“Duas Nações Em Um País – Virtualmente Impossível” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Duas Nações Em Um País – Virtualmente Impossível

É muito doloroso ver o que está acontecendo no Líbano atualmente: diferentes religiões e, efetivamente, diferentes nações reivindicando soberania sobre o mesmo pequeno pedaço de terra e se odiando até a morte. O Líbano é a prova de que duas nações não podem compartilhar um país. A história o provou e agora, lamentavelmente, o Líbano o prova novamente. Não é que morar junto seja impossível; é que ninguém quer fazer isso porque requer elevar-se acima do ego, e as pessoas preferem morrer do que crescer fora do egoísmo.

Por causa disso, um país pode manter uma estabilidade relativa apenas se houver uma nação lá, e eles podem viver juntos como uma grande família ou um clã. Se houver um sentimento de parentesco, as pessoas concordarão em fazer concessões. Caso contrário, não concederão nada.

Existem problemas mesmo em países homogêneos. Comunistas, socialistas, capitalistas e todos os tipos de “istas” e “ismos” têm suas divergências, mas se eles têm uma origem única, eles encontrarão uma maneira de conviver, ou pelo menos fazer a paz após um confronto. Na ausência de uma ancestralidade comum, não há base para reconciliação e a desintegração é uma certeza.

Apesar de sua óbvia desesperança, as nações estão migrando aos milhões. Da África, Ásia e da América Latina, milhões de pessoas estão cruzando fronteiras e continentes a pé em busca de um futuro melhor. A fusão de nações está acontecendo independentemente das probabilidades. Portanto, se quisermos evitar um grande conflito na Europa e nos Estados Unidos, devemos aprender como nos elevar acima de nossos egos e gerar parentesco onde ele não existe hoje.

Claramente, é um processo longo e delicado, mas é fundamental para a sobrevivência da humanidade. Como já vivemos juntos, sem aprender a fazer isso com sucesso, vamos nos destruir e destruir nossos países.

Só evitaremos a catástrofe se houver amplo consentimento para superar nossas diferenças e formar uma nova identidade comum que todos possamos adotar. As raízes do cataclismo foram plantadas, os brotos brotaram, mas a tempestade ainda não começou. Cabe a todos tomar a decisão conjunta de dispersar as nuvens do ódio e nos salvar do dilúvio. Ainda há tempo, mas apenas alguns anos, no máximo.

Comente