Coronavírus: Olhando Para O Futuro

É como se tivéssemos participado de uma história de Hollywood e estivéssemos acompanhando o desenvolvimento de eventos desde dentro. Seremos capazes de entender a essência do que está acontecendo e antecipar o resultado?

Já está claro, o coronavírus se tornou um daqueles eventos raros e imprevisíveis, com consequências de longo alcance que Nassim Taleb chamou de “cisnes negros”. Mais tarde, em retrospectiva, tudo ficará claro e lógico, mas algo já está acontecendo agora. Todos nós temos algumas semanas ou meses de reflexões pela frente e seria imprudente não perder essa oportunidade. Afinal, não há acidentes na natureza e, como as condições necessárias já se desenvolveram, devemos usá-las de propósito e não apenas esperar o fim.

Aparentemente, diante de nós, há vários meses de um estilo de vida muito incomum. Mesmo depois que terminar, não voltaremos à rotina anterior. Nossa vida cotidiana será diferente. Como, exatamente? Depende se queremos responder às perguntas principais que estão sendo colocadas para nós pelo vírus hoje.

“Quando tudo acabar, nos perguntaremos por que deveríamos ir trabalhar no escritório, ir à escola para estudar ou treinar ou fazer compras na loja”, escreve o Dr. Einat Wilf. Talvez este seja o momento em que deixaremos as estruturas da revolução industrial para trás.

Analistas, cientistas e chefes de empresas já estão discutindo o novo paradigma digital, mudando a abordagem da produção e sua eficiência, para a tomada de decisões e a segurança. A pandemia destacou o fato de que nosso pensamento inerte não acompanha o ritmo da tecnologia moderna.

Isso, no entanto, é apenas parte da imagem. Afinal, não se trata tanto de tecnologia. O ponto é o próprio conceito de sucesso. Se não perdermos esta oportunidade, a humanidade rejeitará muito do que é supérfluo e viverá vidas mais simples e práticas externamente, além de viver internamente vidas mais plenas e multifacetadas. Não apenas o nosso modo de vida mudará, mas a maneira como pensamos e sentimos.

Neste ponto, queremos apenas uma coisa: que tudo acabe, mas vamos nos recompor e olhar com cuidado os fatos. O que a situação atual está nos dizendo? Que outras doenças do mundo o coronavírus está revelando?

O Ministério da Saúde não vai nos contar sobre elas. Suas diretrizes apenas nos desconectam e nos afastam da vida que a sociedade nos impõe com seus valores, lazer e passatempos atuais. De repente, a responsabilidade mútua deixou de ser uma frase vazia. As prioridades estão mudando dramaticamente. O entretenimento está mudando para o espaço virtual.

É um prelúdio bastante sombrio, mas não trágico. Estamos tentando aclimatar e construir uma nova estrutura. Estamos até ajudando outros, estranhos, o que ontem era um absurdo para muitos. Por um lado, somos limitados. Por outro lado, estamos descobrindo coisas novas e incomuns. É semelhante a uma criança em crescimento sendo dirigida por cuidadores, não é?

Seguindo as rotas dos doentes, vemos cafés, restaurantes, lojas, shopping centers, supermercados e salas de banquetes. Na verdade, essa linha pontilhada de uma instituição para outra compõe quase toda a nossa vida. Nós viajamos para o exterior e é o mesmo em todo lugar: uma repetição sem fim. Mas não, é finita.

Agora, olhando de fora, estamos nos tornando um pouco mais maduros e um pouco mais sábios. Imperceptível e implicitamente, um novo sentimento está surgindo em nós. Temos uma nova atitude em relação ao lazer e entretenimento, bem como aos outros e às nossas próprias vidas. Os modos antigos desapareceram um pouco, como se um véu estivesse caindo de nossos olhos e expondo novas cores brilhantes.

O que parece uma prisão hoje é, de fato, a oportunidade de começar a tratar a nós mesmos e ao mundo de uma maneira mais profunda e séria. Estamos nos perguntando questões que, até agora, estavam cuidadosamente obscurecidas pelo paradigma anterior.

De fato, temos uma chance sem precedentes de refletir. O vírus está nos levando à purificação e a uma espécie de desinfecção da mente e dos sentimentos. Está nos elevando a um novo nível de pensamento, compreensão, desejo e conexão. Mesmo sem saber, já estamos em contato com a necessidade de uma sensação de que anteriormente estávamos privados.

Vamos avançar; o vírus não só será uma ameaça, mas também se tornará um avanço. Ele mina não apenas o corpo, mas também conceitos e dogmas ultrapassados, abrindo as portas para um novo estado da humanidade.

Nosso primeiro impulso é fechar esta porta, acalmar o fôlego e eliminar o obstáculo da maneira usual. Mas espere, não feche as portas da consciência. Na natureza – neste sistema único e integral – não há nada de ruim, nada de errado. Todas as respostas da natureza são verdadeiras e úteis, mesmo que sejam destrutivas de alguma maneira.

Você não pode simplesmente combater o vírus descontando o sistema em que vivemos. O sistema não irá a lugar algum e continuará a defender seu equilíbrio. De quem, você pode pedir? De nós. Somos nós que abalamos o equilíbrio geral balançando o barco. Somos orientados para o consumo em relação ao mundo e ao outro para nos gabarmos, pelo desejo de nos colocarmos em uma posição superior e melhor em comparação com os outros. Toda a nossa vida está sujeita a essa tarefa, escondida atrás de muitas decorações sólidas, mas planas.

Como resultado, no nível ambiental, destruímos conscientemente a Terra. Greta Thunberg é precisa neste ponto. Mais importante, arruinamos a ecologia social e falhamos precisamente na tarefa que o sistema nos atribuiu.

Nossas relações e todo o nosso “progresso” agem em oposição à natureza. Trazemos desequilíbrio e desarmonia em tudo o que tocamos. Tentamos conquistar o sistema que nos gerou. Exigimos que a natureza nos obedeça em prol de nossos jogos infantis e sem sentido.

Claro, a natureza é contra isso. Não é por acaso que o vírus nos obriga a construir vidas mais saudáveis ​​e relacionamentos mais responsáveis, a abandonar a produção desnecessária e a cuidar um do outro.

Talvez, uma vez criada a vacina ou quando a maioria das pessoas superar a doença, nos afastemos do isolamento, sendo mais maduros e vivendo de maneira diferente e melhor. Talvez possamos dar sentido a essa pandemia, que até agora parece um “cisne negro”, um obstáculo infeliz e imprevisto em nossa linha pontilhada.

Mais tarde, uma explicação lógica será encontrada para todos os “cisnes negros”. Mas que explicação daremos? O que nos impede de fazer isso agora?

Durante décadas, vagamos nas ilusões dos consumidores, destruindo a vida das gerações futuras. Nós nos transformamos em engrenagens de uma máquina global de superprodução e indiferença que produz lixo e queima recursos humanos e naturais em prol do egoísmo. Por que voltaríamos a isso?

Mesmo se começarmos a consumir apenas duas ou três vezes menos, nós, nossos filhos e nossos netos, teremos vidas mais saudáveis ​​e calmas, cheias de mais criatividade, resistência e alegria universal. Um infortúnio comum pode ser um trampolim para um sucesso comum.

O vírus, de fato, nos dá a chance de sobreviver. A natureza, diferentemente da humanidade, não arruína ou destrói nada; apenas desenvolve, conserta e corrige. Nossa percepção ainda não chegou a esse quadro, mas já somos capazes de extrapolar a partir de nosso conhecimento, avançar um pouco e olhar além do horizonte retratado.

Então, veremos como somos hostis à natureza. Como um bando mongol-tártaro, nós pisamos os campos da natureza e tentamos arrogantemente fazê-la se submeter às nossas demandas egoístas.

De repente, veremos que cada um de nós enfrenta a natureza, e que por trás de cada um de nós existe toda a humanidade. Todo mundo é pessoalmente responsável pelo equilíbrio do sistema. O indivíduo e o coletivo são iguais, dizem os Cabalistas.

O vírus é resultado do desequilíbrio causado pelos seres humanos no sistema geral. O humano é a parte principal desse sistema. Todos os impulsos do sistema estão ligados e focados em nós. Dentro dele, aprendemos a responder um pelo outro e também a responder pelo próprio sistema.

Não devemos esquecer de observar a distância prescrita, sentar em quarentena, cuidar de nossas famílias e ajudar os outros o máximo possível. Ignorar essas coisas seria como enterrar a cabeça na areia e olhar para trás, para o ontem, quando o amanhã já está a caminho. A humanidade difere dos animais, pois somos dotados de imaginação e sabemos como antecipar o futuro e olhar para o futuro. Nosso “cisne negro” é muito mais do que parece para nós agora.

Comente