“O Ponto De Virada Do Mundo” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “O Ponto De Virada Do Mundo

Em todo o mundo, existe um sentimento crescente de que estamos em um estado muito sensível e precário. Embora o solo aparentemente ainda esteja estável, apesar dos problemas globais, tudo sob a superfície está borbulhando. Mas, apesar de todos os medos e perigos, essa situação pode se tornar boa se reexaminarmos nossa visão da vida, como indivíduos e como sociedade.

Nos falta o conhecimento, a compreensão e a sensação de que existimos em um mundo interconectado – somos um sistema integral, um mecanismo.

Se antigamente a comida na mesa era suficiente para uma pessoa completar com êxito seu dia, hoje é difícil imaginar a vida sem um computador, ar condicionado ou televisão. A era tecnológica criou um ambiente artificial dentro do sistema da natureza, proporcionando confortos sem os quais é difícil imaginar a existência humana. Ao mesmo tempo, juntamente com todos os avanços tecnológicos, novos perigos surgiram. A guerra convencional não é mais necessária para paralisar uma região ou um país inteiro. Um teclado é suficiente para lançar um ataque cibernético que põe em risco a segurança de milhares ou milhões. Além das ameaças humanas, o planeta oscila à beira de desastres ecológicos que pairam sobre nosso lar compartilhado.

Na raiz de todos os nossos problemas está a intensificação do egoísmo humano: as pessoas estão construindo seu sucesso em benefício próprio sobre a destruição arbitrária de outras pessoas. É inequivocamente a incubadora de conflitos e guerras. O ego de uma pessoa parece forçar a si próprio, seu interesse e ponto de vista, sobre os outros, causando divisão e atrito. Essa é a natureza humana e, se falharmos em reconhecer que, quando infligimos danos a outros, prejudicamos a nós mesmos (já que estamos todos conectados em uma aldeia global), muito provavelmente não sobreviveremos ao século XXI.

Nos falta o conhecimento, a compreensão e a sensação de que existimos em um mundo interconectado – somos um sistema integral, um mecanismo. Nesta visão clara da realidade, uma pessoa não pode fazer nada para se beneficiar, a menos que primeiro tenha certeza de que isso não prejudica os outros. Em poucas palavras, nada pode ser bom para mim, a menos que seja bom para todos.

O principal Cabalista, Rav Yehuda Ashlag, referiu-se em seu artigo “Paz no mundo”, à necessidade de uma abordagem integral para que a humanidade prospere: “Em nossa geração, quando cada pessoa é ajudada por sua felicidade por todos os países no mundo, é necessário que, nessa medida, o indivíduo seja escravizado ao mundo inteiro, como uma roda em uma máquina. Portanto, a possibilidade de realizar condutas boas, felizes e pacíficas em um estado é inconcebível quando não é assim em todos os países do mundo e vice-versa”.

Consequentemente, ele também enfatizou: “Assim, verifica-se que o coletivo e o indivíduo são a mesma coisa. E o indivíduo não é prejudicado por causa de sua escravização ao coletivo, uma vez que a liberdade do coletivo e a liberdade do indivíduo é a mesma coisa também”.

Se o mundo quiser ver um futuro positivo, a inclinação natural do indivíduo de se exaltar às custas dos outros terá que ser transformada e canalizada para ações positivas que beneficiem toda a sociedade. Em vez de uma competição egoísta e autodestrutiva, a raça humana só pode acomodar aqueles que elevam o nível mais alto para o benefício de toda a sociedade. Nesse cenário, as pessoas não olham para os outros com o desejo de esmagá-los ou menosprezá-los, mas procuram maneiras de elevar o padrão de vida de todos, para que todos fiquem satisfeitos.

Considerando a visão ampla, estamos agora em uma encruzilhada e, como resultado, devemos nos comprometer a reavaliar a maneira imprudente pela qual progredimos continuamente. Se persistirmos na mesma forma de competição egoísta, ela ameaça sair rapidamente do controle e resultar em uma guerra mundial nuclear ou catástrofes ecológicas. Portanto, é crucial que mudemos de rumo imediatamente e aprendamos a guiar a nós mesmos e à humanidade com segurança para um novo modo de vida, onde nos harmonizamos com a natureza, cujas partes estão todas ligadas.

No centro da mudança que cada um de nós deve fazer está a transição consciente da busca do conforto pessoal egoísta para uma busca para garantir o bem-estar de todos. Em nosso mundo interconectado, não há outra maneira de garantir a segurança e um bom futuro para nós, nossos filhos e netos. Juntos, podemos construir uma vida de verdade, uma vida em que o melhor interesse de todos seja a mercadoria mais valorizada. Se começarmos a avançar juntos nessa direção, descobriremos rapidamente quantas coisas mais maravilhosas se abrem para nós que agora estão escondidas nas profundezas da natureza.

Comente