A Geração Z Nos Levará Ao Criador

963.1Comentário: Geração Z são aqueles nascidos após 1997.

Alguns dizem que são corajosos e independentes. Seus heróis não são astronautas, cientistas, mas estrelas e blogueiros. Eles nasceram com um telefone nas mãos, aprendem sobre o mundo em uma fração de segundo.

Seu pensamento de clipe permite que eles “leiam” uma pessoa a partir de fotos e vídeos em alguns segundos e determinem se vale a pena comunicar-se mais com ela.

Minha Resposta: Isso está correto. O que mais há para bisbilhotar em uma pessoa? Só agora é possível descobrir se ela é útil para mim ou não.

Comentário: Ou seja, eles são egoístas totais.

Minha Resposta: Pragmático, simples e direto.

Pergunta: Em segundo lugar, há uma ausência de barreiras na comunicação. Eles conhecem as estrelas com facilidade, podem escrever para Elon Musk, a quem quiserem. A Internet deu-lhes a oportunidade de não terem medo de ninguém, de não terem vergonha. Então, esse comportamento é bom?

Resposta: Claro que é bom. Por que eu deveria rastejar na frente de alguém? Como ele é melhor do que eu? O que ele é? São algumas pessoas majestosas, estrelas especiais, cientistas?

Comentário: Mas sempre tivemos algum elemento de respeito por certas pessoas. Algum professor famoso, ganhador do Nobel ou campeão olímpico. E essas pessoas podem se comunicar facilmente com qualquer pessoa.

Minha Resposta: Todos são iguais. Já passamos por isso. Não há nada de especial em qualquer pessoa.

Pergunta: Para que eu valorizo ​​uma pessoa, de modo que ainda congelo um pouco em relação a ela?

Resposta: Somente de acordo com seu benefício para a sociedade, seu benefício prático para a sociedade. Nada mais.

Onde você vai encontrar essas pessoas? Essa é uma pergunta. É aqui que essa consciência de clipe é necessária, boa percepção e avaliação, classificação e resultado.

Pergunta: Então vou respeitar essa pessoa?

Resposta: Será totalmente claro para você porque você a respeita. E outros vão concordar com você.

Comentário:  Outra característica é a ausência de complexos. Eles se aceitam como são, apagam bloqueios, configurações, estruturas dentro de si mesmos.

Minha Resposta: Claro. E o que há em uma pessoa, o que há que não veio da natureza? E o que existe nos outros? Onde estão seus traços pessoais? Portanto, não há base para justificativa, acusação ou vergonha.

Comentário: Ou seja, você apoia a noção de que uma pessoa não deve ter complexos: “Este sou eu! Eu sou assim!”

Minha Resposta: Claro. Se não tivermos esses complexos, seremos capazes de descobrir o que está em nós e o que realmente precisamos consertar.

Comentário: Você disse: “Porque vem da natureza”, então não é meu, como qualquer outra coisa.

Minha Resposta: Claro! E eles entendem tudo isso. Essa é a base da estrutura que não sou eu. “Vá ao artesão que me fez” se você tem alguma reclamação sobre mim.

Comentário: Isto é, se tenho queixas contra mim mesmo, digo: “O Criador fez isso comigo”, e é isso. E estou falando com ele.

Minha Resposta: Sim. Mas você vê, isso é calculado com base no fato de que as pessoas pensam dessa forma, que elas vão se abraçar e, assim, se relacionar umas com as outras. Ou seja, verei no outro o resultado do trabalho do Criador nele.

Pergunta: Sempre terei a visão através do Criador de outro indivíduo? E para mim também: através do Criador em mim?

Resposta: Sim, é o Criador que faz tudo. Este é o próximo estágio da Geração Z.

Comentário: Mas devo saber algo sobre o Criador?

Minha Resposta: Não. Vejo os resultados de suas ações.

Comentário: Uma última coisa: autoimportância; não há jovens mais autoconfiantes do que os zoomers. É difícil influenciá-los com ideologias, eles são independentes e sentem seu valor.

Minha Resposta: Em geral, isso é verdade. Por que devo respeitar ou desprezar alguém por alguma coisa? Eu só tenho que valorizar as pessoas por seu potencial, pelo fato de que podem crescer. Mesmo que hoje eu não veja isso.

Pergunta: E o fato de haver minha autoimportância, de que adianta?

Resposta: Que eu tenha a oportunidade de crescer, que será respeitado pela sociedade.

Pergunta: Mas você está falando especificamente de crescimento espiritual?

Resposta: Não, na verdade, não do espiritual.

Pergunta: Então, algo que será respeitado pela sociedade? Se eu crescer fazendo algo pela sociedade, será esse o meu crescimento?

Resposta: Isso é o suficiente!

Pergunta: Mais e mais?

Resposta: Sim.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 31/05/21

Comente