“A Chance Que Nos Deram Hoje, 73 Anos Atrás” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Chance Que Nos Deram Hoje, 73 Anos Atrás

Em 29 de novembro de 1947, a Assembleia Geral da ONU votou a favor de uma resolução, que adotou o plano de divisão da Palestina, que abriu caminho para o estabelecimento do Estado de Israel. Para os refugiados judeus do Holocausto, essa resolução significava esperança de uma vida mais segura em um Estado judeu. Para as potências mundiais, foi uma forma de aliviar o peso em suas consciências, depois de não terem feito nada para salvar os judeus durante a guerra, e até mesmo evitar sua fuga enquanto ainda era possível. Para o mundo, era um contrato não escrito, não falado e talvez inadvertido entre os judeus e a humanidade, onde o mundo deveria dar aos judeus um Estado soberano, e os judeus construiriam nele uma nação modelo que serviria como “uma luz para as nações”.

Após uma batalha heroica, a organização paramilitar do assentamento judaico na Palestina repeliu os seis exércitos árabes invasores do Egito, Iraque, Síria, Jordânia, Líbano e Arábia Saudita, que se juntaram às forças armadas dos residentes árabes da Palestina, e estabeleceram o Estado de Israel. Era hora de começar a cumprir o compromisso de Israel com o mundo.

Foi quando os problemas começaram. Israel estava repleto de divisões desde o início. Os grupos sionistas lutaram entre si pelo poder e pela maneira de conduzir a luta pelo estabelecimento do Estado de Israel. Uma vez que Israel recebeu a soberania, essas lutas não diminuíram, ao contrário, aumentaram. Ondas de imigração de países árabes e países europeus devastados pela guerra criaram novos enclaves culturais, e cada seita zombou das outras seitas. Muitos judeus de países mais pobres, principalmente países muçulmanos como Marrocos, Líbia e Iraque, foram enviados para cidades distantes do centro do país e se tornaram o que é conhecido como “o segundo Israel”.

Em junho de 1967, outro infortúnio atingiu Israel: depois de ser ameaçado e assediado por seus países vizinhos, e depois de perceber que não havia esperança de evitar outra guerra, Israel abriu fogo. Em seis dias, e com relativamente poucas baixas, Israel derrotou e conquistou territórios no Egito, Síria e Jordânia, incluindo a Cidade Velha em Jerusalém. Embora o triunfo militar tenha sido uma bênção muito necessária, a arrogância que ele trouxe consigo tem sido uma praga da qual não conseguimos nos livrar, apesar de todos os anos que se passaram e de todos os fracassos que sofremos desde então.

Essa arrogância só piorou nossa separação, e Israel se tornou um modelo de divisão, alienação, ódio interno e astúcia, o oposto de nosso objetivo pretendido de estar aqui. Em vez de consertar a separação que nos infligiu a ruína do Templo e o exílio há dois milênios, nosso retorno a Israel parece ter reavivado a inimizade dentro do povo judeu, e o antigo ódio infundado está ressurgindo.

O povo judeu é muito obstinado e intransigente. Essa é a nossa natureza e nada a mudará. Nem deve mudar. Essa obstinação nos foi dada não para nós, mas precisamente para servir de modelo ao mundo. Devemos desistir da noção de que podemos mudar a opinião um do outro. Em vez disso, devemos nos concentrar em nutrir a unidade acima de nossas diferentes visões. Precisamos nos concentrar não nesta ou naquela moral ou ideologia, pois isso apenas nos separa. Em vez disso, devemos nos esforçar para elevar o valor da própria unidade!

Somente se nos concentrarmos na união acima de nossas diferenças, encontraremos o verdadeiro mérito das diferenças, o valor real em cada visão distinta e os benefícios da união acima delas. Se nos unirmos acima de nossas opiniões opostas, criaremos uma entidade que funcione como qualquer organismo, onde os órgãos diferentes, e muitas vezes opostos, trabalham em harmonia para criar um ser vivo sólido e saudável. Se qualquer parte desse corpo enfraquecesse ou se desintegrasse, o ser vivo morreria. Se todos os órgãos operam ao máximo, é quando o organismo fica mais saudável e forte.

Se Israel fizer a paz entre suas seitas rivais, o mundo verá e aprenderá com seu exemplo. Se Israel não fizer isso, o mundo se arrependerá de ter concordado com a criação do Estado judeu em primeiro lugar e tomará todas as medidas necessárias para eliminá-lo. Israel, nesse sentido, depende de si mesmo. Seus relacionamentos internos determinarão seu futuro externo. Nenhum outro país do mundo está nessa posição.

Em hebraico, a palavra “shalom” [paz] vem da palavra “hashlama” [complementação]. Se as facções em luta do povo judeu aprenderem a se complementar em vez de competir e desejar se aniquilar, elas se beneficiarão, o mundo se beneficiará e haverá paz, tanto no sentido de complementação, quanto na sensação de tranquilidade e bons relacionamentos. Se as facções em Israel não conseguirem se unir acima de suas diferenças e se complementar, nós perderemos a oportunidade que o mundo nos deu em 29 de novembro de 1947, e o Estado de Israel não conseguirá sobreviver.

Comente