Guerras Hortícolas

Uma vez, havia guerras mundiais e tudo girava em torno delas. Vida e morte, futuro e presente, enfim, tudo. Ainda me lembro de um tempo, porque eu cresci no pós-guerra, em Belarus, quando todos estavam imbuídos de memórias da última guerra, tudo era lembranças da guerra. Tudo o que nos cercava: edifícios destruídos, valas comuns, madeiras cheias de conchas vivas. Dois terços dos meus parentes foram mortos, queimados nos campos da morte. E os políticos falavam apenas sobre a vitória e nosso desenvolvimento pós-guerra. Nós pensamos: pior que isto nunca acontecerá novamente. Parecia que agora o mundo procuraria somente a paz.

Mas não demorou muito para que se tornasse claro que estávamos errados. Descobriu-se que o mundo procura a guerra. A humanidade provoca, incita, e com sucesso traz conflitos. Apenas a estratégia mudou. Em vez de uma grande guerra, há muitas guerras pequenas.

Se for possível, não na América, na Europa ou na Rússia, mas em algum lugar, digamos, no “submundo”, no Oriente Médio, Ásia ou África?

“Deixem-nos matarem-se uns aos outros, mas não no meu jardim”. Esta é uma abordagem corrente nos dias atuais. Basta mover os conflitos e sua gravidade tão longe quanto possível. Conflitos no Iraque, Iêmen, Síria e Somália são constantemente “aquecidos”. Deixe-os lutarem, baterem, cortarem uns aos outros, mas não aqui. Você pode até mesmo permitir que uma pequena guerra nuclear, mas, novamente, em restritos limites “regionais”.

Por que isso está acontecendo? Porque há muitas “bocas extras”. Não há onde colocar as massas de pessoas, o desenvolvimento de quem ninguém favorece.

O trabalho de milhões de pessoas é substituído por máquinas, produção reduzida enquanto o gigante não precisa de ninguém. O desemprego chega a 40%. Na rua estão pessoas aptas jovens que não sabem para onde … Eles são extras. Sem trabalho, a unidade de emprego, não há um propósito na vida, não há futuro … Eles estão todos incontroláveis, negligenciados, e tão perigosos.

A crise está crescendo, e os líderes vêem a única maneira de preservar o poder: O sacrifício dos “desnecessários”.

Então, vão para a guerra. Quem toma a decisão de lutar? Pequenos “gabinetes”! Estes ingênuos “grandes mestres” acreditam que eles governam a história da humanidade.

Mas eles não controlam nada. Repara: os bumerangues retornam; A Europa já foi apanhada na armadilha. Ela está dominada por imigrantes de países do Terceiro Mundo. O Islam está tomando conta. A democracia é incapaz de sustentar o Islã. Afro- americanos estão despertando a América. Eles também não são “embalados” por contos de igualdade.

O que acontecerá? Porque este cenário de “loucura” está desdobrando-se? E quem, exatamente, está desdobrando-o?

A resposta, como de costume, é simples. E parece que desta vez temos de reconhecer nossa impotência diante da natureza. As leis da natureza governam as massas e os notórios “grandes mestres” em seus pequenos escritórios. Para entender este fato, precisamos de uma lógica diferente: A lógica da paz integral e global.

Precisamos entender que o mundo mudou de forma irrevogável. E a crise, que está se desenrolando diante de nós, não é outra crise -são as dores de parto de uma fase inteiramente nova. O sistema de relações na humanidade saltou para um novo nível – singular, global, interligado … E todos nós estamos tentando controlá-lo com o velho, linear poder. E então tudo desmorona, fora de controle …

Sim, o mundo já completou um círculo; a humanidade transformou-se em um todo. Apesar de todas as guerras e conflitos, estamos inseparavelmente unidos pela economia, culturas comuns e até mesmo geograficamente, devido a que as tecnologias modernas fazem de nosso planeta “uma pequena aldeia”. Quaisquer desastre afeta cada um de nós. Por um lado, estamos incluídos em um sistema global; por outro lado, resistimos à lei global, no entanto, é inútil resistir a essa lei global …

O que pode ser feito? Nós só podemos estudar esta lei e reconhecer que estamos interligados, e sendo movidos em direção ao outro. Não há mais nada que possamos fazer. Só então percebemos que levantar-se acima das contradições é bastante possível. Só então veremos que não há “bocas desnecessárias” e que cada pessoa é necessária. Só então, pararemos de jogar as pessoas “desnecessárias” nos fornos da guerra e começaremos a estudar este novo sistema de relações. Ao ponto de que nós até mesmo voltamos para a escola e estudamos um novo tipo de comunicação global, integral.

O que e como devemos estudar? Falaremos sobre isso em nossos textos futuros.

[164174]

Do Meu Blog, Artigo , “Eco de Moscou”

 

Comente