No Aniversário Da Partida Do Ari

laitman_961.2Estamos honrados por ter um professor como Baal HaSulam, que foi a próxima encarnação da alma do grande Ari.  Dizem que o Ari era o Mashiach ben Yosef, ou seja, ele conectou toda a Cabalá anterior com o estado atual do fim da correção, com a geração da era do Messias, para nós.

Portanto, assim que a Cabalá do Ari foi revelada, os Cabalistas deixaram todas as outras correntes da Cabalá e aceitaram seu método. Isso não foi devido ao fato de que o método do Ari era mais compreensível ou que ele se elevou acima dos outros em sua compreensão, mas por causa da conexão de sua alma com o fim da correção.

A alma do Ari está diretamente conectada ao fim da correção e, portanto, através dele e de seus ensinamentos, também podemos estabelecer uma conexão com o estado final corrigido e nos realizar corretamente, todos nós juntos e cada um de nós individualmente.

Baal HaSulam escreve na “Introdução ao livro Panim Meirot uMasbirot”: “Você não tem uma geração sem tais como Abraão, Isaac e Jacó”. De fato, aquele homem piedoso, o Rav [professor, grande] Isaac Luria [o ARI], nos forneceu a medida mais completa. Ele fez maravilhosamente mais do que seus antecessores, e se eu tivesse uma língua que louvasse, louvaria aquele dia em que sua sabedoria apareceu quase como o dia em que a Torá foi dada a Israel”.

De fato, somos incapazes de medir a altura do Ari, assim como uma criança não pode medir as ações dos adultos. Mas tudo o que temos hoje veio do Ari e, através de sua alma, recebemos o maior impacto e correções. Baal HaSulam e Rabash estão atrás do Ari nesta cadeia.

O próprio Ari não escreveu um único livro – todos foram escritos por seus alunos. Alguns dos registros estavam escondidos em seu túmulo e outros foram guardados secretamente em um baú e, assim, chegaram ao nosso tempo. Obviamente, um poder superior e um projeto superior estavam agindo nisso tudo.

Caso contrário, como é possível que um desejo superior desperte repentinamente em um comerciante como o Ari que viajou entre Egito, Israel e Damasco e se envolveu no comércio, forçando-o a se estabelecer em Israel e se dedicar à Cabalá.

Todas as informações sobre o Ari são muito imprecisas: há duas sinagogas em Safed com o nome dele, e não está claro a qual ele pertencia. Tudo é muito vago, como se não estivéssemos falando de uma pessoa. Não há informações sobre sua família, esposa, filhos, se ele teve algum descendente. Nada está claro. Obviamente, ninguém tem liberdade de escolha e tudo o que aconteceu com o Ari foi ditado de cima, pelo Criador.

Antes do Ari, apenas alguns indivíduos escolhidos estavam secretamente envolvidos na Cabalá. E depois dele, a Cabalá saiu do esconderijo. A vida do Ari em Safed não foi fácil devido aos muitos oponentes da Cabalá. Afinal, ele começou a revelar a Cabalá e a organizar grupos.

Ele foi ajudado pelo fato do Ramak, Rabi Moshe Cordovero, que tinha grande autoridade em Safed, interceder por ele, e ele entendeu que o método do Ari vinha de uma compreensão verdadeira e profunda.

O Ari é único, pois revelou a ciência da Cabalá de uma maneira completamente nova. Foi ele quem introduziu conceitos como as dez Sefirot, luz direta e refletida, Malchut, Masach, e determinou com precisão a estrutura dos mundos e Partzufim. Tudo isso está descrito no livro A Árvore da Vida, escrito por Chaim Vital a partir das palavras do professor.

Chaim Vital estudou com o Ari por apenas um ano e meio antes da morte de seu professor. E durante esse ano e meio, ele conseguiu obter conhecimento suficiente para vinte livros. Foram necessárias mais três gerações para coletar e imprimir esses livros. É óbvio que existe algum tipo de poder sobre-humano superior por trás de tudo isso.

Após o Ari, a Cabalá foi revelada porque ele trouxe uma força espiritual interna especial ao mundo. Além disso, seus ensinamentos começaram a se espalhar lentamente. Não importa que ele tenha ensinado apenas em uma pequena cidade de Safed. Esse poder espiritual, que ele aproximou do mundo através de sua alma, começou a ser sentido em todo o mundo.

Graças a isso, um Cabalista como Baal Shem Tov apareceu na Rússia, que continuou o trabalho do Ari e começou a falar dos mesmos conceitos: mundos, Sefirot, Partzufim. É costume no hassidismo chamar isso de ensinamentos do Baal Shem Tov, mas, em essência, o fundamento foi estabelecido pelos ensinamentos do Ari.

Baal HaSulam escreveu que ele era a próxima encarnação da alma do Ari, ou seja, ele tinha uma conexão direta com ele e era capaz de compreender diretamente tudo o que o Ari alcançara. A próxima reencarnação da alma é como a herança de toda a realização espiritual do pai, que é passada para o filho.

Baal HaSulam, “Introdução ao Livro Panim Meirot uMasbirot”: “Não há palavras suficientes para medir sua santa obra a nosso favor. As portas da realização estavam fechadas e trancadas, e ele veio e as abriu para nós”. Restrição, Masach, luz refletida, o Ari descreve não apenas como a luz se espalha de cima para baixo, mas também o desenvolvimento específico do desejo, seus estágios de espessamento, a conexão desse processo ao poder da tela. Portanto, ele pertence à geração da correção e é considerado o Mashiach (Messias) Ben Yosef, após o qual a correção da própria Malchut começa, a era do Mashiach Ben David.

Talvez antes mesmo do Ari, os Cabalistas alcançassem as mesmas alturas, mas não recebiam entendimento explícito na forma de conexão entre as luzes, os Kelim e as telas. Seu entendimento veio como uma revelação de cima e não de dentro de seus próprios Kelim, permitindo que construíssem o mundo através de sua compreensão. Portanto, depois do Ari e além, todos podem estudar a Cabalá e compreender gradualmente o que lhe foi revelado.

Sem explicar como o desejo trabalha com o Masach e a luz refletida, é impossível implementar a correção. Portanto, os Cabalistas antes do Ari fizeram apenas a preparação para a correção, enquanto o Ari revelou o trabalho de baixo para cima e revelou o método de correção, a Cabalá prática, para nós.

O dia da partida de um Cabalista é o dia de sua ascensão. Portanto, neste dia, queremos nos conectar com o Ari, com sua alma e sua técnica de uma maneira especial, ainda mais do que antes, e comemoramos o dia de sua memória. De fato, este é um dia alegre, porque sua alma se realizou e subiu para um nível superior. Portanto, os Cabalistas nunca lamentam os que partiram.

Da 2ª  parte da Lição Diária de Cabalá 04/08/19 , “Dia em Memória do Ari”

Comente