“A Mente Judaica Russa” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: A Mente Judaica Russa

Existe vida antes e depois do surgimento das mídias sociais para a maioria da população mundial. A geração mais jovem nem mesmo conhece uma realidade diferente, mas pouco se sabe que por trás da explosão tecnológica do Vale do Silício estão judeus, particularmente aqueles da ex-União Soviética. Software e invenções de última geração transformaram o mundo, mas a contribuição judaica mais importante para a humanidade ainda está para ser revelada.

Google, WhatsApp e PayPal, co-fundados por Sergei Brin, Jan Com e Max Lebchin, são apenas alguns dos muitos gigantes da tecnologia criados por judeus que emigraram da ex-União Soviética para os EUA. Outros pioneiros judeus de países de língua russa também fazem parte da inovação acelerada e da revolução tecnológica nos Estados Unidos, Israel e Europa.

Qual é o segredo do sucesso judeu? Tudo começou com a destruição do Segundo Templo quando a comunidade judaica que vivia na Terra de Israel foi forçada a abandoná-la e foi para o exílio em diferentes lugares, incluindo a Europa, onde também sofreram perseguições e discriminação. As oportunidades de emprego para os judeus que viviam na Rússia e na Polônia eram restritas pela sociedade não judia em grande parte por meio da legislação. Como suas opções de trabalho eram altamente restritas, eles se sentaram e estudaram.

Mesmo assim, um pequeno número deles conseguiu fazer negócios, se estabelecer e dar ajuda financeira a quem quisesse estudar. É assim que a vida foi organizada. Os ricos acreditavam que deveriam ter pessoas que se sentariam e estudariam por eles. Embora lhes pagassem alguns centavos, pelo menos os impediam de morrer de fome.

A tradição de estudar de manhã à noite foi bem adequada para os Cabalistas ao longo dos séculos, como Baal Shem Tov, pai do movimento Hassídico, e seus sucessores. O apreço pelo conhecimento tornou-se um princípio básico entre todos os judeus. A abordagem de aprendizado, paciência, dedicação e diligência estão impressos no tecido do povo judeu e se refletiram nos campos da tecnologia e da medicina assim que as restrições de ocupação antijudaica foram removidas e os judeus foram autorizados a trabalhar como qualquer outro cidadão. Judeus e cientistas proeminentes em vários campos surgiram da mesma área geográfica, Rússia e Polônia. Isso começou nos séculos XIX e XX.

Os judeus novamente foram oprimidos, fugiram e se espalharam por toda parte, de acordo com a ocupação que escolheram. Eu, que nasci e fui criado na ex-União Soviética, posso dizer que, muito depois que as restrições ao trabalho foram removidas, os judeus aderiram ao iídiche, a língua que aprenderam. Matérias escolares, incluindo geografia, história e matemática, eram ensinadas a meus pais em iídiche. A infância deles passou sem uma palavra em russo.

Só mais tarde, por volta de 1935, Stalin aprovou uma lei exigindo o estudo apenas da língua russa. Imagine que revolução isso foi para as crianças! Os pais tiveram que seguir em frente e aprender todas as matérias em um idioma novo para eles, de acordo com um currículo diferente. Mas eles conseguiram. Graças à mesma abordagem de aprendizagem que fluiu de seus ancestrais, eles superaram obstáculos e foram admitidos nas universidades.

A propósito, o mesmo impulso e importância para o ensino superior é típico de todos os lugares do mundo onde os judeus vivem, mas especialmente na Rússia, porque desde então o costume de estudar o dia todo tornou-se parte integrante de seu ser. Eles perceberam que aprender era seu bem mais valioso, algo que eles tinham em mãos que ninguém poderia tirar deles. Eles perceberam que essa era sua qualidade única quando vagavam de um país para outro, jogados de um lugar para outro, como viviam na Idade Média.

E havia algo mais especial sobre os judeus desta região, não apenas conhecimento, mas uma espécie de força de vontade, um impulso que os tornou pioneiros em todos os campos. Ventos revolucionários sempre sopraram ao redor deles. Seja como pioneiros que precederam seu tempo por centenas de anos quando abriram a então fechada e proibida sabedoria da Cabalá e a ofereceram ao mundo quando necessário, ou durante a Revolução Russa quando eles eram marxistas, socialistas, trotskistas e ativistas kropotkinistas, ou como imigrantes pioneiros em Israel onde estabeleceram os kibutzim, da mesma forma são pioneiros da tecnologia em qualquer lugar do mundo.

Cada parte da Terra, como está escrito na sabedoria da Cabalá, tem uma força especial que atua sobre aqueles que vivem nela. É realmente interessante, eu também sinto que venho da mesma região do Leste Europeu, onde todos de lá têm um desejo de mudança, progresso, revolução, novas tecnologias ou economia. O leste europeu é uma espécie de espaço que não permite que uma pessoa se sente em paz.

Mas hoje a mesma identidade especial e distinta que o judaísmo desenvolveu em todos os países da diáspora não está mais nos judeus. Além de descobertas puramente técnicas, não resta muito daquele espírito humano que aspira estar no topo do mundo. Enquanto nós, judeus, estávamos espalhados entre as nações do mundo que nos pressionou contra a parede, tínhamos que ser bons e unidos para sobreviver. Mas assim que a pressão caiu, nos tornamos os mais resistentes, teimosos e desunidos. Somos feitos de um tipo de material especial a partir do qual o estresse e a tortura trazem à tona coisas boas e unidade, e o relaxamento nos degenera, corrompe e nos aliena.

Vemos hoje, quando quase não há pressão externa sobre nós, como a sociedade israelense está se tornando um bando selvagem e brigão. Uma nação onde todos pensam apenas em como ter sucesso materialmente e escapar daqui, onde cada um se preocupa apenas consigo mesmo. Embora esta seja uma generalização grosseira, em geral, devemos ver que esta é a nossa situação; é contagioso e continuará a se deteriorar se não encontrarmos o espírito pioneiro e revolucionário da nação judaica dentro de nós. Se readquirirmos o conhecimento e a sabedoria encontrados na conexão entre nós, em nossa unidade, poderemos dar ao mundo algo realmente bom, a descoberta da paz, tranquilidade e plenitude duradouras, a luz de que a humanidade tanto precisa.

Comente