“Um Vírus Como Uma Coroa No Reino Dos Antissemitas” (Time Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Um Vírus Como Uma Coroa No Reino Dos Antissemitas

Além do COVID-19, há outro tipo de contágio implacável em todo o planeta: o antissemitismo.

As teorias da conspiração e os libelos de sangue contra os judeus são a nova e ainda antiga epidemia como resultado do surto de coronavírus. O fato de Israel estar trabalhando dia e noite para desenvolver uma nova vacina contra o vírus mortal – que deveria ser uma razão para complementos em um mundo normal – está surpreendentemente alimentando o ódio contra os judeus, acusados ​​de criar e espalhar intencionalmente o vírus para lucrar com sua cura.

E quando os antissemitas buscam espalhar amplamente sua agenda viciosa, tentáculos da extrema direita e da extrema esquerda se entrelaçam para combater seu inimigo comum: os judeus. Vozes na Turquia e no Irã, entre outros países, culpam Israel pelo que eles chamam de pandemia que “serve aos interesses dos sionistas”. Os grupos BDS (movimento de boicote contra Israel), IfNotNow (ativistas judeus de esquerda) e grupos Supremacistas Brancos contribuíram com sua própria parcela de fanatismo e ódio para alimentar as chamas de uma nova onda de antissemitismo, apontando seus dedos para os judeus pela peste negra que matou quase 50 milhões de pessoas em todo o mundo, destruindo mais da metade dos moradores da Europa, um libelo de sangue que foi revivido novamente em 1918, quando a pandemia de gripe espanhola devastou o planeta.

Mesmo Ódio, Um Novo Surto

A atual onda antissemita indica que os dias sombrios em que o povo judeu foi descrito como elemento conivente e abusador da sociedade ainda não terminaram. Os dias em que fomos acusados ​​de sermos responsáveis ​​por todos os problemas do mundo não estão para trás, muito pelo contrário. A sabedoria da Cabalá explica que existe uma maneira do antissemitismo ser totalmente apagado. Até que certas medidas sejam tomadas, o antissemitismo não desaparecerá, pois está incorporado na própria fundação do mundo. Ele continuará a ressurgir, principalmente em tempos de perigo, com uma vingança rápida.

Porque isto é assim? Porque, instintivamente, as pessoas sentem que os judeus têm as chaves para resolver os problemas do mundo. Ao atacar os judeus, elas de fato elevam a nação judaica ao mais alto pedestal, responsabilizando-os pelos problemas e, ao mesmo tempo, reconhecendo-os como aqueles que reparam um planeta destruído.

Um Desenvolvimento Gradual Em Direção A Um Novo Mundo

A sabedoria da Cabalá delineia o fenômeno do antissemitismo, que se desdobra cada vez mais até que uma nova realidade seja criada, em quatro estágios de desenvolvimento que são semelhantes em muitos aspectos à progressão de uma pandemia como o coronavírus.

Durante a primeira etapa, a atual, identificamos o surgimento de uma crise, reconhecemos a interrupção na comunicação entre nós e nosso modo de vida. Essa percepção fornece uma nova percepção da nossa situação e do que é exigido de nós. Queremos nos livrar do problema que interrompe nossas vidas, mas entendemos que não podemos escapar facilmente dele.

Na segunda etapa, começamos a apreciar a seriedade da situação e começamos a fazer perguntas profundas sobre como conviver com o “vírus”, a perturbação: como devemos manejar a sociedade, o país, a economia em mudança, o emprego, a família e a educação?

Na terceira etapa, entendemos que é necessário fazer mudanças na sociedade. Embora ainda seja cedo para descrever exatamente como, a perturbação problemática, como o coronavírus, nos leva a uma mudança social, a uma sociedade mais igualitária. O objetivo da trajetória de mudança é uma sociedade onde todos ganham e recebem o que é essencial para cada pessoa, as necessidades básicas de sua existência, enquanto o restante da energia e poder da sociedade é investido no benefício coletivo. Essa mudança não ocorre da noite para o dia, mas é um processo contínuo e causará muita oposição. No entanto, mudanças gradualmente positivas serão expandidas para todas as instituições e sistemas da sociedade.

O quarto e o último estágio serão marcados pela percepção de que podemos ganhar tremendamente com essas mudanças, particularmente na área de novas comunicações humanas de um tipo superior e mais espiritual, e sua importância nos empurrará ainda mais. Por fim, olhando retrospectivamente para a nossa jornada, poderemos apreciar o fato de que todas as etapas anteriores, por mais difíceis que fossem, pelas quais passamos, eram precisamente e apenas para nosso benefício.

Como Os Judeus Podem Curar Um Mundo Doente

Alguém poderia perguntar: qual é o papel dos judeus nessa equação? É precisamente o papel da nação judaica, fundada no princípio do “ame o próximo como a si mesmo”, liderar o caminho para a conquista da unidade e para a recuperação do equilíbrio da natureza que se perdeu como resultado de nossa indisciplina, relações humanas egoístas e egocêntricas. Os judeus foram as primeiras pessoas a identificar e entender as leis da natureza, a necessidade de viver em uma sociedade baseada em responsabilidade mútua.

A primeira vez que uma porção da humanidade se experimentou como uma sociedade baseada no princípio do compartilhamento mútuo foi na antiga Babilônia, cerca de 3500 anos atrás, com Abraão, o Patriarca. Ele descobriu um método para se elevar acima do ego humano para unir e descobrir a força única da natureza através do processo de unificação. Abraão pediu que as pessoas se elevassem acima de seus conflitos para se unirem e disponibilizou seus ensinamentos a quem quisesse participar desse processo. Aqueles que o seguiram foram chamados por Abraão, “Israel”, que se traduz em “Yashar Kel” (“direto a Deus”). Desde aquela época, a singularidade do povo judeu é sua capacidade de se conectar diretamente à força superior da natureza que controla e gerencia toda a realidade. Somente com essa força, explicam os Cabalistas, existe a possibilidade de o mundo trocar sua direção desastrosa por uma positiva.

Portanto, assim que os judeus começarem a aprender e implementar esse método de conexão – a sabedoria da Cabalá – para alcançar a unidade e começar a entregá-la ao resto do mundo, os sentimentos de família e comunidade prevalecerão entre os judeus e o resto da humanidade. Essa conquista produzirá uma sensação como a de um útero protetor e seguro que neutralizará todas as preocupações prejudiciais da pessoa e eliminará incertezas sobre o futuro. Nesta nova realidade, os judeus serão apreciados como promotores de relações calorosas baseadas no amor, laços que proporcionam calma e tranquilidade para o mundo inteiro.

Comente