Tumultos De Paris

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 03/12/18

Os tumultos que ocorrem no coração de Paris são as sementes de uma inevitável mudança nas regras do jogo socioeconômico na Europa.

Os “coletes amarelos” protestam contra o aumento dos preços dos combustíveis e do custo de vida, já que estão vandalizando as ruas, incendiando carros e pilhando lojas na Champs-Elysées. Até mesmo a estátua de Marianne, o símbolo nacional da liberdade originada na Revolução Francesa, não ficou imune à ira dos manifestantes.

Esses atos violentos expressam um crescente sentimento de privação e exploração que as pessoas sentem em relação ao seu governo. Além daqueles que tomam as ruas, muitos estão começando a sentir que a elite dominante está preocupada com seus próprios interesses, sem levar em conta as necessidades de seus cidadãos. Eles estão começando a perceber que seus líderes têm uma missão em mente: preservar seu trono de todas as maneiras possíveis.

E quando os europeus modernos sentem que estão sendo despossuídos do pouco que deixaram no bolso – tudo se torna permissível. Seu lado bárbaro aparece e sua raiva se traduz em violência, pilhagem e caos nas ruas. Mesmo que uma pessoa se arrisque a ser algemada na prisão no momento seguinte, o ego humano em erupção não pode ser contido.

Enquanto isso, o presidente francês Emmanuel Macron estava em Buenos Aires na cúpula do G20, sentado ao redor da mesa com outros líderes mundiais, já que cada um deles mantém o foco em seus interesses pessoais. No caso deles, o ego os impede de ver a intrincada rede de interdependência global que os conecta. Todo líder está ocupado dando outro nó, ignorando como a realidade ao seu redor está se desfazendo.

Definindo o tom na cúpula, Trump protege os interesses do seu país. Ele alcança entendimentos com seu colega chinês, para forjar um acordo que beneficiará ambos os países. O presidente dos EUA tipicamente demonstra isolacionismo, ainda com um objetivo claro de beneficiar seu país. Ele faz isso, por exemplo, bloqueando a entrada de imigrantes ilegais na América, ao contrário da Europa, que mantém suas portas abertas.

A Europa, em seu estado de deterioração, lembra um pouco a União Soviética em seu período pré-desintegração. A polarização social está se intensificando diariamente, há muitos confrontos de interesses entre os líderes e alguns países estão buscando se retirar da União Europeia – enquanto as ondas de imigração continuam a abalar o tecido sociocultural do continente.

No entanto, o poderoso golpe que chocará a Europa será a dissonância entre afluência e pobreza. Enquanto bilhões de euros estão fluindo pela União Europeia, a classe média está ficando mais pobre e mais irritada. Ao mesmo tempo, uma revolução tecnológico-industrial inigualável está se aproximando rapidamente, ameaçando centenas de milhões de empregos.

Quando aproximadamente 60% do público em um dos países europeus se encontram fora da força de trabalho e não podem retornar a ele, mudar as regras do jogo será inevitável. É fácil vislumbrar um cenário de “primavera europeia”, onde tumultos – como acabamos de ver em Paris – se espalham rapidamente pela Europa.

Ainda hoje, um grupo de estatísticos da Polônia prevê que temos cerca de 12 anos até que ocorra uma “crise financeira global de escala sem precedentes”. Mas em um sistema globalmente integrado, onde todas as partes estão interligadas com todo o resto, tal crise pode certamente ocorrer de antemão.

O primeiro passo necessário para mudar as regras do jogo será fornecer alguma forma de renda básica para todas as pessoas que cobrirem as necessidades básicas da vida. No entanto, o pão sozinho não satisfará o ser humano por muito tempo. Uma renda garantida apaziguará o corpo, mas não o espírito.

A economia é o reflexo das relações humanas. É sobre o que a pessoa dá e recebe da sociedade. Portanto, se ela receber o que precisa da sociedade e não for mais julgada por seu status socioeconômico, os valores sociais terão que mudar.

Muitos competirão na formação de novos valores sociais. Líderes, religiões, ativistas radicais e várias ideologias. Mas apenas um conceito social será capaz de unir os europeus e manter a paz nas ruas. É o conceito que estiver em equilíbrio com o curso natural do desenvolvimento humano. O conceito que fará com que cada pessoa reconheça que estamos todos conectados e interdependentes. Isso levará os humanos a um nível mais alto de consciência, os introduzirá a um nível mais profundo de conexão e infundirá seu espírito com uma nova motivação. Em última análise, a qualidade da conexão entre as pessoas será a base para uma sociedade e uma economia saudáveis ​​e novas.

Para aprender mais >> >>>>>>>>>

Comente