Zoológico Humano

laitman_624.03Pergunta:  Houve um fenômeno conhecido como zoológico humano, mesmo nos séculos XVIII e XIX, onde os povos indígenas que habitam a África e o interior da América eram trazidos para a Europa e a América, e a sociedade europeia ou americana “civilizada” passava a observar o que chamava de “bárbaros selvagem”.

Na França, mais de 20 milhões de pessoas visitaram tal “zoológico” dentro de alguns meses para observar essa curiosidade.

Nos locais de residência permanente, os povos indígenas podiam usar tanga e comer alimentos crus, e na Europa e América, é claro, havia outras condições, mas eram forçados a usar tanga, comer carne crua de cachorro e muito mais. Isso causava um enorme prazer na plateia.

Então, quem são os selvagens?

Resposta: Estes são os franceses que foram olhar para aqueles que foram trazidos da África.

Pergunta: Por que um desejo tão bestial e selvagem surge em uma pessoa civilizada?

Resposta: É natural que uma pessoa aprenda e se pergunte sobre outras formas de vida.

Pergunta: Você acha que isso é aceitável?

Resposta: Não. Eu acredito que devemos trazer, por exemplo, africanos para a Europa, pagá-los normalmente, alimentá-los normalmente, dar-lhes tudo o que precisam, e eles podem trabalhar por meio dia ou por um dia como pessoas primitivas que vivem seu próprio estilo de vida africano.

Pergunta: O que uma pessoa aprende observando formas primitivas da vida humana?

Resposta: Eu acho que tudo depende de como você os apresenta. As formas de vida indígenas são realmente as mais saudáveis ​​e naturais. Elas fazem a pessoa se sentir próxima da natureza. Elas são construídas sobre princípios muito bons de respeito mútuo, confiança, comunicação e consentimento, nada parecidos com os que existiam, por exemplo, na França.

Obviamente, a maneira como eles a apresentam: “Olhe para os bárbaros que trouxemos para vocês e paguem seu dinheiro”, essa é obviamente a abordagem errada, e não há muito o que falar. Essa é uma abordagem bárbara.

No entanto, para mostrar um modo de vida e explicar como ele está mais próximo da natureza, em que medida essas pessoas estão mais próximas umas das outras, como se entendem, como se comunicam e como é bom e belo para elas pode impressionar profundamente os Europeus e mostrar-lhes a vida que deixaram, a que chegaram e do que acabaram se beneficiando, com o que têm com o estilo de vida de hoje, com todo o caos moderno em comparação com a comunidade primitiva simples, que nos dá liberdade, conforto e confiança interiores.

Pergunta: Os povos modernos podem aplicar a si mesmos as relações que existem entre os povos indígenas?

Resposta: Como? Eles não têm absolutamente nenhuma sociedade!

Quando eu estava em Paris, não havia absolutamente nada natural em seus relacionamentos. Pelo contrário, tudo é muito prático e primitivo. Não quero criticar, mas comparada a uma simples vila africana, que também tem vários milhares de pessoas, as relações entre as pessoas são, especialmente agora – estou falando sobre como eram 20 ou 30 anos atrás quando estive lá – claro, muito diferente, não a favor de Paris.

Pergunta: Onde, então, as crianças que são levadas a essas condições artificiais podem obter os modos naturais de vida, os relacionamentos naturais e aprender alguma coisa?

Resposta: Sabemos que as pessoas modernas, no entanto, gravitam entre o que era antes em suas famílias, entre seus ancestrais. Portanto, tudo pode ser feito, mas não para ensinar às pessoas modernas o que eram as sociedades primitivas; pelo contrário, mostrar isso às pessoas modernas para que elas vejam como são primitivas.

Pergunta: Uma pessoa moderna pode ver o valor dos relacionamentos indígenas se não tiver um ponto de percepção dos relacionamentos corretos?

Resposta: Uma pessoa moderna não vê nada. Ela vê apenas o que está atualmente à venda, onde algo é mais barato.

Ela vê apenas o que é empurrado diante de seus olhos, nada mais. Você tem que colocar algo na frente dela, esfregar o nariz nele, e é isso que ela vê. Tudo isso é feito pela mídia, publicidade e assim por diante.

Pergunta: No início do século passado, uma pessoa secular, um antropólogo, trouxe um pigmeu africano para os Estados Unidos e o colocou em uma gaiola com outros animais, chimpanzés e orangotangos, e o apresentou como “o elo perdido na evolução do homem”, implicando que essas tribos estavam mais próximas dos macacos do que os brancos civilizados.

Naturalmente, o público expressou sua indignação e o homem foi libertado. Mas seis anos depois, ele cometeu suicídio porque não conseguiu se integrar às condições americanas.

O que distingue a pessoa próxima da natureza do povo civilizado para que ela não possa se integrar às condições de ferro da cidade, da civilização?

Resposta: É difícil dizer. Nós não podemos entender isso. Só podemos ver pelos resultados que nossa vida nos séculos passados ​​- afinal, também era nossa vida – era tão diferente da vida moderna que não conseguimos perceber esse sistema de relacionamentos, o sistema de valores e a implementação de planos comparados ao que era antes.

É muito estranho combinar um intervalo de várias centenas de anos dessa maneira. Imagine que você convida, digamos, o rei Arthur aqui. Temos conceitos e valores completamente diferentes. Então, não é possível.

Isto não pode ser comparado. Mas, por outro lado, toda a nossa civilização, em princípio, está se afastando do natural. Acontece que estamos nos afastando de nossa natureza. Criamos algum tipo de casca artificial para nós mesmos, na qual existimos. E isso não é natural; isso não nos leva a uma vida boa.

Vemos o quanto estamos sofrendo, mas não podemos fazer nada a respeito. Ficamos incluídos nessa mesma natureza, nessa corrida, nesta máquina artificial, e devemos segui-la.

Pergunta: Outro dia, você foi perguntado se uma pessoa ascendeu ou desceu em desenvolvimento espiritual ao longo de toda a nossa história. Você disse que em valor absoluto a pessoa ascendeu, mas, de fato, uma pessoa parece ter descido ao revelar a verdade dentro de si mesma.

Qual é a diferença entre o desenvolvimento inicial de uma pessoa quando ela vive em condições naturais, é toda aberta, e a confiança e a compreensão mútua reinam em sua tribo, e o nosso ponto, em que uma pessoa moderna desce, de fato, em seu desenvolvimento? Quais são as suas diferenças e semelhanças?

Resposta: No vetor de desenvolvimento. O fato é que, digamos, alguns milhares de anos atrás, poderíamos ter passado por um desenvolvimento completamente diferente – não egoísta, mas nos elevando acima de nossa natureza, ao contrário dela, onde teríamos preferido uma boa conexão entre nós, teríamos estado juntos como uma família, teríamos cuidado disso e tomado o cuidado de não se separar. Se nos comportássemos dessa maneira, teríamos ido em uma direção diferente do desenvolvimento em comparação com hoje.

Teríamos chegado a um estado completamente diferente! Hoje, a humanidade seria uma família grande e gentil. E não teríamos o estado como temos agora, quando pensamos apenas em como podemos ganhar às custas dos outros, como podemos nos elevar acima dos outros, como comparo minha vida à do próximo e assim por diante.

Não teríamos competição, assassinatos, nada disso teria acontecido. Haveria um abrigo bom e normal e uma comunicação normal entre nós, se tivéssemos seguido esse caminho de desenvolvimento.

No entanto, optamos por nos desenvolvermos egoisticamente, a maneira como nossa natureza selvagem nos empurra. Na verdade, continuamos nos desenvolvendo como animais, obedecendo à nossa natureza, e é aqui que ela nos leva. Assim, não temos nada do que nos orgulhar, hoje somos os animais mais desenvolvidos e estamos vivendo em um grande zoológico.

Pergunta: Como uma pessoa pode encontrar essa pessoa primordial e natural em si mesma para iniciar a ascensão a um novo desenvolvimento?

Resposta: Para fazer isso, precisamos voltar a esses tempos e começar de novo. Isto é impossível. Mas podemos reconhecer o mal do nosso estado atual e iniciar um novo caminho. Começando agora.

Pergunta: Em que o zoológico humano moderno se tornará então?

Resposta: Nós pegaremos o que precisamos. Isso será classificado de maneira natural. Nós só precisamos mudar nossa atitude em relação ao outro. Isto é, deixar de ser um animal selvagem em relação um ao outro, que só quer destruir um ao outro e tentar construir relacionamentos entre si usando a força.

Devemos superar isso e construir relacionamentos baseados no vasculhar, no envolvimento correto um com o outro. Então veremos que o mundo se torna diferente.

Este mundo será como uma família. Mas não como uma família moderna. Não haverá competição; haverá assistência mútua e tudo será feito para que todos se sintam bem. Exatamente esse cuidado comum de que todos se sentiriam bem é essencial para todos nós. Mas nós não temos isso.

Nós devemos adquiri-lo. Ele existe na natureza. No centro da natureza, esse sentimento existe. Mas como vamos conseguir, sentir, descobrir por nós mesmos e viver com essa estrela em nossos corações? Isso deve ser aprendido.

De KabTV, “Notícias com Dr. Michael Laitman”, 14/01/20

Comente