A Evolução Continua

Em cada fase do desenvolvimento recebo uma “injeção” e procuro pela salvação devido ao desamparo. Dificuldades me purificam, diminuem o meu desejo egoísta, e me leva a bondade, o que significa em direção à decisão e à ação correta. Mas tudo isso acontece sob a chuva de golpes dolorosos, pelo caminho do sofrimento.

Por outro lado, eu posso usar remédios alternativos (forças e situações) que me permitem passar pelo processo de correção, sem esperar pelo problema. A diferença está na minha consciência, atenção e determinação em direção ao Criador.

Eu posso rastrear e levar golpes até que eles despertem um novo desejo dentro de mim a cada passo dado, ou eu posso gerar uma necessidade de avançar por conta própria. Eu continuo à procura de atração e encanto na minha aspiração em direção ao Criador e doação.

Deixe este esse encanto me levar para frente com uma força maior do que os beliscões que eu recebo por trás. Eu vou ser aquele que define a velocidade do meu desenvolvimento, movendo mais rápido do que está definido no Pensamento da Criação que me estimula a evoluir. Diz-se que neste caso eu sou o único que “acorda no amanhecer, a aurora não me acorda.”

Neste ponto chegamos à única escolha livre que está disponível para nós : procura por competências adicionais para avançar além da Luz e do vaso (kli). Onde posso obtê-las?

É claro que se eu não usasse os poderes alternativos, meu autêntico “eu” nem existiria. Eu vou continuar a ser uma besta pequena que evolui apenas como um resultado do sopro enviado pela natureza no meu caminho.

Todos nós fomos progredindo desta maneira até agora. De alguma forma, pensamos que somente os níveis inanimado, vegetativo, e animado se desenvolvem em conformidade com as leis da natureza, mas um ser humano avança independentemente disso. Mas qual seria o caso? A evolução não está ainda em curso?

É realmente assim que um macaco se transformou em um ser humano, ele imediatamente começou excluir as leis da natureza? É viável que estamos sendo impulsionados apenas pela nossa própria inteligência? Não. Nós somos inteligentes, mas ainda cumprimos com as leis da natureza, nós não nos opomos a elas. Nossa inteligência amada compreende parte indispensável da natureza.

A ciência moderna descobre os milagres de adaptabilidade de desenvolvimento e explica as interações entre as várias criaturas: Insetos, aves, peixes, e assim por diante. No entanto, atribuímos tudo isso aos instintos e, ao mesmo tempo, continuamos a plumar no nosso intelecto. Na realidade, o nosso cérebro só implementa os nossos instintos de uma forma ainda mais instintiva. Como resultado, nós nos destruímos ainda mais. Animais são defendidos por mecanismos de proteção, enquanto somos privados de um “dispositivo de segurança” e “ficamos selvagens”.

[60058]

Da 4 ª parte da Lição Diária de Cabalá de 07/11/2011,”MatanTorá (A Entrega da Torá )

Comente