sabedoria da conexão que está enraizada no povo judeu começa a borbulhar dentro dele e, do lado de fora, aparece como poderosas ondas de antissemitismo.

As pressões internas e externas dirigidas aos judeus na Europa e em todo o mundo os farão redescobrir o poder unificador da sabedoria da Cabalá.

“Para redescobrir e reacender o amor natural dentro de nós, reviver e revitalizar aqueles músculos da nação que não estão ativos em nós há dois mil anos” (Baal HaSulam).

Quando o povo judeu começar a se elevar a um nível superior de conexão humana, as nações do mundo também substituirão sua atitude hostil em relação a elas por uma atitude amistosa. Como resultado, um novo Renascimento surgirá – na Europa e em todo o mundo.

Comente