Meus Pensamentos No Twitter 18/11/18

Dr Michael Laitman TwitterNós vivemos na razão egoísta para decidir que não podemos viver dessa maneira.
Devemos sair dela, elevar-nos acima dela, começar a agir de acordo com a razão do Superior, Bina, em vez de Malchut, a razão da doação em vez da recepção.

As leis que operam lá são contrárias à razão egoísta – “e eu vi um mundo inverso”.

Resultado da influência da luz: eu recebo sentimento e razão visando meu benefício egoísta. De repente, começo a pensar no grupo e no Criador. Eles se tornam tão importantes para mim que não quero pensar em mim e na minha família.
Eu quero me importar não para meu próprio benefício, mas para o benefício do Criador.

O óleo é o nosso desejo por prazeres. O fogo é a luz superior. Nosso trabalho é conectá-los com um pavio. Tudo foi providenciado: devemos nos unir à concordância para transformar pensamentos e ações inadequados em nossa unidade com o Criador.

Eles nos afastam da doação e transformamos a lacuna em conexão.
#espiritualidade #Cabalá

O pavio é um transmissor, nossa alma. Acima, há a força de doação, Bina. Abaixo, há a força de recepção, Malchut. Nossa vida está no meio. Ela se afirma nos opostos, pulsa na superação, surge da intenção.

Se queima no pavio da lâmpada até eu usar todos os pensamentos estranhos.

Nós somos limitados pelo #egoismo. Ele não nos permite fugir de nossos próprios desejos e restringe nossa percepção. Nós percebemos tudo através do prisma do benefício próprio. Minha imagem do mundo, canalizada através do egoísmo, é distorcida e se transforma em mentira.

Em vez de ver a verdade, eu vejo um fragmento deformado pelo amor-próprio.

Pensamentos estrangeiros, todos os tipos de distúrbios são necessários. Sem eles, não podemos nos apegar à fé acima da razão. Não teríamos necessidade disso, sem apoio ou progresso. É o mesmo que como o óleo não pode queimar sem um pavio que o conecte ao fogo, à luz.

Toda vez que surgem pensamentos impróprios, devemos estar prontos e gratos por eles. Devemos usá-los como um pavio, acima da inadequação, conectando-nos à Fonte que os enviou ainda mais para fortalecer a luz, a conexão com o Criador.

O Ocidente deve ver os #migrantes como invasores que estão pacificamente provocando a assimilação dos europeus, impondo despesas, sua religião e cultura.
Milhões de migrantes se instalaram na #Europa. A consequência é uma conquista pacífica do continente.

Livro do Zohar: no final dos dias, os árabes terão o domínio sobre a Europa.

Nós, BB [Bnei Baruch], não somos contra a observância dos Mandamentos. Mas, para enfatizar que o mandamento principal está na unidade: “Ame seu próximo como a si mesmo”, o restante dos mandamentos não está sendo mencionado por enquanto. Eles se manifestam na medida em que estudamos sua fonte espiritual conforme necessário, procedendo da estrutura da alma.

As massas serão capazes de se adaptar à verdadeira Torá e aos Mandamentos apenas na medida em que compreenderem a conexão entre a palavra superior, o sistema de governo e o nosso mundo, nós.

Quando vemos as conexões entre raízes e ramos, a necessidade de observar os mandamentos como as leis da natureza é óbvia. Este é o verdadeiro “Hazara be Tshuva“.

A pessoa que começar a estudar Cabalá desenvolve o egoísmo numa extensão intolerável, então ela fugirá dele, do Faraó. O apoio do grupo é crítico neste período.
Sem ela, em vez de avançar em direção à luz, Torá, a pessoa regride, reduzindo seu egoísmo, impedindo-se de estimular o egoísmo, o Faraó.

Aqueles que começam a estudar a Cabalá se deparam com a necessidade de lutar contra o egoísmo, unindo-se no grupo contra si mesmo – um egoísta. Se eles não entenderem ou não puderem se organizar dessa maneira, eles deixam a Cabalá prática e se tornam seus inimigos, pensando que não são eles que falham, mas a organização, o grupo BB.

A tolerância é boa se não permite a anarquia, se é equilibrada e protegida contra a total permissividade!
Cabalá: tudo requer uma combinação de si e do oposto – em equilíbrio, a linha média. Nós devemos criar tal sociedade, ganhar este sentido espiritual de percepção.

Do Twitter, 18/11/18

Comente