The Times Of Israel: “Medo Da Morte: E Se Houver Vida Após A Morte?”

O The Times of Israel publicou meu novo artigo “Medo Da Morte: E Se Houver Vida Após A Morte?

Há uma coisa em que podemos ter certeza em nossas vidas: mais cedo ou mais tarde, vamos morrer. Se existe tal certeza sobre o destino de cada pessoa neste planeta, por que o medo da morte assola a humanidade? E se morrer não for tão ruim quanto pensamos? Ao resolver o mistério do que acontece depois que morremos, podemos encontrar conforto e clareza.

De acordo com uma recente pesquisa da Universidade Chapman sobre os medos americanos, 20,3% dos americanos têm medo ou têm muito medo de morrer, e quase o dobro (quase 40%) temem perder um ente querido. Quer temamos ou não a morte, a simples noção de entrar no desconhecido é assustadora. No entanto, o que fica claro é que o corpo físico perece e gradualmente se desintegra até desaparecer completamente.

Como Podemos Fazer Sentido De Morrer?

Parece que a morte nos rouba nossa independência, nosso próprio eu, tudo o que adquirimos e fizemos em nossas vidas. Mesmo repassando nossas realizações e bens que coletamos em nossas vidas para nossos descendentes desaparecerão já que um dia eles também deixarão este mundo. Como a morte é um fenômeno além de nossa compreensão e permanece algo sobre o qual não temos absolutamente nenhum controle, naturalmente tentamos nos opor a ela.

No entanto, paradoxalmente, nos últimos anos, assistimos a um surpreendente aumento global das taxas de suicídio como consequência do vazio interior das pessoas e da falta de satisfação com a vida. As estatísticas da Organização Mundial da Saúde mostram que, dos seus 183 países membros, os Estados Unidos tiveram o sétimo maior aumento percentual nas taxas de suicídio entre 2000 e 2016, subindo quase 25%. Todos os dias nos EUA, uma média de 123 suicídios é registrada, embora o número real seja considerado maior porque muitos casos não são informados, já que o suicídio continua sendo um tabu cultural. Só em 2017, a linha de apoio à prevenção do suicídio respondeu a mais de 2 milhões de chamadas de pessoas que procuravam aconselhamento confidencial sobre crises.

Particularmente no mundo de hoje, condições problemáticas em todas as áreas da vida estão nos incentivando a desenvolver uma consciência mais elevada sobre a nossa existência. Desde muito cedo, a humanidade agora pergunta: “Por que estamos vivendo e morrendo? Qual o sentido da vida? Qual é o sentido de todo esse sofrimento? Por que estamos aqui? ”Muitas pessoas que não encontram respostas satisfatórias a essas perguntas desconfortáveis ​​e, o mais importante, quando as fontes de felicidade e satisfação secam, simplesmente desistem.

Apesar desta realidade premente, o instinto básico de sobrevivência ainda é a nossa força motriz mais poderosa. O impulso instintivo de temer a morte é completamente normal, mas, quando se torna grave, pode transformar-se em extrema ansiedade, pânico e angústia, um fenômeno que ficou conhecido nos círculos médicos como a tanatofobia (lit. “medo da morte”).

Mas há realmente uma razão para temer a morte? É possível saber exatamente o que está além da barreira da morte, sem recorrer a teorias e crenças não verificadas? Se pudéssemos, talvez não houvesse necessidade de temer a morte, e poderíamos desenvolver uma abordagem muito mais equilibrada e consciente de nossas vidas?

A Questão Da Alma

De acordo com a sabedoria da Cabalá, não há razão para temer a morte porque, como a concebemos, a morte não existe. Ela se aplica apenas aos reinos vegetativo e animal, não ao nível humano.

O que acontece quando morremos? Aqui é onde encontramos as principais questões em relação à vida e à morte: temos uma alma ou não? Nós nascemos com uma alma, ou adquirimos uma quando morremos? Além disso, se não tivermos uma alma, podemos obtê-la durante nossa vida?

De acordo com a sabedoria da Cabalá, nós nascemos sem alma e, se não alcançarmos uma alma durante a nossa vida, também morreremos sem alma. A fim de experimentar o mundo eterno, a harmonia e o equilíbrio que vêm da vida na alma, devemos obter a alma durante a nossa vida. A Cabalá explica que nos é dada esta vida e futuras encarnações para que possamos obter nossa alma.

Como Isso Funciona?

Profundamente em nossos desejos há uma “semente da alma”. Essa semente espiritual, também conhecida como “ponto no coração”, é uma centelha que possibilita o nascimento da vida espiritual: a obtenção da alma.

Ao longo de gerações de desenvolvimento humano, este ponto no coração esteve latente, aguardando o momento em que seria capaz de florescer. De acordo com O Livro do Zohar, começando em nossa geração, esse ponto no coração começaria a fazer suas demandas em vastas massas de pessoas. Ele se expressa em nós como sentimentos de insignificância, vazio e insatisfação em simplesmente perseguir os prazeres corporais da vida e como perguntas sobre o sentido e o propósito de nossas vidas.

No fim, esses sentimentos de insatisfação com a vida corpórea e questões sobre o seu sentido nos levam aos meios pelos quais podemos desenvolver este pequeno desejo de espiritualidade, o ponto no coração, em um grande desejo onde podemos viver em nossa alma durante nossa vida. Basicamente, este é um processo de sair de nossos desejos corpóreos e egoístas e de entrar em desejos espirituais e altruístas. Quando alcançamos esse estado elevado, nada mais nos prende ao nosso mundo corpóreo. Embora a morte biológica do corpo material permaneça, a alma que adquirimos durante nossas vidas é eterna porque existe no desejo altruísta, fora dos egos corpóreos e egoístas que perecem.

Deste novo ponto de vista, nós sentimos a vida na alma – o desejo altruísta – muito maior do que a vida corpórea em que vivemos, onde constantemente tentamos nos preencher. Algo parecido com o modo como os pais sentem suas vidas na realização e no sucesso de seus filhos, nós adquirimos um sentimento de vida nos outros.

Enquanto vivemos em uma época em que esse ponto no coração está começando a despertar entre as massas, no final alcançaremos um estado em que toda a humanidade entrará no mundo espiritual e viverá na alma eterna – onde a vida é infinita e onde não há medo, mas apenas alegria e liberdade. No entanto, a questão permanece: passaremos por esse desenvolvimento com consciência e compreensão do que estamos tratando, desenvolvendo conscientemente nossa alma, ou sofreremos cada vez mais devido à nossa falta de consciência? É minha esperança que todos descubram o caminho da consciência – a sabedoria da Cabalá – e entrem no processo de descoberta da alma, aliviando a necessidade de todos os tipos de crises pessoais, sociais e globais para nos levar a esse despertar.

Comente