“Frustração Social Em Israel” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Frustração Social Em Israel

Nos últimos anos, fomos expostos a uma avalanche acelerada de corrupção que é desconcertante e perturbadora. Isso é especialmente verdade agora, que a corrupção é exposta em instituições encarregadas de prevenir o próprio crime que estão cometendo: a corrupção criminosa. Policiais de alto escalão, juízes, membros do Knesset (parlamento israelense), ministros, primeiros-ministros e até o presidente, todos foram condenados por crimes graves, de fraude e peculato a estupro.

Se há algo de bom nesta lista horrível, é a exposição da verdade. Agora sabemos que não podemos confiar em ninguém, pois a natureza humana é inerentemente corrupta. A única maneira de prevenir a corrupção é mudar a natureza humana distorcida para melhor. A outra opção é a anarquia.

Mas a corrupção não é a única causa de frustração social em Israel. Se, anteriormente, esperávamos que o tempo curasse as muitas rupturas sociais na sociedade israelense, agora sabemos que isso não acontecerá. Secular vs. ortodoxo, Judeu vs. Muçulmanos, Ashkenazi vs. Sefardita, Tel-Aviv vs. o resto do país, e a lista continua indefinidamente. Parece que o país está se desintegrando por dentro.

O problema não é que saímos do caminho certo; é que nunca estivemos nele. Desde o início, não pretendíamos realizar o propósito de estabelecer um Estado Judeu. Tratamos o lema “Ame seu próximo como a si mesmo” como um princípio ingênuo que ninguém pode, ou espera-se que viva. Esquecemos que fomos exilados daqui precisamente porque evitamos esse princípio, e que nossos sábios têm nos dito há séculos que não teremos sucesso aqui, ou em qualquer lugar, a menos que restabeleçamos o cuidado e a responsabilidade mútua entre nós.

Agora, à medida que as pessoas estão se tornando cada vez mais e irrevogavelmente conectadas, sem se preocupar com os outros, tudo desmorona. Nós, o povo de Israel, a quem foi confiado modelar a implementação do princípio de amor aos outros e responsabilidade mútua, tivemos que nos esforçar para realizar este lema em nosso país soberano desde o primeiro dia. Como não tínhamos esse princípio em mente, estivemos em recaída social desde o início.

Agora nossa corrupção é manifesta, mas pelo menos sabemos quem somos e podemos decidir mudá-la. E com o mundo percebendo que falhamos, ele está começando a nos pressionar a fim de nos mudarmos ou nos livrarmos do país e da nação que falhou.

Nesse ínterim, a frustração social em Israel atingiu níveis que podem explodir em violência destrutiva. Para evitar desastres e prevenir o colapso social iminente, devemos começar a trabalhar em nossa própria natureza.

Não é uma questão política e vai mais fundo do que qualquer dogma social. Trata-se de mudar a motivação para nossas ações de puramente egoísta para uma abordagem equilibrada que também vê as necessidades do coletivo.

Não é uma questão de gentileza; é uma questão de sobrevivência. Simplesmente não podemos mais ser tão egoístas. A menos que levemos outras pessoas em consideração, a menos que aprendamos a nos preocupar com o que elas precisam e querem, e nos esforcemos para simpatizar com elas, apesar de nossa alienação inerente, não teremos futuro aqui em Israel, e talvez nenhum futuro em nenhum lugar.

Comente