“Lembrança do Holocausto Olhando para o Futuro” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Lembrança do Holocausto Olhando para o Futuro

O Holocausto deixou uma marca forte em mim desde tenra idade. Nasci na Bielo-Rússia, no mesmo lugar onde atrocidades horríveis foram perpetradas pelos nazistas contra os judeus. Particularmente em Vitebsk, a cidade da minha infância, havia um gueto e um campo de extermínio onde muitos dos meus parentes foram mortos. Essas experiências perduraram muito em minha família, ouvi falar delas quando era pequeno. Fui criado e educado por aqueles que foram salvos e pude contar as histórias daqueles que morreram. Portanto, o Shoah deixou uma marca indelével em mim, pois foi parte integrante da minha educação.

Mas para as pessoas que não ouviram sobre esses testemunhos diretamente dos sobreviventes, seus parentes, ou não aprenderam essas lembranças por meio das lições de história, o Holocausto não tem nenhum significado especial. Na verdade, a memória deste capítulo terrível está desaparecendo ou permanece desconhecida. Uma pesquisa realizada no ano passado pela Conferência sobre Reclamações Materiais Judaicas contra a Alemanha revelou que 63% dos Millennials dos EUA e da Geração Z não sabem que seis milhões de judeus foram mortos durante o Holocausto.

Quando comemoramos um novo Dia em Memória do Holocausto, não podemos julgá-los se sua importância está desaparecendo. Mesmo em minhas múltiplas visitas à Alemanha, encontrei uma língua comum com os alemães da minha geração que pensavam de uma forma ou de outra sobre o assunto, mas para a geração mais jovem não havia motivo para conversa, nenhum interesse. Essa situação é semelhante em todos os lugares. O jovem não quer se lembrar do Shoah nem mesmo falar sobre ele. Eles não sentem nenhuma conexão com isso e querem continuar suas vidas sem olhar para trás. Isso é compreensível.

O declínio é uma parte natural de nossas vidas. O que não está diante de nossos olhos começa a perder seu valor, e para preservá-lo e perpetuá-lo, até mesmo em certa medida, devemos revivê-lo e dar-lhe importância como se estivesse aqui e agora. É verdade que há viagens de jovens a campos de concentração na Polônia, passeios históricos em Yad Vashem e vários museus, mas não acho que eles consigam ficar gravados na memória da geração mais jovem. Mesmo as várias cerimônias e eventos que supostamente evocam a memória emocional geralmente assumem a forma de um discurso teórico e político. Dessa forma, nenhuma história pode ser preservada.

Estamos em um ponto no tempo em que precisamos pensar e decidir qual é nossa abordagem para o Holocausto, tanto sua causa quanto suas consequências. Esta é uma etapa crucial. Não concordo com a atitude que nos impele a reclinar-nos e lamentar o nosso amargo destino, nem mesmo com aquela que nos pede que nos orgulhemos de ter um país forte e de sucesso e repousemos sobre os louros.

Nossa atitude deve mudar. Mas não espere que nada mude, devemos promover essa mudança dentro e entre nós em nossa abordagem da questão do Holocausto e do ódio aos judeus. Como? Primeiro, devemos aprender quem é o povo de Israel. Por que eles são chamados de “Israel”? Qual é o seu propósito e missão? Por que eles sobreviveram como um povo por gerações, embora tenham sido perseguidos incessantemente? Por que a humanidade continuamente aponta o dedo da culpa para eles? As respostas a essas perguntas são os alicerces de nossa nação, e sem elas não compreenderemos a incessante perseguição aos judeus e certamente não eliminaremos a animosidade abismal contra nós.

Por que existe ódio contra os judeus? Desde os dias de Abraão, através do amor dos irmãos que floresceu entre eles nos dias do Templo, um grande desejo espiritual é instilado nos judeus que os atrai para o objetivo da criação, para a unidade e harmonia que o mundo tão desesperadamente necessita, mas ainda não foi desenvolvido e implementado. Como nossos sábios expressaram: “Quando há amor, unidade e amizade entre si em Israel, nenhuma calamidade pode sobrevir a eles” (Rabino Kalman Kalonymus, Maor va Shemesh).

Os povos do mundo inconscientemente sentem que os judeus não compartilham essa qualidade especial com eles, esse potencial único de desenvolvimento, esse método de conexão espiritual e, portanto, o ódio aos judeus emana desse sentimento de frustração. Portanto, o antissemitismo é um fenômeno global que perturba todas as nações em pequena ou grande extensão. O ódio às vezes recua, às vezes irrompe, mas está sempre lá, latente, profundamente enraizado, como uma lei da natureza.

As poderosas forças da natureza podem ser resumidas em duas características básicas que existiram desde o início da criação: a característica de doar ou dar, e oposta a ela a característica de recepção. E o povo de Israel carrega dentro de si a habilidade de conectar essas duas forças opostas e trazê-las ao equilíbrio, à reconciliação mútua, e para criar uma terceira força entre onde o Criador, o poder supremo da natureza, se revela. Quando tal força for atingida, em primeiro lugar pelos judeus, o antissemitismo diminuirá. Como está escrito no Midrash (Tanchuma, Devarim [Deuteronômio]): “Israel não será redimido até que todos sejam um feixe”. Nunca esqueceremos.

Comente