“Apenas Uma Condição Justifica Um Estado Judeu” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Apenas Uma Condição Justifica Um Estado Judeu

Hoje, setenta e quatro anos atrás, as Nações Unidas decidiram adotar a proposta sugerida pelo Comitê Especial das Nações Unidas sobre a Palestina (UNSCOP) e criar dois Estados separados na Palestina – um para os árabes e outro para os Judeus. A proposta, conhecida como “Plano de Partição das Nações Unidas para a Palestina”, criou um Estado Judeu de fato, que se tornou oficial cerca de seis meses depois. Lamentavelmente, nunca cumprimos nossa tarefa e nunca cumprimos nosso título: o Estado Judeu. Na melhor das hipóteses, temos sido uma “estação intermediária” onde devemos decidir nosso futuro: dissolver-se entre os árabes ou construir um modelo de unidade para toda a humanidade.

A própria noção do Estado Judeu servindo como um porto seguro para os Judeus está errada. Esta não é uma justificativa para a existência de um Estado Judeu. Um Estado Judeu que não dê o exemplo de unidade nunca ganhará o apoio do mundo, e os próprios judeus lhe darão as costas, como já está acontecendo.

O povo judeu não é uma nação como o resto das nações. Eles não têm uma origem comum, nenhuma cultura comum e nenhuma ancestralidade biológica distinta.

Os Judeus são uma nação ideológica. Quando Abraão começou a divulgar suas noções de misericórdia e bondade para todos, povos de todas as nações do mundo antigo se reuniram ao seu redor e tentaram praticar o que ele ensinava. Eles forjaram uniões entre pessoas que antes não eram familiares ou mesmo hostis umas às outras, mas acreditavam nas ideias de Abraão.

Os hebreus poliram e aperfeiçoaram sua união através de séculos de provações e tribulações. Finalmente, após um exílio prolongado no Egito, eles alcançaram tal nível de unidade que se tornaram “como um homem com um coração”. Naquele momento, eles foram declarados uma nação.

Sua nação era de um tipo nunca visto: uma nação formada pela escolha consciente do povo de se unir acima de suas divisões, e apenas por uma questão de unidade. Eles não tinham outra razão para ficarem juntos a não ser a importância da unidade acima das diferenças. Mas, ao fazer isso, eles provaram, na prática, que as nações podiam fazer a paz, que o amor acima das diferenças pode triunfar e que a guerra não era necessária. É por isso que, assim que se tornaram uma nação, receberam a tarefa de ser “uma luz para as nações”, ou seja, compartilhar sua unidade única com o mundo inteiro.

Através dos tempos, os Judeus foram exilados e voltaram várias vezes à terra de Israel. Eles eram soberanos na terra quando se uniram e foram expulsos dela quando se dividiram. Em certo sentido, a verdadeira “terra” do povo Judeu é “a terra da unidade”. Em outras palavras, nosso Estado geopolítico sempre reflete nosso nível de união ou divisão.

Yehuda Ashlag, autor do aclamado comentário Sulam [Escada] sobre O Livro do Zohar, escreveu sobre isso em Os Escritos da Última Geração. Em suas palavras, “o judaísmo deve apresentar algo novo às nações. Isso é o que eles esperam do retorno de Israel à terra!” Baal HaSulam acrescentou que, a menos que os judeus em Israel deem um exemplo de unidade, “o sionismo será cancelado completamente … Sem dúvida, ou [os colonos judeus em Israel] ou seus filhos irão gradualmente deixar o país, e apenas um número insignificante permanecerá, que acabará sendo engolido entre os árabes”.

A expectativa não satisfeita do mundo de que fala o Baal HaSulam determinará se podemos permanecer aqui ou não. Como então, agora, nossa residência física em Israel reflete nosso nível interno de união ou divisão. Atualmente, nosso nível de divisão é tão alto que não há dúvida de que estamos no bom caminho para a desintegração, assim como Baal HaSulam avisa. Não vamos querer ficar aqui, e o mundo não vai querer que permaneçamos aqui.

Portanto, há apenas uma condição que justifica a existência de um Estado Judeu, e apenas uma condição que merece ser chamada de “judeu”: se estivermos unidos, seremos fiéis ao nosso legado e mereceremos o título “o povo de Israel”. Se estivermos divididos, estaremos de volta ao ponto de onde viemos: um grupo de pessoas que não têm nada em comum e não sentem nada além de ódio umas pelas outras.

Por outro lado, se quisermos nos unir acima de nossas diferenças, temos todo o direito de dizer ao mundo: não interfiram em nossas vidas aqui em Israel; estamos construindo nossa união para ser um exemplo para o mundo. Todo mundo vai aceitar isso. Todos sabem que este é o nosso chamado e todos sabem que nosso chamado é beneficiar o mundo. Portanto, se trabalharmos em nossa unidade, e por nenhum outro motivo, todos apoiarão nossos esforços.

Comente