Forçado A Viver

238.01Baal HaSulam, “A Liberdade”: … nós existimos no mundo como seres com um “eu”, onde cada um de nós se considera uma entidade única, agindo por conta própria, independente de forças externas, estranhas e desconhecidas, e no que esse ser – o eu – se revela a nós.

Se ele existir, somos obrigados a revelá-lo acima de todos os outros atributos e desenvolver apenas esse, porque todo o resto será necessariamente realizado contra a nossa vontade.

Onde está meu “eu”? Depois de defini-lo, serei capaz de segurá-lo e entender quando ele poderá ser liberto.

E o que isso pode me dar? Se eu revelar que não sou totalmente livre e que sou de alguma forma controlado por algum governo global ou alienígenas que pairam sobre mim em uma nave espacial e me controlam, isso mudará alguma coisa em mim?

Vou me comportar de maneira diferente? Não. Só posso descobrir que ajo de acordo com o desejo perverso de alguém. E daí? Não importa, porque continuarei a agir da mesma forma.

Ou seja, todo o nosso trabalho se resume em determinar quem está realmente nos influenciando, quem nos controla.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 12/05/19

Comente