JNS: “’Tikkun Olam’ No Ano Novo De 5779”

O Jewish News Syndicate publicou meu novo artigo: “Tikkun Olam‘ No Ano Novo de 5779

(13 de setembro de 2018/JNS) “Desejo a todos os meus amigos judeus no Irã e aos judeus em todo o mundo um novo ano muito feliz, repleto de paz e harmonia”, disse o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif. “Apesar de todos os desafios que o povo judeu enfrentou, sua força e perseverança continuam a inspirar a todos nós”, tuitou o presidente dos EUA, Donald Trump.

Mas entre as dezenas de bênçãos para o Ano Novo judaico por vários líderes, o do governador de Nova York, Andrew Cuomo, tocou um ponto principal: “Tikkun olam é o princípio judaico que nos ensina que enquanto o mundo é frequentemente imperfeito e quebrado, temos uma responsabilidade compartilhada para consertar isso”.

Líderes mundiais estão certos em lançar luz sobre o papel único do povo judeu, e especialmente com relação ao conceito de tikkun olam (“correção do mundo”). De acordo com a sabedoria da Cabalá, isso só acontecerá quando primeiro repararmos as relações entre as pessoas.

Numa época em que a interdependência da humanidade está se estreitando e se mostrando como a base de todos os nossos sistemas criados pelo homem, existe uma necessidade extrema de construir novos relacionamentos de consideração mútua entre todas as pessoas. De fato, as numerosas crises que estamos testemunhando em todas as áreas da vida apontam para uma terrível falta de conexões saudáveis ​​e positivas entre os cidadãos do mundo.

Então, qual é o papel do povo judeu à luz da crescente crise global de hoje? Alguns dirão que os judeus estão causando isso, enquanto outros dizem que possuem a chave para o tikkun olam. A sabedoria da Cabalá explica de onde emergem ambos os pontos de vista.

O povo judeu foi formado como resultado da primeira crise global que afligiu a humanidade. Há 3.800 anos, entre as margens dos rios Eufrates e Tigre, numa região desértica perto do atual Iraque, a humanidade vivia em grandes clãs na Babilônia. Eles viviam juntos como parentes até que esse relacionamento foi quebrado. O desejo egoísta aumentou dentro dos babilônios, fez com que eles discutissem entre si e levasse a severas crises em todas as esferas da vida.

Um dos sacerdotes babilônios chamado Abraão se perguntou sobre a natureza do abismo social. Ele descobriu que isso decorre de um crescimento natural e inevitável do egoísmo da humanidade. Em outras palavras, Abraão descobriu que tikkun olam nada mais é do que uma correção da relação entre as pessoas. Ele vagou entre as várias tribos e clãs, e convocou qualquer um que sentisse a necessidade de construir uma nova sociedade.

Os babilônios que se juntaram a Abraão aprenderam a construir relacionamentos saudáveis, positivos e corretos, acima do crescente egoísmo. Com o tempo, o grupo se transformou em um novo povo: o povo de Israel. Assim, o povo judeu foi fundado a partir de um conjunto de representantes da civilização antiga da humanidade. O denominador comum entre eles era o valor do tikkun olam: a descoberta da unidade na diversidade e a escolha da preocupação mútua pela exploração mútua.

Isso tem um efeito cascata, espalhando-se de dentro para fora. O povo judeu é essencialmente o primeiro círculo. Eles são um minimodelo da humanidade, um modelo de conexão universal entre as pessoas. Essa conexão está destinada a espalhar e moldar os outros círculos ao redor dela.

No auge desse processo de tikkun olam, a humanidade alcança a unidade além das fronteiras, em todo o mundo. Isto é, a unidade do círculo mais amplo que abrange toda a humanidade – de líderes mundiais a pastores de ovelhas em montanhas remotas. A correção deve atingir todos os homens e mulheres e todos os meninos e meninas. Todos são iguais, todos são importantes; não há preferência nem discriminação.

Em nosso tempo, o primeiro passo em direção ao tikkun olam é aumentar a conscientização em todo o mundo para a necessidade de unidade. Cada pessoa no mundo deve reconhecer o sistema natural e integral que nos une e exige que nos consideremos uns aos outros.

O povo judeu carrega a ideia e deve despertá-la. Seu papel é ser “uma luz para as nações”, por ser uma sociedade exemplar. Hoje, as nações do mundo também têm o dever de despertar o povo de Israel para o seu papel de catalisador do tikkun olam. E assim como as cordiais saudações de líderes de todo o mundo, é melhor experimentar uma pressão positiva e amigável do mundo, em vez da pressão odiosa e antissemita.

No entanto, quando se trata de tikkun olam, não devemos esperar que a salvação venha de líderes e governantes. A mudança começará com as massas. Não é à toa que o mundo moderno se conectou pela Internet. A conexão virtual entre milhões de pessoas nos permite aumentar a consciência da unidade de uma forma positiva e trazer tikkun olam de maneira agradável.

Quando massas de pessoas consideram o valor da conexão, mesmo que ligeiramente, elas criam uma tremenda onda de reciprocidade e consideração. O poder da conexão é maior do que qualquer indivíduo, e permite à sociedade humana elevar-se acima de sua natureza estreita e egoísta para descobrir um vasto espaço de felicidade que deriva da unidade.

Tikkun olam começa com tikkun adam (“a correção do homem”). Uma pequena mudança de consciência em cada um de nós é tudo o que é necessário. E se você ainda não tiver um claro apelo à ação, compartilhe esta mensagem com todos.

Comente