“Onde Está Nosso Instinto De Sobrevivência?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Onde Está Nosso Instinto De Sobrevivência?

O que é mais forte, o instinto de sobrevivência ou o instinto de caça? No reino animal, esta questão é simples: o instinto de sobrevivência ofusca todos os outros instintos e domina totalmente o comportamento dos animais. Quando há um incêndio na floresta, os inimigos naturais fogem lado a lado e não se tocam. Seu instinto de sobrevivência suprime seus instintos de caça e todos entendem que agora é a hora de fugir. A hora de caçar só chegará quando o perigo imediato tiver passado.

Com os seres humanos, as coisas ficam um pouco mais complicadas. Queremos sobreviver, mas também queremos dominar, governar. Em muitos casos, queremos isso mais do que a própria vida. Pense nos riscos que as pessoas correm pela fama, como arriscam a si mesmas e (principalmente) os outros no campo de batalha, e você verá que, para os seres humanos, a vida vem em segundo lugar quando se trata de fama ou poder. Aproveitamos qualquer oportunidade para atropelá-las em nosso caminho até o topo da pilha. Quando um perigo comum ameaça as pessoas, sempre haverá aquelas que se aproveitam do fato de que as pessoas estão ocupadas fugindo do perigo e não têm consciência do perigo que as outras pessoas espreitam.

Não precisa ser um perigo físico. As pessoas podem tirar proveito de desastres naturais para fazer fortuna com a miséria de outras pessoas. Mesmo em meio a essa pandemia, países e empresas estão aproveitando seus poderes tecnológicos e econômicos para lucrar às custas de outros. É óbvio que essa atitude se voltará contra eles, já que qualquer lugar onde o vírus possa se espalhar acabará se tornando uma fonte de uma nova cepa, mas os governos não podem ver além de seu lucro imediato e todos nós sofremos com isso.

Essa exploração insensível é da natureza humana, e quanto mais cedo a reconhecemos, mais cedo podemos começar a mudá-la. Se não fizermos isso, o futuro explodirá, os resultados de nossa má conduta uns para com os outros ainda nos ensinarão a ter consideração, mas as lições serão muito mais dolorosas e caras, tanto economicamente quanto em vidas humanas.

De qualquer forma, acabaremos aprendendo que, em uma realidade conectada, onde todos dependem de todos, nada pode ser mais insensato do que agir de forma egoísta. Nossos sábios, que perceberam que somos interdependentes há milhares de anos, escreveram sobre isso no Talmude de Jerusalém. Em Masechet Nedarim (9:4), eles escrevem: “[Suponha] que alguém esteja cortando carne e a faca desça até sua mão; ele consideraria vingar sua mão e cortar a outra por ter cortado a primeira? Então é esse o problema … a regra é que ninguém se vingue do próximo, pois é como se ele se vingasse de seu próprio corpo”.

Comente