“A Agenda Do Irã Com O Mundo Árabe Pode Levar A Um Confronto Com Israel”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 24/01/21

Joe Biden nem foi empossado, mas já ouvimos que ele quer retomar o acordo nuclear com o Irã. O New York Times escreveu já em 17 de novembro que Biden “prometeu agir rapidamente para se juntar novamente ao acordo nuclear com o Irã”, e o The Times of Israel escreveu em 16 de janeiro que, de acordo com um relatório, “Funcionários do novo governo Biden já começaram a manter negociações discretas com o Irã sobre um retorno ao acordo nuclear de 2015.

Durante quatro anos, Donald Trump fez o possível para frustrar os planos nucleares do Irã de construir uma bomba atômica. Seu sucesso foi muito limitado, mas prejudicou ligeiramente o progresso. Agora Biden quer voltar ao acordo de 2015 que Obama assinou. Isso significa que os iranianos retornarão ao desenvolvimento a toda velocidade, se ainda não tiverem uma bomba, e o monitoramento da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) será tão “eficiente” como era antes de Trump repreendê-los por sua inação e desistir do acordo. Agora, a nova administração vai deixar a raposa mais uma vez vigiar o galinheiro.

Não estou otimista com isso porque não vejo que o Irã tenha qualquer interesse em fazer a paz ou mesmo diminuir as chamas com Israel. Na verdade, sua luta não é com Israel como tal, mas com o resto do mundo árabe. Israel, neste caso, é apenas um meio para um fim, e o extremismo agressivo serve muito bem aos aiatolás. Eles não têm outro país contra o qual exibir sua devoção ao Islã, então usam o conflito árabe-israelense como pretexto para exibir sua ortodoxia.

Eles também não se importam com seu próprio povo – se eles sofrem com as sanções ou mesmo com as bombas, desde que possam manter sua proeminência e influência no mundo árabe. Então, como seu ódio por Israel não é o problema, mas a luta interna no mundo árabe, não há realmente nada que Israel possa fazer para mitigar o conflito. Tudo o que ele pode fazer é se proteger militarmente.

Veremos o que acontece no futuro, mas por enquanto, este é mais um assunto que não parece promissor, pois iniciamos o novo ano com uma nova administração.

Comente