“Como As Pessoas Descobrem O Amor Verdadeiro?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Como As Pessoas Descobrem O Amor Verdadeiro?

Primeiro, precisamos entender que não temos ideia do que é o amor verdadeiro. Até alcançarmos o amor verdadeiro, nós interpretamos o amor em todos os tipos de formas corporais e egoístas, ou seja, onde nos beneficiamos principalmente de tudo o que imaginamos como amor.

O amor verdadeiro, entretanto, é completamente diferente. O amor verdadeiro é a capacidade de beneficiar os outros, de sentir os desejos dos outros e de desfrutar por meio de sua realização. A realização do amor verdadeiro é, por natureza, contrária à forma como definimos o amor em termos corporais.

O amor verdadeiro é, em última análise, a unificação da humanidade em um único sistema comum. Atualmente, experimentamos esse sistema em sua forma oposta, através de lentes egoístas, onde constantemente tentamos nos beneficiar às custas dos outros e da natureza, e ao fazer isso, sentimos um certo grau de separação e distância em nossas atitudes uns com os outros. Com o objetivo de nos unirmos acima deste estado egoísta em que nos encontramos, descobrimos nossa rejeição uns aos outros e, finalmente, chegamos à compreensão de que precisamos nos elevar acima de nossas diferenças e formar laços de amor verdadeiro. Quanto mais sentirmos uma distância crescente entre nós, mais desenvolveremos um desejo sincero de transpor essa distância com uma atitude genuína de amor e carinho.

O amor verdadeiro é, portanto, a unificação dos opostos, quando o ódio e a rejeição são cobertos por uma cobertura comum de amor. Quanto mais nos movemos em direção à unificação acima de nossa distância egoísta inata, mais começaremos a sentir um novo tipo de atmosfera entrando em nossas vidas, dando-nos um sentimento muito mais pleno de realização do que tudo o mais que desfrutamos até agora.

A descoberta do amor verdadeiro entrando em nossas vidas é, portanto, uma abertura para descobrir a perfeição e a totalidade existentes na realidade. Em vez de sentir uma sensação estreita e separada de vida em nossas qualidades egoístas inatas, iríamos “clicar” em uma percepção e sensação de realidade semelhante a como as células e órgãos funcionam e sentir todo o organismo do qual eles são partes. Em tal estado, sentiríamos flutuações constantes entre os polos egoísta negativo e altruísta positivo da realidade, pois cobriríamos continuamente nossas diferenças e divisões com uma força de unificação muito maior. Como tal, nos sentiríamos em um mundo eterno, onde a vida reflui e flui constantemente.

Quando fazemos a transição de nosso modo egoísta inato de desejar nos beneficiar às custas dos outros, para um modo altruísta de querer beneficiar os outros, sentimos nossos impulsos egoístas instintivos como forças negativas das quais nos elevamos. Ao nos elevarmos acima do ego, sentimos as forças de conexão, doação e amor – as forças positivas e eternas que habitam a natureza – e complementam-se mutuamente em uma tendência comum de realizar essa mudança.

Essa mudança fatídica depende exclusivamente da extensão de nossa unificação, onde nos elevamos acima de nossas diferenças e divisões e começamos a preencher uns aos outros. O sentimento de realização mútua nos dá uma sensação de vida eterna.

Para descobrir este amor verdadeiro, precisamos apenas aprender como atualizar nossas conexões, para complementar e realizar um ao outro mutuamente, e para substituir nossas lentes egoístas onde vemos falhas nos outros, para aquelas onde sentimos qualquer impulso egoísta como um convite para nos unir acima das diferenças.

Baseado na Lição Diária de Cabalá com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 22 de dezembro de 2020. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

Comente