“Opioides – Uma Fuga Da Inutilidade” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Opioides – Uma Fuga Da Inutilidade

De acordo com dados do Centro Nacional de Estatísticas da Saúde do CDC, no ano passado houve um salto de quase 30% nas mortes por overdose de drogas, 75% das quais foram atribuídas a opioides. De acordo com os dados, as mortes por overdose de opioides aumentaram quase 40% apenas no ano passado.

Essas estatísticas alarmantes são de longe as piores de qualquer país, mas os EUA não estão sozinhos em sua crise de opioides. Durante aproximadamente o mesmo período, o uso de opioides entre adolescentes em Israel disparou, acompanhado por um aumento nas ligações para centros de ajuda emocional.

Tanto nos EUA quanto em Israel, o problema não é o uso de opiáceos em si, mas a sensação de inutilidade que leva jovens adultos e adolescentes a tentar fugir da realidade. Hoje, quando as pessoas têm tudo o que precisam materialmente, as perguntas sobre o sentido de tudo isso se tornam cada vez mais pungentes.

Isso vale não só para adolescentes e jovens adultos, mas também para seus pais. Na verdade, parte do motivo pelo qual os adolescentes não conseguem responder a si mesmos à pergunta sobre o sentido da vida é que seus pais também não sabem a resposta e ficam igualmente perplexos. Como os pais não podem dar respostas, as crianças continuam frustradas.

O abuso de opioides é apenas uma faceta do problema. Na verdade, para onde quer que você olhe, as pessoas estão infelizes, deprimidas, zangadas e frustradas. É por isso que muitas delas se voltam para os extremos para encontrar sentido: fundamentalismo religioso, esportes radicais, violência e abuso de substâncias.

A solução, portanto, não está em uma abordagem particularista da overdose de opioides. É preciso haver um sistema abrangente que informe as pessoas sobre a realidade em mudança e as ensine como lidar com ela.

Esse sistema precisa começar na primeira infância e continuar até a idade adulta. As pessoas devem ser colocadas em círculos sociais que lhes proporcionem apoio social, calor, simpatia e empatia. O relacionamento com o grupo deve ser prolongado e continuar ao longo da vida, proporcionando às pessoas uma base para se apoiar e crescer.

Gradualmente, as pessoas começarão a desenvolver novos valores. Em vez de buscar sentido e satisfação derivados de metas egocêntricas, as pessoas encontrarão sentido nas relações recíprocas com os outros. Elas começarão com o grupo central que acabei de mencionar e se desenvolverão a partir daí para círculos cada vez mais amplos.

Do outro lado da crise está uma nova sociedade, conectada e solidária. Mas chegar lá requer espremer-se por uma caverna estreita onde a luz do outro lado é fraca e irregular.

A dor que leva as pessoas aos opioides e outras formas de escapismo é resultado da pressão de estar no processo de mudança de um mundo para outro. Por um lado, os prazeres do velho mundo não lhes dão mais a alegria de outrora; por outro lado, não descobriram o prazer de retribuir com os outros. Como resultado, elas se sentem “presas em uma caverna” e procuram desesperadamente uma fuga.

Comente