Por Dentro Da Minha Entrevista Com Larry King

566.01Comentário: Larry King, o lendário apresentador e ícone da televisão, morreu aos 87 anos. Ele conduziu mais de 40.000 entrevistas e foi incluído no Guinness Book of World Records. Em uma época em que os líderes emocionais eram rápidos em fazer perguntas e interromper os outros, ele ouvia principalmente. Ele fazia a pergunta: “Por quê? O que você acha”, e ele ouvia.

Isso o fez se destacar de todos. Entre seus interlocutores estavam todos os presidentes dos Estados Unidos, começando por Nixon, e Margaret Thatcher, Vladimir Putin, Martin Luther King, Nelson Mandela, Frank Sinatra, Marlon Brando, Mike Tyson, Paul McCartney e você, Michael Laitman.

No final da conversa com você, de repente ele disse para a equipe de produção: “Quero falar mais com ele, continue o tempo”.

Minha Resposta: Sim, ele sabia como mostrar ao interlocutor que este o estava entrevistando. E ele ouvia e ouvia. Embora a princípio não tenha sentido nenhum interesse especial por mim da parte dele, em poucos minutos ele começou a mudar. Ele começou a se acostumar com a situação, ele mesmo começou a viver nela, a ter empatia.

Ouvir é um presente de Deus. Quem sabe ouvir hoje em dia? Ninguém. Até psicólogos. O principal para eles é impingir a você o que eles pensam, e é isso. Não atuam no contato interno com o paciente, com o doente, com o interlocutor ou com o entrevistado. Esse não é o caso hoje.

Pergunta: Então, em princípio, a arte de ouvir é a arte principal?

Resposta: Sim. Era por isso que Larry King era famoso. Não tínhamos nada pré-determinado – uma reunião inesperada. Eu praticamente respondi às perguntas que o interessavam. E em nenhum caso como entrevistador, mas como uma pessoa que quer entender um pouco da vida, o que está acontecendo em sua família, o que está acontecendo em sua vida, com o trabalho, com uma visão de mundo.

Ele me entendeu. Ou seja, ele não tinha esse interruptor automático para ligar o que só ele precisava e o resto não importa, como costumam fazer os apresentadores de televisão e rádio. Não, ele absorveu tudo para si mesmo.

Pergunta: Quais são as principais qualidades de um líder? Para revelar uma pessoa, o que você precisa ser capaz de fazer?

Resposta: Para revelar uma pessoa, você deve entrar nela sem a necessidade de girar.

Não é necessário, porque você a desenrola, e ela, portanto, como uma criança em seus braços, é muito leve, externa. Esta não é sua essência interior. É necessário fazer isso para que a pessoa se abra, e de tal forma que comece a se abrir em tudo que nem pensou, não imaginou, que algum dia poderia falar.

Pergunta: E isso acontece quando quem faz a pergunta, meio que cancela e escuta?

Resposta: Não só é cancelado, mas quando ele quer entrar no interlocutor, simpatizar, estar com ele, não só ter empatia. E mais ainda para não mostrar que você o pegou em alguma coisa ou girou em cima de alguma coisa. Com Larry King, eu senti que esta é uma pessoa que está realmente interessada em me entender.

Naquela época ele teve problemas com sua amada, que estava muito doente. Ele desconectou e continuou o que eu estava contando a ele. Isso o capturou mais do que seus problemas pessoais, e é por isso que ele estava tão interessado em mim, e ele estava atrasado para esta entrevista. E ele não queria ir embora, segurou minha mão.

Eu simplesmente entendi o que ele precisava, que ele iria para o hospital logo depois de falar comigo, e assim por diante. Foi impressionante. Ou seja, no final entrevistei a pessoa. Embora essa não seja minha especialidade, nem minha tarefa, fiquei impressionado com ele. É precisamente assim, o que ele pode fazer. Ele permaneceu humano.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 25/01/21

Comente