Escravizado Sem Ao Menos Saber

laitman_600.04Observação: Hoje, o homem tem mais liberdade do que os escravos na América no século XIX ou os servos sob servidão.

Minha Resposta: Isso não é liberdade! A propósito, um escravo não era escravizado mais do que somos hoje. Ele sentia que pertencia ao seu mestre, o que significava que não tinha preocupações.

Ele sabia que seu mestre iria alimentá-lo, garantir que ele tivesse um lugar para dormir, garantir que estivesse saudável, que tivesse uma família e assim por diante. Isto é, o mestre estava cuidando do escravo, e havia um certo acordo entre eles.

O fato é que havia acordos especiais sobre o status dos escravos determinando como o proprietário deveria cuidar deles, fornecer tratamento médico e assim por diante. Escravos não eram pessoas sem direitos. Além disso, um escravo era muito caro, portanto, o proprietário cuidava de seus bens.

Hoje, ao contrário, tudo é bem diferente. Você é demitido, está perdido. Existem mais 100 pessoas no portão para substituí-lo. Ninguém lhe deve nada, porque o proprietário pensa apenas em como se livrar de você e não pagar nada.

Pergunta: Você acha que, em termos de valorização da liberdade, não houve um avanço nas relações humanas nos últimos cem anos e meio?

Resposta: O avanço está no fato de que hoje uma pessoa é escravizada e usada de tal maneira que ela nem sabe que é escrava.

Pergunta: Escravidão significa a proibição de se mudar de um lugar para outro, não ser capaz de cuidar de sua família, é violência e falta de justiça. Como a condição dos escravos no século XIX pode ser comparada à do trabalhador moderno?

Resposta: Não vejo muita diferença. De qualquer forma, você não se move de acordo com sua própria vontade, mas de acordo com os comandos da publicidade na televisão. Você não escolhe sua profissão sozinho, mas sob a influência do que foi incutido em você na infância. Não há liberdade nisso. Converse com bons psicólogos e você verá que é esse o caso.

É claro que existem liberdades relativas, mas são como se você tomasse uma pílula e não sentisse sua falta de liberdade. E você tem até orgulho disso: “Olha, nós visitamos este lugar. Olha, nós vimos isso. Olha, nós estávamos lá. Por que você estava lá? Sim, é porque outros vão para lá. Em tudo, sem exceção, seguimos nossa mentalidade de rebanho e, portanto, não temos liberdade.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 12/04/20

Comente