A Limpeza De Wall Street

Uma carta do meu aluno: Meus amigos me ligaram hoje cedo dizendo que eles ouviram um boato no rádio e na televisão que o movimento Ocupe Wall Street foi encerrado e a polícia realizou uma batida noturna no Parque Zuccotti (também conhecido como a Praça da Liberdade), “limpando” os ocupantes do território.

Isso me deu medo: Será que nós realmente poderíamos ser “tolidos” da possibilidade de disseminar materiais? Descobriu-se que era verdade: os manifestantes foram dispersos pela “vassoura” que pretendia remover da praça apenas os vagabundos e dependentes de drogas. Mas, aparentemente, eles ficaram furiosos.

 

Para ser franco, os drogados e os vagabundos interferiram no movimento, apesar da limpeza dos verdadeiros “ocupantes”. Eles fumavam tanto pelo parque, que você poderia ficar alto só de caminhar por lá. Nós víamos o véu espesso, o nevoeiro branco leitoso sobre o parque. Nossas mulheres, que estavam distribuindo panfletos, respiravam tanta maconha que saíam de lá se sentindo doentes. Elas estavam literalmente nauseadas.

Vagabundos e drogados também são pessoas, e todo mundo gosta de comer de graça, enquanto havia comida suficiente para todos. Todo mundo podia receber três boas refeições por dia, mesmo as pessoas que simplesmente só perambulavam, não tendo nada a ver com os protestos. De um modo geral, a vida no acampamento não era tão má: as pessoas alimentavam você, limpavam tudo para você, e entretinham você, a imprensa entrevistava você, as pessoas traziam roupas de graça e dinheiro, e muito mais. Você não consegue ver ou obter nada assim de graça em nenhum lugar. E o mais importante, você está junto com as pessoas! É por isso que todos estão lá:, pela sensação de integração e união, a sensação de que alguém se preocupa com você…

Mas, todo esse “comunismo” terminou e os jornais locais se alegraram que a “bagunça” tenha finalmente acabado. Na noite passada, a polícia atacou o acampamento, e não seria inteligente opor qualquer resistência, para dizer o mínimo. Claro, todo mundo ficou ofendido porque eles jogaram fora todos os pertences das pessoass do acampamento, incluindo uma biblioteca de 500 livros raros, livros velhos e novos, tendas, nossa mesa de jogos que mantínhamos na biblioteca, e muito mais.

Limpeza é limpeza, e ela foi completa, do jeito da polícia. Eles não fizeram rodeios, não havia muito tempo até a manhã. Se eles esperassem que todos acabassem de empacotar as coisas e saíssem, eles não teriam visto o fim de tudo, e é mais difícil um trabalho sujo feito em plena luz do dia…

O Sr. Bloomberg, prefeito da cidade, justificou a limpeza pelo fato de que os ocupantes criaram condições insalubres no parque, que irritou os proprietários e também privou os cidadãos comuns da oportunidade de desfrutar a área e os jogos de xadrez como antes, porque ela era usada pelos amantes deste antigo jogo intelectual para sentar pacificamente no parque e era seu lugar para socialização e recreação.

Na parte da tarde eu consegui ir até Wall Street e olhar para tudo com meus próprios olhos, quando as pessoas deixavam seus locais de trabalho e estavam a caminho de casa. Às 17 hs as coisas já pareciam completamente diferentes, comparado com a calma e a ordem que a polícia tinha montado na parte da manhã. O parque estava cheio, com milhares de pessoas, ocupantes que retornaram à praça se sentindo feridos, ofendidos, e com raiva.

Essa massa, composta de pessoas diferentes que se uniram num único “corpo” ao longo dos últimos dois meses, andava com horror e escândalo. “É assim que se parece um estado policial (opressor)! Nós superaremos!”, etc.. Estas não eram mais declarações separadas de pequenos grupos e de fanáticos meio-loucos, mas uma voz ruidosa de uma criatura ferida cuja casa foi destruída e que não tem ninguém a quem reclamar.

Uma massa de pessoas também se aglomerava em torno do parque para apoiar os ocupantes, ou apenas para observar o que estava acontecendo. Estações de TV e helicópteros da polícia pairavam acima dos edifícios, iluminando a multidão. Os projetores de diferentes lados da rua fizeram com que o evento parecesse um show teatral se desenrolando num palco. E a polícia não estava muito agressiva, como se já tivesse feito seu trabalho e agora pudesse esfregar suas mãos. Afinal de contas, eles não eram os 99%? Depois de uma hora em Wall Street e perambulando entre a multidão, ficou claro que “ninguém ia a lugar nenhum”.

Os vagabundos e drogados provavelmente não vão voltar para o parque. Mas os ocupantes já estão lá, junto com os simpatizantes. E também não estamos fora do mapa. Hoje conseguimos distribuir algumas centenas de panfletos. O clima está extremamente quente e o parque está lindo, semelhante a uma floresta colorida de ouro e rubi… Como se o Criador tivesse colocado uma “decoração nível 2” para nós, com num jogo de computador. Eu acho que nós estamos assumindo uma feição mais impetuosa, “os 99% e nós”. Juntos!

O que vai acontecer em Wall Street e em todas as cidades nos EUA amanhã é imprevisível por enquanto. Mas, uma coisa está clara: TEMOS QUE NOS UNIR se quisermos passar para esse segundo nível sem perdas, com o cálculo correto, e dando a todos que têm nos “ocupado” (e é realmente assim) um caminho para a Luz e a realização.

Arvut EUA!

The New York Times – http://www.nytimes.com/2011/11/16/nyregion/police-begin-clearing-zuccotti-park-of-protesters.html?pagewanted=1&ref=global-home

Comente