Vergonha: O Ponto De Transição

laitman_962.1A descida dos Partzufim, Sefirot e mundos espirituais do mundo do Infinito para baixo é a revelação do desejo de receber que emerge em Malchut do mundo do infinito por causa do sentimento de vergonha de sua oposição ao Criador. Essa oposição empurra o ser criado a buscar um caminho para se tornar como o superior. Portanto, todas as suas ações, embora tornem o ser criado mais distante do Criador, rebaixando-o de cima para baixo, contribuem, no entanto, para a revelação do desejo de receber e para a obtenção da qualidade de doação pelo ser criado.

No entanto, até agora, essa não é uma escolha livre do ser criado, mas apenas o resultado do trabalho mútuo das forças de recepção e doação e do anseio do ser criado de equilibrar essas forças. Até agora, o ser criado se desenvolve nos níveis inanimado, vegetativo e animado, cumprindo inconscientemente o programa da natureza. A decisão tomada no mundo do Infinito continua a se manifestar e obriga o ser criado a agir.

Portanto, após restringir o desejo e tomar a decisão de atingir a máxima equivalência possível com o Criador, o ser criado começa a agir de acordo com a extensão da deficiência revelada. A primeira ação de recepção em prol da doação acontece no Partzuf de Galgalta, quando a equivalência com o desejo do Criador foi alcançada pela primeira vez através da restrição, Masach, luz refletida, rejeição da luz, e Zivug de Hakaa (acoplamento por golpe) com ela, acima do desejo de receber. No entanto, até agora, essa equivalência é apenas em um nível inanimado mínimo, na luz de Nefesh.

A força do desejo (Kli) não é medida quantitativamente, em quilogramas ou metros, mas pela extensão de sua equivalência com o Criador. Quanto mais perto você está do Criador e quanto mais você for como Ele, maior você é; e quanto mais longe você está dele, menor você é.

Tendo recebido a luz em prol da doação no Partzuf de Galgalta, isto é, tendo alcançado a adesão com o Criador na luz interior, o ser criado faz uma nova descoberta: ele revela a luz circundante, o amor do Criador, que deseja dar tudo ao ser criado. Ele descobre o propósito da criação com mais profundidade e compreende o que deve ser feito, como receber toda a atitude do Criador em relação a ele em prol da doação, a fim de responder a Ele com o mesmo amor.

Não se trata de pratos cheios de comida, mas da conexão entre os dois: alma a alma, coração a coração. É isso que faz com que todo o processo de descida seja de cima para baixo. O ser criado vê que a partir de seu estado atual é impossível atingir a meta final e receber toda a luz do Criador, completa adesão e igualdade com Ele. O Criador quer que o ser criado não permaneça um bebê que depende completamente Dele, mas sim cresça até a altura do Criador e se torne Seu parceiro, igual a Ele em tudo.

O Criador é o primeiro porque criou o ser criado. Entretanto, ao alcançar a equivalência com o Criador, o ser criado deve ser o primeiro, deve ser sua escolha para que essa equivalência seja verdadeira. Portanto, o ser criado rejeita a recepção anterior em Galgalta, vendo que isso não é suficiente e não levará ao objetivo. Como resultado, novos desejos, limitações e intenções são revelados, o que requer que o que é chamado de “letras do trabalho” seja revelado.

Através da recepção da luz em Galgalta, a fim de doar e rejeitando-a, os novos Kelim, a nova atitude, nasce. O ser criado compreende o Criador e a si mesmo de uma nova maneira, percebe o processo de desenvolvimento e seu objetivo final de uma nova maneira. A colisão da luz interior e da luz circundante, revelada no ser criado, mostra-lhe qual deve ser a sua relação e conexão com o Criador. Nesta base, o ser criado constrói os próximos Partzufim: AB, SAG, MA e BON.

Para cada Partzuf subsequente, o ser criado vem com uma profundidade crescente de desejo, sentindo-se cada vez mais incapaz de doar ao Criador, e inicia o cálculo de uma nova maneira. Portanto, é dito que “a expansão da luz e sua partida tornam o Kli adequado para sua tarefa”. 1

O desejo de receber se desenvolve em quatro estágios de HaVaYaH e para, alcançando total prontidão para receber toda a luz do Infinito. No entanto, uma vez que o ser criado recebe tudo, sente que é oposto à luz e começa a queimar de vergonha. Este é um sentimento insuportável, que o força a se livrar da satisfação e, consequentemente, o ser criado faz uma restrição (Tzimtzum Aleph).

Vergonha é um sentimento de oposição ao Criador. Não havia vergonha anteriormente – não chega ao ser criado diretamente do Criador. O Criador dá desejo e satisfação diretamente ao ser criado; a Luz e o vaso vêm do Criador. No entanto, a vergonha vem indiretamente, como se o Criador não tivesse nada a ver com isso. O ser criado sente sua oposição ao Criador no fato de receber Dele.

Deste ponto em diante, ele começa a se sentir como um ser criado. Este é o ponto que precisamos alcançar retornando de baixo para cima, e então seremos chamados humanos, Adão, ou seja, semelhante (Domeh) ao Criador. Afinal, o sentimento de minha oposição ao Criador é o começo de um humano, e exige de nós que nos construamos em equivalência ao Criador.2

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 02/02/19, Escritos do Baal HaSulam, “Prefácio à Sabedoria da Cabalá”
1 Minuto 0:20
2 Minuto 56:15

Comente