“O Que Os Judeus Têm A Ver Com O Incitamento Ao Antissemitismo?”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 18/11/20

O editor de um dos jornais onde escrevo artigos de opinião regulares solicitou mais informações sobre minha mensagem de que, se os judeus não estão unidos, eles provocam o antissemitismo em si mesmos. Especificamente, ele queria saber minhas fontes para fazer esse argumento tão insistentemente.

Ele está correto; as pessoas precisam saber de onde vêm as ideias, especialmente aquelas que são difíceis de engolir. Portanto, decidi escrever uma série de artigos que explicam de onde vêm os judeus e por que sempre foram odiados, com algumas breves exceções que também não terminaram bem.

Mas antes de começar, gostaria de recomendar minha última publicação sobre o assunto, A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo: Fatos históricos sobre o antissemitismo como um reflexo da discórdia social judaica. Ele lhe dará ampla informação sobre as origens do povo judeu, a raiz do ódio aos judeus, o que eles deveriam fazer a respeito e como seu destino se relaciona diretamente com sua unidade ou falta dela. Nesta série, fornecerei fontes, mas não tanto quanto você encontrará no livro.

Nos primeiros artigos, vou me concentrar na origem de nossa nação. Mostrarei que o antissemitismo, embora sem esse nome, começou assim que nossa nação começou a se formar.

Abraão, o pai da nação, era um homem curioso. Filho de um sacerdote venerado de nome Terah, ele também se juntou aos negócios da família e trabalhou na loja de seu pai vendendo amuletos e ídolos. Na Mishneh Torá, a composição renomada de Maimônides, o sábio do século XII explica que Abraão “não tinha professor nem tutor. Em vez disso, ele estava preso na Ur dos Caldeus [cidade da Babilônia] entre os adoradores de ídolos analfabetos, com sua mãe e pai e todo o povo adorando estrelas, e ele – adorando com eles”.

Mas, como acabamos de dizer, Abraão era curioso; ídolos não o satisfaziam. “Seu coração vagou e compreendeu até que ele alcançou o caminho da verdade e compreendeu a linha da justiça com sua própria sabedoria correta”, escreve Maimônides.

Abraão entendeu que havia apenas uma força no mundo e chamou essa força de “Deus”. Para seus contemporâneos adoradores de ídolos, esse era um pensamento revolucionário, “blasfêmia”, se você quiser. Apesar da objeção de seu pai e até mesmo do desânimo do rei Nimrod, Abraão insistiu em espalhar a mensagem para seus conterrâneos. “Ele plantou esse princípio em seus corações e compôs livros sobre isso”, escreve Maimônides. Ele “ensinou seu filho, Isaque, e Isaque sentou-se, ensinou e advertiu, informou Jacó e nomeou-o professor, a sentar-se, ensinar e manter todos os que o acompanhavam. E Jacó, o Patriarca, ensinou todos os seus filhos e separou Levi e o designou como cabeça, e o fez sentar e aprender o caminho de Deus e guardar os mandamentos de Abraão”.

Os livros que Abraão escreveu relatam que duas forças emanam da força singular chamada Deus: doação e recepção. Eles explicaram que toda a realidade consiste em interações entre as duas forças. Quando estão equilibrados, as coisas funcionam bem; quando não estão, coisas ruins acontecem.

Abraão percebeu que em seus dias, a força de recepção estava se tornando significativamente mais intensa do que a força de doação. Ele percebeu que as pessoas se tornaram mais egocêntricas, impacientes umas com as outras e tentou encorajá-las a serem mais gentis umas com as outras, a fim de equilibrar dar e receber. É por isso que até hoje, Abraão representa misericórdia e bondade.

Os babilônios, orgulhosos e egoístas, decidiram construir uma torre que demonstrasse sua grandeza. No entanto, a torre, que agora chamamos de Torre de Babel, era um testemunho de seu ódio mútuo. O livro Pirkey de Rabbi Eliezer, um dos Midrashim (comentários) mais proeminentes da Torá, oferece uma descrição vívida da vaidade dos babilônios: “Nimrod disse ao seu povo: ‘Vamos construir uma grande cidade e morar nela, para que não sejamos espalhados pela terra … e vamos construir uma grande torre dentro dela, elevando-se em direção ao céu … e vamos fazer de nós um grande nome na terra’”.

Porém, mais importante do que sua vaidade, o comentário oferece um vislumbre da alienação entre os babilônios: “Eles a edificaram bem alto … [e] se uma pessoa caísse e morresse, eles não se importariam com ela. Mas se um tijolo caísse, eles se sentariam, chorariam e diriam: ‘Quando outra surgirá em seu lugar’”.

Apesar das advertências de Abraão de que o caminho deles não os levaria a lugar nenhum, eles zombaram dele. O livro Kol Mevaser escreve que Abraão “sairia e clamaria em voz alta que há um Criador para o mundo”. Infelizmente, “para o povo, ele parecia louco, e crianças e adultos atiravam pedras nele. No entanto, Abraão não se importou com nada disso e continuou clamando”.

Apesar do escárnio, os esforços de Abraão não ficaram sem recompensa. Depois que foi expulso da Babilônia e partiu para a terra de Canaã, ele continuou divulgando sua descoberta. As elaboradas descrições de Maimônides nos dizem que “Ele começou a clamar para o mundo inteiro … vagando de cidade em cidade e de reino em reino até chegar à terra de Canaã … Quando [as pessoas nos lugares por onde ele vagava] se reuniram ao seu redor e perguntaram a ele sobre suas palavras, ele ensinou a todos … até que ele os trouxe para o caminho da verdade. Finalmente, milhares e dezenas de milhares se reuniram ao redor dele, e eles são o povo da casa de Abraão”.

Esse foi o início do povo judeu – uma assembleia de pessoas que não tinham nada em comum, exceto a convicção de que receber deve ser equilibrado com dar, e que estavam dispostas a trabalhar para desenvolver a qualidade da misericórdia dentro delas.

No próximo artigo, vou me concentrar na entrada dos descendentes de Abraão no Egito e no início do ódio aos judeus.

Comente