“Reflexões Sobre O Relatório Sobre Antissemitismo AJC” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Reflexões Sobre O Relatório Sobre Antissemitismo AJC

Depois da eleição presidencial, possivelmente como uma das muitas consequências desse fiasco, um relatório do Comitê Judaico Americano (AJC) que foi apresentado no final de agosto ressurgiu. Trata-se particularmente de QAnon, que o relatório descreve como uma “rede de extrema direita de pessoas que acreditam que o mundo é controlado por uma conspiração satânica. … Teorias de conspiração antissemitas sobre as elites judaicas, globalistas e banqueiros são parte integrante do sistema de crenças QAnon”.

A meu ver, este relatório reflete um problema mais profundo do que a existência de antissemitismo. Sempre houve antissemitismo, e os judeus sempre foram culpados por coisas que não fizeram. Os judeus também foram culpados por coisas que os judeus fizeram, mas não porque eram judeus, mas simplesmente porque eram indivíduos corruptos. No entanto, tudo isso está fora de questão.

O que me preocupa mais é o fato de que as organizações judaicas estão lucrando com a existência do antissemitismo. Elas estão promovendo a circulação de relatórios sobre incidentes antissemitas porque sem eles não seriam capazes de arrecadar os fundos e ter a influência que têm. Embora afirmem que estão coletando os fundos para combater o antissemitismo, a dura verdade é que, apesar de todos os seus esforços, o antissemitismo parece apenas crescer.

Na verdade, é no combate ao antissemitismo que todas as organizações judaicas falham. Expor isso não basta. Isso nos faz perceber que há um problema, mas silenciar os antissemitas não faz nada para diminuir o ódio crescente contra os judeus. Uma campanha genuína contra o antissemitismo deve se concentrar na própria desunião dos judeus e promover a solidariedade, ao invés de focar na raiva que mais e mais partes da sociedade americana sentem em relação aos judeus. Lamentavelmente, unidade e solidariedade não vendem bem, enquanto que o ódio sim. Portanto, eu não espero ver qualquer mudança na estratégia das organizações judaicas em relação ao combate ao antissemitismo.

Você pode se perguntar por que eu falo com tanta frequência sobre os judeus americanos. Eu faço isso porque me sinto obrigado a avisar onde vejo perigo imediato. Não estou escrevendo para mudar ou repreender esta ou aquela organização; eu sei que isso é impossível, pois as pessoas que a dirigem buscam poder e riqueza e nada mais. Eu escrevo para alertar aqueles cujos olhos ainda estão abertos e cujas mentes ainda estão alertas para reconhecer o perigo iminente.

Os judeus sempre foram mais afligidos e atormentados quando estavam desunidos. O foco atual de tantos líderes judeus no poder e na riqueza, o afastamento crescente dos judeus americanos do Estado de Israel, independentemente da questão da política do governo israelense, e as taxas extremamente altas de casamentos inter-religiosos (o dobro de antes do Holocausto) são todos sinais de desintegração judaica. E quando os judeus se desintegram, o antissemitismo aumenta e se intensifica. Em 1929, o Dr. Kurt Fleischer, líder dos Liberais na Assembleia da Comunidade Judaica de Berlim, expressou com eloquência esta estranheza: “O antissemitismo é o flagelo que Deus nos enviou para nos conduzir e nos unir”.

Os judeus americanos de hoje são precariamente semelhantes aos dos judeus alemães anteriores à Segunda Guerra Mundial. Se o judaísmo americano não reverter o curso muito em breve, terá o mesmo destino que o judaísmo alemão nas décadas de 1930 e 1940. Não é uma questão de se, mas de quando, e a resposta a essa questão está definitivamente num futuro previsível.

Comente