“Apesar Da Inimizade – Uma Perspectiva Otimista Na América.”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 31/10/20

Apesar de toda a inimizade e da escalada da violência na América, eu acredito que os valores democráticos da América triunfarão no final. Estou ciente das pesquisas que mostram que mais americanos do que nunca sentem que é justificado recorrer às suas armas de fogo se o outro lado vencer, mas quando tudo estiver dito e feito, acredito que no dia 4 de novembro, a América não estará absorta na guerra civil.

Apesar de toda a sua aparente fragilidade, a democracia americana é um sucesso sem precedentes. Um país de 330 milhões de pessoas de todas as raças, credos e culturas é um desafio para qualquer regime, muito mais para um regime que aspira a dar liberdade de expressão a todas as facetas da sociedade. Nenhum outro país deu passos tão gigantescos em direção à igualdade, libertou seus escravos e os tornou cidadãos com direitos iguais, ou praticou as palavras icônicas de Emma Lazarus, “Dai-me os seus fatigados, os seus pobres, as suas massas encurraladas ansiosas por respirar liberdade, o miserável refugo das suas costas repletas. Mandai-me os sem-teto, os arremessados pelas tempestades”. A América fez tudo isso porque, no fim das coisas, a grande maioria de seus cidadãos acredita que essas são as coisas certas a se fazer. Essa crença nos valores americanos é a razão pela qual eu acredito que a América superará o julgamento de 3 de novembro de 2020.

No entanto, no dia 4 de novembro, o Presidente, ou o Presidente eleito, terá que começar a remendar as facções doloridas e/ou exultantes da nação. Será uma tarefa difícil, com certeza, e os lados não concordarão com as opiniões uns dos outros. No entanto, se eles estiverem convencidos de que seu país é mais importante do que suas próprias opiniões sobre como deve ser governado, há uma chance de que se levantem acima de suas discórdias e se unam mais uma vez em uma única nação.

As lembranças das agressões, dos insultos do passado, tudo isso vai ficar e borbulhar. Mas se as pessoas compreenderem que não devem concordar, que suas diferenças enriquecem umas às outras e as desafiam a polir e refinar seus próprios pontos de vista, aprenderão a apreciar as disputas. Então, acima das divergências, será possível construir um senso de solidariedade e responsabilidade mútua para todas as pessoas, sejam elas quem forem.

A América sempre foi um modelo para o mundo livre. Até agora, tem sido um modelo de individualismo e distinção, mas ao se elevar acima de suas divisões profundas, os americanos podem se tornar um exemplo do oposto. O país que deu ao mundo a cultura do “Eu! Eu! Eu!” pode abrir caminho para o amor aos outros se superar suas rupturas atuais.

Se eu pudesse aconselhar o Presidente, diria que a primeira coisa a fazer após a eleição é reunir todos os líderes na América, de todos os tipos e credos, e tentar trazê-los a uma decisão unânime sobre como se livrar da Covid para que a América seja um país livre do vírus. Esse será o primeiro teste de unidade, ou pelo menos a disposição de agir em relação a ela.

Em seguida, a assembleia de líderes deve escolher algumas cidades, em diferentes partes do país, e focar no estabelecimento de solidariedade entre os moradores dessas cidades. Esses serão os pioneiros, a prova viva do poder da unidade. Eles vão mostrar que a solidariedade possibilita uma ação coordenada que leva em consideração todas as partes da cidade, todas as partes da população, para que ninguém fique sem vigilância e incerto sobre o futuro.

Por um lado, com o incentivo dos líderes comunitários locais, os moradores serão obrigados a contribuir com sua parte. Por outro lado, a cidade, com a ajuda do estado e do país, recompensará essa obrigação com provisões garantidas de tudo, desde alimentos básicos até diversão. Os líderes comunitários e a cidade não farão pressão pelo socialismo, onde os benefícios são concedidos de forma incondicional, mas sim por uma atitude pró-social, onde a pessoa quer deixar de se preocupar com a sociedade, mas ao mesmo tempo sabe que quem não dá, também não consegue. É uma abordagem madura e sustentável, que não foi implementada porque a sociedade não estava pronta.

Agora parece que estamos nos aproximando de uma fase em que as pessoas estão prontas para a mudança. A América, precisamente por meio de sua adesão a valores como igualdade, trabalho árduo e liberdade de expressão, tem o potencial de levar o mundo a uma era de reciprocidade combinada com realização pessoal.

Comente