Sacrífio é uma Forma de se Aproximar do Criador

Do artigo do Rabash “A Questão da Raiz e Ramo”: É importante separar o interno do externo. Um ramo externo deve corresponder a sua raiz espiritual, mas um ramo interno pode sobreviver sem sua raiz externa.

Para que “a Terra de Israel”, que provém das suas raízes espirituais “Malchut” (a governança do Criador), fique no coração humano, não é necessário estar fisicamente na Terra de Israel. Pode ser concedida a uma pessoa a presença do Criador (Shechiná) e ser digna de grande realização, mantendo-se fora das fronteiras de Israel, como todos os grandes Cabalistas que viveram no exterior.

“Interno” representa o trabalho no coração que não tem nada a ver com o “externo”. Mas, ao mesmo tempo, “externo”, também é extremamente importante. Por exemplo, há uma lei que se deve orar em “Minyan” (dez homens), mas é redundante verificar o nível de espiritualidade que eles têm atingido, quaisquer dez homens podem orar e ler a Torá. Mas nove homens perfeitos e justos estão proibidos de orarem juntos.

Ações materiais (“ramos”) não devem ser confundidas com ações espirituais correspondentes (“raízes”). Ações terrenas (tradições deste mundo) não têm nada a ver com o nível espiritual de uma pessoa e de modo algum pode defini-lo. Qualquer pessoa pode trazer sacrifícios para o templo, mas poucos são capazes de fazer “sacrifícios espirituais“, que significa a correção de seus desejos egoístas através da Luz Superior.

Qualquer pessoa é capaz de distinguir entre esses desejos que podem ser trocados pelos que são de doação (“sagrados”) e elevados para o nível de concessão (“Templo”), ou seja, para elevar-se a Malchut Bina. Malchut representa uma “casa”, Bina “santidade”. Malchut eleva-se para Bina, criando assim uma “casa da santidade” (um templo) em Bina.

Todas as ações “internas” que uma pessoa faz dentro da propriedade de Bina são chamadas de “sacrifício”. Com a ajuda da Luz, uma pessoa consegue transformar seus desejos do tipo “inanimado”, “vegetativo”, e “animado” em altruístas, em nível de desejos “fala”.

A correção de cada desejo acontece consecutivamente pelo experimento de três tipos de impacto da Luz: “Cohen”, “Levi”, e “Israel”, trazendo-a à semelhança e a fusão  com o Criador. É chamado de “sacrificar” (Korban), que significa estar mais próximo (Karov) do Criador. Estas medidas de correção definem a altura espiritual de uma pessoa.

A execução física das ações que estão relacionadas com a espiritualidade, mas parecem irracionais neste mundo material são chamadas de “mandamentos“, ou seja, as tradições ou rituais (Minhag). Elas não dependem do fato de saber ou não se uma pessoa alcançou a espiritualidade, ou se ela está planejando fazer as correções em suas raízes espirituais.

No nosso mundo, podemos realizar certas ações materiais que refletem ações espirituais, mas elas são na verdade, apenas tradições folclóricas. Elas não nos corrigem nem mesmo nossos desejos e podemos determinar isso, observando as pessoas que as executam. A fim de corrigir os nossos desejos, temos que conectar com a Luz do Alto, que por sua vez, os modifica através da intenção de doar.

Da 1 ª parte da Lição de Cabala Diária de  1/8/10,  do artigo, “A Questão da Raiz e Ramo”

Material Relacionado:
Invenções Culturais da Humanidade

Quebrando a Muralha Entre os Mundos

Comente