“Reacendendo As Relações Entre Negros E Judeus Na América Através Da Unidade Judaica” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: Reacendendo As Relações Entre Negros E Judeus Na América Através Da Unidade Judaica

Da retórica às ações, o antissemitismo de certos setores da comunidade negra dos EUA disparou um alarme como um novo fenômeno perturbador, causando profundo sofrimento entre os judeus dos EUA. Por mais surpreendente que possa parecer, a solução mais eficaz está entre os próprios judeus.

Nos últimos meses, ocorreu um aumento acentuado de ataques violentos não provocados contra judeus por indivíduos negros em cidades com grandes comunidades judaicas ortodoxas, particularmente em Nova York e Nova Jersey, incluindo a morte de três pessoas no mercado kosher de Jersey City e um ataque com facão na casa de um rabino em Monsey. Esses incidentes de crime de ódio oficialmente definidos foram os mais violentos dos elos recentes em uma cadeia de assédio, espancamentos e vandalismo contra judeus nessas áreas.

Antissemitismo De Todas As Frentes

Embracing Humanity’s Melting Pot

Estamos familiarizados com o antissemitismo de extrema direita dos supremacistas brancos, que culpa os judeus por ajudar os imigrantes, entre outras acusações. Começamos a abordar o antissemitismo da esquerda, entre os mais destacados, o movimento BDS, mas ultimamente estamos nos tornando cada vez mais familiarizados com um novo tipo de antissemitismo de partes da comunidade negra.

Para complicar ainda mais a divisão, entre os afro-americanos parece haver dois tipos distintos de antissemitismo. O primeiro tipo surge dos israelitas hebreus negros, um grupo cujos membros se definem como “os judeus originais”, em oposição aos judeus brancos que são acusados ​​de roubar sua herança legal. O segundo tipo parece surgir do caldeirão da vida comunitária nos EUA, onde o ódio contra os judeus alega que eles querem dominar suas propriedades e bairros e “nos trazer de volta aos miseráveis ​​dias da escravidão”. É uma visão que até encontrou simpatizantes entre os membros do Conselho de Educação de Jersey City, revelado pela mídia recentemente.

Abraçando O Caldeirão Da Humanidade

É importante entender que o judaísmo original não tinha interesse na posse exclusiva da Torá. Pelo contrário, pretendia alcançar todos no mundo, especialmente qualquer pessoa que anseia por unidade e garantia mútua. Qualquer pessoa que quisesse viver de acordo com a grande regra da Torá, “ame seu próximo como a si mesmo”, era bem-vinda e todos nós nos uniríamos e nos abraçaríamos com grande alegria. Como o Cabalista Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreveu: “É certo e inequívoco que o propósito da Criação esteja nos ombros de toda a raça humana, preta, branca ou amarela, sem nenhuma diferença essencial” (O Arvut ).

Portanto, as alegações daqueles do primeiro grupo que afirmam que “o judaísmo é meu” e “eu me encaixo, mas vocês não” são basicamente discriminatórias. Tal atitude, de quem se origina, não deriva do judaísmo real, que exige amor pelo outro. O segundo tipo de antissemitismo na comunidade negra mencionado anteriormente pertence à linha de pensamento antissemita excludente que acabamos de descrever.

Como vimos ao longo da história em todos os períodos, alguns grupos particulares de pessoas guardam rancor contra os judeus e encontram sua lógica de ódio. Baal HaSulam escreveu sobre isso da seguinte maneira: “O ódio precede todas as razões, mas cada uma simplesmente resolve sua aversão de acordo com sua própria psicologia” (Os Escritos da Última Geração).

Portanto, é muito fácil incitar qualquer grupo oprimido a acreditar que os judeus são responsáveis ​​por sua situação sombria e que precisam agir contra eles. Sem dúvida, os membros de um grupo assim terão prazer em odiar os judeus.

É importante lembrar que o povo de Israel era composto por representantes de numerosos clãs da antiga Babilônia, que se expandiram para se tornar “as 70 nações do mundo”. Abraão, o Patriarca, estabeleceu uma regra abrangente: a união acima e além das diferenças. Pode parecer que o povo de Israel é como qualquer outro povo, mas na verdade eles são únicos. O povo de Israel tem um papel particular: estar unido e servir o resto das nações do mundo.

Judeus Pavimentando O Caminho Para A Unidade

Quando o povo de Israel supera suas diferenças, eles atingem um grau de unidade espiritual que revela a força superior. Neste momento, uma força positiva emana deles. Eles então espalham “luz para as nações” e se tornam um farol de paz para todos. Por outro lado, quando os judeus não fazem nenhum movimento em direção à unidade, mas deixam que suas diferenças os separem, as nações do mundo sentem isso inconscientemente. Isso ocorre porque todos estão conectados em uma única rede. Na ausência da força superior positiva, a força negativa começa a borbulhar. Instintivamente, o mundo manifesta ódio à nação judaica, responsabilizando-a pela falta de equilíbrio entre as duas forças opostas. Esta é a razão subjacente ao crescente antissemitismo.

Podemos nos engajar em todos os tipos de esforços que não se concentram principalmente em nossa unificação, a fim de tentar amenizar esse fenômeno, mas eles não trarão mudanças positivas significativas e duradouras. O antissemitismo só continuará aumentando, a menos que o enfrentemos em sua raiz através do único antídoto possível: a unidade do povo judeu, em primeiro lugar, e depois a unidade do resto do mundo. Tal intervenção neutralizará toda animosidade em relação a nós e trará uma existência pacífica e relações cordiais entre todas as pessoas.

Comente