Linha Média: O Caminho Do Homem

508.2Ódio, rejeição, desacordo e mal-entendido são, em essência, a forma oposta do Criador, a forma oposta da unidade. A partir disso, chegamos gradualmente à realização do Criador.

Quanto mais nos desenvolvemos de geração em geração, mais nos sentimos individualistas separados dos outros. No entanto, se cobrirmos todos os crimes com amor, seremos capazes de conectar acima de todas as diferenças.

A diferença entre rejeição e conexão, entre ódio e amor, dá a intensidade da revelação do Criador. Essa diferença permanece como a profundidade do desejo sobre a qual surge a conexão: restrição, tela e luz refletida. Então, entre o menos e o mais, sentimos o poder da revelação do Criador que, como cola, conecta todos os opostos.

É por isso que o Criador quebrou a alma comum de Adam HaRishon, entrou com toda a Sua força entre os pedaços quebrados, e ficou lá em Sua forma oposta para que pudéssemos revelá-Lo a partir de Seu oposto para entender o amor a partir do ódio, unidade e conexão a partir da rejeição e mal-entendidos, até chegarmos à adesão completa.

Portanto, conectar as partes de Adam HaRishon em um sistema ou revelar o Criador que está nos colando é a mesma coisa.

O trabalho é simples: entre eu e meus amigos está o Criador na forma oposta, que, por meio de meus esforços, pedidos e orações, eu transformo da força de rejeição na força de conexão, de adesão, para que a escuridão brilhe como luz. No lugar do ódio sem fim, o abismo negro entre nós, a luz mais forte aparecerá, a conexão e o amor de uma grande força precisamente por causa da escuridão revelada.

Nós entendemos que a realidade consiste em bem e mal, que um não pode existir sem o outro e ambos são igualmente importantes porque é na conexão entre eles que o Criador é revelado. É muito difícil manter o ódio quando surge o amor. Não queremos pensar no ódio, somos atraídos para amar de todo o coração. É muito mais difícil apegar-se ao ódio e não se jogar no oceano do amor.

No entanto, devemos consistir em ambos, e só então nos posicionaremos em oposição ao Criador. O Criador é a força única do bem absoluto. Nós, no entanto, incluímos duas forças e construímos uma linha intermediária entre elas com a ajuda do Criador, que está lá conosco.

Temos que nos acostumar com o fato de que cada pessoa sempre inclui duas opiniões, duas forças, dois desejos opostos. Na criação correta, duas formas da natureza devem ser combinadas, e no meio entre elas, queremos estabelecer o Criador para que “Aquele que faz a paz no alto, faça a paz sobre nós e sobre todo o Israel”. Ao compreender a diferença entre o bem e o mal, a luz e a escuridão, revelamos a força superior sobre o contraste de estados opostos. Se tentarmos revelar o bem e o mal, ódio e amor, separação e conexão, rejeição e atração entre amigos, iremos revelar o Criador entre nós e construir uma linha média.

O ódio e o amor se apoiam como óleo e um pavio, que juntos acendem uma vela. Deve sempre haver resistência (um pavio), uma incapacidade de conectar e, ao mesmo tempo, óleo e luz. É assim que construímos a atitude correta em relação à realidade.

Portanto, todas as tentativas do mundo de chegar ao bem apenas levarão a uma revelação ainda maior do mal, até que percebamos que precisamos de um método diferente para nossa existência. Não podemos destruir uns aos outros eliminando todos os opostos, como o egoísmo gostaria. Pelo contrário, é usando todos os opostos que podemos construir a linha média. Isso agora se tornará evidente em todo o mundo, especialmente nos países mais desenvolvidos.

Os opostos permanecem, mas todas as transgressões são cobertas com amor. Se não seguirmos este caminho, não seremos capazes de criar e manter uma família, criar filhos ou alcançar a paz entre as partes dentro do país e entre os países. Nós nos tornaremos uma força destrutiva na natureza. Matéria inanimada, plantas e animais podem existir porque são controlados pela natureza e agem instintivamente de maneira correta. Os seres humanos, entretanto, só podem existir se encontrarem a linha média.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 07/12/20, “Linha Média”

Comente