“A Conferência Sobre Mudanças Climáticas De Glasgow Não Muda Nada” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Conferência Sobre Mudanças Climáticas De Glasgow Não Muda Nada

Enquanto o mundo se prepara para a Conferência sobre Mudanças Climáticas de 2021 em Glasgow, mais e mais dados indicam que os esforços humanos, supondo que tenham havido esforços, têm sido insuficientes, na melhor das hipóteses. Enquanto os líderes mundiais espalham muitas declarações sobre como reduzir as emissões de gases de efeito estufa, a realidade é o oposto. O Relatório de Lacunas de Produção da ONU rastreia a discrepância entre a produção planejada de combustíveis fósseis pelos governos e os níveis reais de produção global. O relatório deste ano revela que “apesar do aumento das ambições climáticas e compromissos líquidos de zero, os governos ainda planejam produzir mais do que o dobro da quantidade de combustíveis fósseis em 2030 do que seria consistente com a limitação do aquecimento global a 1,5 ° C [2,7 ° F]”.

No entanto, mesmo que os governos pretendam cumprir seus compromissos, isso não reverterá a mudança climática. Se compararmos a quantidade de gases de efeito estufa que a humanidade produz com a quantidade emitida por erupções vulcânicas, incêndios florestais e o descongelamento acelerado do permafrost no Alasca, Groenlândia, Canadá e Sibéria, ficará claro que a natureza está se encaminhando para uma rápida mudança climática com ou sem a nossa “ajuda”.

A mudança climática não é a única crise que a humanidade enfrenta. Existem crises em todas as áreas do envolvimento humano: as tensões internacionais estão aumentando; o extremismo religioso está aumentando; tensões raciais e culturais estão dividindo os países internamente; e a economia global está à beira da estagflação. Se isso não for suficiente, o tenaz coronavírus ainda está perturbando vidas e a recuperação econômica em todo o mundo, as cadeias de suprimentos estão rompendo, levando à escassez de gás, alimentos e outros produtos básicos, e os desastres naturais estão se intensificando em frequência e ferocidade devido às mudanças climáticas. Obviamente, precisamos parar de nos concentrar em problemas específicos e começar a pensar de forma mais sistemática.

Nosso mundo é construído como uma pirâmide. Na base da pirâmide está o nível mineral, acima dele está a flora, acima da qual está a fauna, e o homem está no topo da pirâmide. Não fazemos parte do reino animal porque, embora nossos corpos sejam semelhantes aos de outros primatas, nossas mentes nos permitem refletir sobre nosso passado, nosso futuro e fazer planos de longo prazo para nós mesmos e para o planeta.

No entanto, apesar de nossa mente superior, não estamos “acima” do sistema; nós fazemos parte dele. Como tal, afetamos todos os níveis abaixo de nós. Portanto, qualquer mau funcionamento no nível superior, humano, “escorre” para toda a pirâmide e prejudica os outros níveis.

Agora é fácil ver que o problema está diretamente com a humanidade. Além disso, uma vez que os problemas abrangem todos os domínios do envolvimento humano, então, claramente, limitar as emissões de gases não resolverá nada. Se quisermos consertar o mundo, precisamos consertar a humanidade.

Quando examinamos a humanidade, cada pessoa tem habilidades e características únicas. Em si mesmas, essas características não são problemas, mas vantagens. A diversidade de pensamentos, abordagens, culturas, ideias e crenças humanas cria uma tapeçaria cujos fios se entrelaçam em uma entidade poderosa que poderia, teoricamente, alcançar qualquer coisa. Portanto, o problema não está nas pessoas, mas em como elas se conectam.

Atualmente, os fios da tapeçaria da humanidade estão tentando se rasgar. Em vez de fortalecer, apoiar e encorajar uns aos outros, estamos competindo pela supremacia e poder. Em vez de trabalhar para tornar o tecido o mais forte e bonito possível, estamos tentando ser o fio mais forte do tecido. É de se admirar que estejamos exaustos? É de se admirar que estejamos enojados com as lutas intermináveis ​​e a má vontade que nos cercam? É de se admirar que a depressão seja a doença mais comum de nosso tempo? E, finalmente, é de se admirar que nosso mundo, nosso único lar, esteja arruinado? Agora, acho que sabemos no que realmente precisamos nos concentrar quando viermos salvar nosso planeta.

Comente