“A Humanidade Em Dores De Parto” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “A Humanidade em Dores de Parto

Claramente, estamos caminhando para um ano incomum. Estamos caminhando para um ano incomum na América, um ano incomum em Israel, um ano incomum na Rússia, um ano incomum em todo o mundo. Estamos caminhando para um ano de dores de parto. Um novo mundo está surgindo e estamos vendo seus esforços nascerem. De nossa parte, devemos ajudá-lo a se materializar mais cedo ou mais tarde, mais rápido do que mais lento e mais fácil do que mais difícil.

Há pressão de todos os lados para nascer, então vamos nascer juntos; vamos passar do estado de divisão e alienação para o primeiro estado de conexão da maneira mais rápida e suave que pudermos.

Primeiro, devemos entender que as forças que nos pressionam de todos os lados são necessárias. Caso contrário, não nasceremos no novo mundo. Em segundo lugar, devemos ajudar o bebê a sair do canal do parto com mais facilidade. O parto que estamos passando agora é muito especial. Não estamos apenas emergindo de uma realidade para outra, da escravidão para a liberdade. Nosso ego está renascendo de uma nova maneira; está sendo invertido.

Do outro lado do canal de nascimento está uma nova humanidade, uma nova compreensão, um novo sentimento, a união do poder de conexão que nascerá entre nós. Dentro do ego, a qualidade de dar nascerá; este é o embrião! A parteira é a Natureza, e devemos ajudá-la a entregar o recém-nascido ao mundo, explicando a realidade integral e interconectada que se forma dentro de nós e entre nós.

Devemos compreender e ajudar os outros a compreender a ideia de conexão. Não é o mesmo tipo de conexão que você vê em equipes esportivas ou em empresas do mundo corporativo, onde equipes se unem a outras equipes e lutam entre si até a (metafórica) morte. Estamos falando sobre a compreensão de que a conexão é um valor em si, não um meio para outro propósito, mas o próprio objetivo.

Não é apenas o objetivo, é o valor mais alto possível, o ápice das conquistas do homem, quando se pode se unir aos outros de forma que o indivíduo sinta o coletivo como se fosse parte do indivíduo, como se meu corpo tivesse se espalhado em todo o mundo e toda a humanidade e toda a natureza fossem células e órgãos do meu corpo. Rav Kook tinha algumas frases bonitas sobre essa inclusão. Em seu livro Orot [Luzes], ele escreveu: “Nossa alma vai se espalhar em todos, abraçar a todos, sustentar e encorajar a todos, e vai trazer todos de volta ao lugar de nossa casa da vida”.

2020 foi o primeiro ano em que tudo desmoronou em todo o mundo simultaneamente. No entanto, o surpreendente é que não destruiu a humanidade; simplesmente nos parou em nosso caminho; as coisas pararam de funcionar. A Covid-19 parou a economia global e a destruição da Natureza, e a eleição presidencial destruiu a pouca fé que as pessoas tinham no governo ou umas nas outras.

O resultado é que não temos um governo em que possamos confiar, nem uma economia na qual possamos contar, e nos sentimos inseguros quanto à nossa saúde, riqueza (se a tivéssemos) e, principalmente, nosso futuro. Esta é uma crise.

No entanto, uma crise também é o berço dos bebês recém-nascidos. Em hebraico, a propósito, a palavra mashber significa tanto “crise” quanto a cadeira na qual as mulheres em trabalho de parto eram colocadas na antiguidade para ajudá-las a dar à luz. Hoje, toda a humanidade está sentada naquela mashber.

Nós, pessoas que estão cientes da mudança pela qual a humanidade está passando, que entendemos que somente a conexão acima de todas as nossas muitas diferenças nos levará a uma nova realidade de paz e amizade, devemos ajudar o resto do mundo a processar a mensagem. Precisamos ajudar a humanidade a passar pelo parto com o mínimo de sangue derramado.

Todo nascimento é doloroso. No entanto, como já estamos em trabalho de parto, podemos muito bem passar por isso com o mínimo de dor. A Mãe Natureza já está nos empurrando para fora, exigindo que entendamos onde estamos, cresçamos e nós, também, não queremos permanecer ignorantes de nossa posição e papel no universo.
Há pressão de todos os lados para nascer, então vamos nascer juntos; vamos passar do estado de divisão e alienação para o primeiro estado de conexão da maneira mais rápida e suave que pudermos.

Comente