Haaretz: “Chanucá, Ou Porque Comemoramos Uma Guerra Civil”

Na minha coluna regular no Haaretz, meu novo Artigo: “Chanucá, Ou Porque Comemoramos Uma Guerra Civil”

A unidade é como nós derrotamos o separatismo helenístico (grego) dentro de nós, e nos tornamos os Macabeus modernos, guerreiros da luz.

Na próxima semana nós (judeus que observam festas judaicas) comemoramos Chanucá, também conhecida como o Festival das Luzes. Mas o milagre de encontrar um minúsculo jarro de óleo que deveria ter mantido óleo suficiente para iluminar a Menorah por apenas um dia, embora a tenha iluminado por oito dias, é apenas o fim da história. Seu começo foi muito mais sombrio e sangrento, mas também sublinha a eterna batalha do judeu: de preservar os valores de fraternidade e responsabilidade mútua acima de tudo.

Nossa missão, o legado de nossos antepassados ​​para trazer a luz da unidade ao mundo

No ano 167 a.C., um judeu helenizado avançou para oferecer um sacrifício a um ídolo no lugar de adoração do sacerdote, Matatias, o Asmoneu. Esse era um procedimento de rotina, parte de uma campanha orquestrada dirigida pelo Império Selêucida para forçar a cultura e o sistema de crenças helenísticas sobre o povo judeu. Em sua ajuda, os selêucidas usaram judeus que foram levados pelo encanto da cultura e da filosofia gregas para infundir a cultura helenística na vida judaica e forçá-la àqueles que não a desejavam. Mas os selêucidas e seus cúmplices não tinham conhecido Matatias antes. Quando o judeu helenizado avançou na tentativa de cumprir a ordem do oficial do governo, Matatias levantou-se e matou tanto o judeu como o oficial.

Temendo a retribuição do governo, Matatias levou seus cinco filhos e, juntos, eles fugiram para as montanhas que cercavam sua cidade, Modim. Lá eles poderiam se proteger ao infligir mais vítimas aos Helenistas.

Ouvindo o ato de desafio de Matatias, dissidentes judeus começaram a correr em direção às montanhas para se unir a Matatias e seus filhos em sua luta pelo destino do Judaísmo. Assim começou a revolta dos Asmoneus.

A Guerra Civil Judaica

Nós podemos não gostar de pensar em nosso alegre festival de Chanucá em termos tão sombrios, mas a revolta dos Macabeus não era contra os gregos, como as canções infantis de Chanucá descrevem, mas contra nossos irmãos desonestos. Foi uma guerra civil. Pelo menos durante o primeiro ano da revolta, os combates não atingiram os soldados selêucidas. A maioria dos combates ocorreu entre os Macabeus, como os Asmoneus e suas tropas foram chamados, e os Mityavnim: judeus que abraçaram a cultura helenística ou convertidos ao sistema de crença pagã grega. Só muito mais tarde, depois que os Mityavnim foram derrotados, os exércitos selêucidas os uniram numa tentativa de esmagar os Macabeus.

Por Que Um Judeu Lutaria Contra Um Judeu

Ao contrário do que muitos na nossa tribo gostam de pensar, nossa nação não é como qualquer outra. Maimônides nos diz (Mishneh Torah, Capítulo 1) que, quando Abraão fugiu da Babilônia, fez isso porque percebeu que a fraternidade era o único remédio para consertar as quebras em sua terra natal, mas Nimrod, Rei da Babilônia, o perseguiu para sua condenação.

Séculos mais tarde, Moisés nos uniu oficialmente em uma nação quando nos comprometemos a nos amar como a nós mesmos e a sermos “como um só homem com um só coração”. Sem esse compromisso, não somos judeus; voltamos a ser os individualistas marginalizados que fugiram de suas tribos domésticas e ainda não encontraram os princípios unificadores de misericórdia e amor ao próximo que os transformarão em uma nação. Sem esses princípios, nos tornamos inimigos uns dos outros.

A guerra entre os Macabeus e os judeus helenizados nunca termina. Dentro de cada judeu existe um helenista.

No entanto, o amor ao próximo é antinatural. A Torá nos diz que “o pecado jaz à porta” (Gênesis 4:7). Desde a nossa criação, tivemos que combater a inclinação ao mal em nosso meio. Sempre houve membros de nossa nação que renunciaram ao caminho da fraternidade e optaram pelo caminho do egoísmo. Ainda assim, se abandonarmos o legado de Abraão, Isaque, Jacó e Moisés, quem será uma luz para as nações? Quem vai mostrar ao mundo que, quando o egoísmo reina, como o faz hoje, o único remédio para a nossa sociedade é cobri-lo com o amor ao próximo?

Nós devemos lembrar que toda a nossa Torá, como o rabino Akiva nos ensinou, é “amar ao próximo como a ti mesmo”. O Talmude também escreve (Masechet Shabat, 31a) que, quando um prosélito veio a Hillel e pediu para aprender a Torá, Hillel respondeu: “O que você odeia, não faça ao seu próximo. Essa é a totalidade da Torá”.

Portanto, a guerra entre os Macabeus e os Helenistas não foi sobre a terra. Tratava-se de manter a adesão judaica à Torá: a lei da fraternidade. Os judeus que escolheram o helenismo abandonaram essa lei em favor de adorar o ego, a competição e o poder, e queriam impor seu dogma aos judeus que permaneceram autênticos.

Tivessem os judeus sucumbido à agenda do Mityavnim, não teria havido ninguém para mostrar ao mundo o caminho da responsabilidade e cuidado mútuo. Isso, por sua vez, teria negado ao mundo um exemplo de que é possível transcender o ego e se unir, e o mundo estaria condenado à destruição por guerras motivadas pelo ego.

Por essa razão, os Asmoneus não tiveram outra escolha senão destruir os judeus que desejavam impedir que seus irmãos cumprissem sua tarefa: ser uma “luz para as nações” e mostrar o caminho para a unidade. A vitória que celebramos em Chanucá não é sobre a terra que recuperamos dos selêucidas. Nós celebramos nossa vitória sobre aqueles entre nós que desejavam negar ao mundo a tentativa de unidade, a tentativa de felicidade e paz duradouras.

O Helenista Dentro de Nós

A guerra entre os Macabeus e os Mityavnim nunca termina. Dentro de cada judeu há um helenista sussurrando que é melhor não se unir e ser como todos os outros, perseguindo prazeres egoístas. Afinal, não é este o caminho da natureza?

Chanucá nos lembra que nunca devemos parar de lutar contra nossos Helenistas internos. A história do nosso povo prova que, se desistirmos da unidade, o ódio prevalecerá. A vitória dos Asmoneus não deu a Israel uma paz duradoura. Menos de dois séculos depois de seu triunfo heroico, o ódio infundado conquistou até o melhor de nós e infligiu a ruína do Templo e nosso exílio de nossa terra.

No entanto, nossa missão, o legado de nossos antepassados ​​para trazer a luz da unidade ao mundo, não mudou ou diminuiu ao longo dos anos. Como mostrei em muitos de meus escritos, as nações sentem que sua incapacidade de estar em paz uns com os outros é nossa culpa. Eles nos odeiam por seu ódio mútuo, e até mesmo o raciocínio mais perfeito não vai convencê-los de outra forma. Você não pode raciocinar com um sentimento intuitivo.

O mundo de hoje precisa de unidade mais do que de ar limpo, e realmente precisa de ar limpo. Quanto mais as relações das pessoas se deteriorarem em todos os níveis da interação humana, mais eles nos culparão por isso. Nós fomos, somos e sempre seremos o povo escolhido: não para dominar o mundo de maneira condescendente, mas para introduzi-lo amorosamente no método de conexão através de nosso exemplo pessoal.

As mudanças em nosso mundo estão acelerando exponencialmente. Nós somos cada vez mais perversos e violentos a cada instante. Ninguém sabe quando uma guerra total entrará em erupção, mas o risco de uma erupção está ficando cada vez mais iminente. Nesse Chanucá, o Festival das Luzes, devemos nos lembrar que a luz que o mundo precisa agora é unidade e que somos os chamados a iluminá-la.

Nesses dias de altas tensões políticas, nossa tribo está mais separada do que nunca. No entanto, essa é também a nossa chance de escolher se queremos nos tornar Helenistas egoístas ou Macabeus cuidadosos. Nós somos aqueles que devem acender a chama da unidade entre nós e colocá-la em nossas janelas para que todos possam ver e seguir o exemplo.

A fraternidade é como nós derrotamos o separatismo helenístico dentro de nós e entre nós. É também assim que aprendemos a amar nossos próximos como a nós mesmos, e nos tornamos os Macabeus modernos, guerreiros da luz.

Que tenhamos um Chanucá feliz e unido!

Do Artigo Haaretz 22/12/16

Comente