Nenhuma Alegria Sem Tristeza

laitman_599_02Nas Notícias (Nautilus): “A Infelicidade É Um Limpador De Paladar”, por Indira M Raman, “… Com frequência nos comportamos como se pudéssemos encontrar um caminho para o contentamento – conforto, saciedade, calor ou alguma outra recompensa – e sermos felizes o tempo todo se pudéssemos fazer as escolhas certas. Mas o prazer é muitas vezes passageiro, mesmo a partir das experiências mais atraentes, dando origem ao tédio e despertando a busca de algo novo e sensacional. Como neurocientista, não posso deixar de me perguntar se a transitoriedade de nossa satisfação pode, na verdade, não ser inevitável e, em vez disso, revelar um aspecto inevitável da maneira como o cérebro funciona, cuja compreensão pode fornecer uma pista sobre como lidar com isso. …

“Sem a pessoa poder fazer comparações, o mundo fica cinzento. Em outras palavras, não é só que a variedade é o tempero da vida; é a variação que nos permite sentir algo.

“Nós percebemos as coisas não pelo valor absoluto, mas pelo contraste com o que veio antes.

“… Eu acho que isso oferece a chave para a felicidade que é compatível com o funcionamento do cérebro. A capacidade de detectar até mesmo estímulos familiares geralmente pode ser restaurada por um breve limpador de palato, que literalmente permite uma recuperação da dessensibilização suficiente para intensificar uma experiência subsequente. … Como o cérebro classifica em uma curva, comparando infinitamente o presente com o que veio logo antes, o segredo da felicidade pode ser a infelicidade. Infelicidade não absoluta, é claro, mas o frio passageiro que nos deixa sentir calor, a sensação de fome que torna a saciedade tão bem-vinda, o período de quase desespero que nos leva à surpreendente experiência do triunfo. O caminho para o contentamento é através do contraste”.
Indira M. Raman é professora do departamento de neurobiologia da Northwestern University.

Meu Comentário : Eu concordo com ela. É impossível distinguir a luz sem escuridão, alegria sem tristeza e assim por diante. Nossos sentimentos são construídos em duas percepções opostas, e tudo depende de como os avaliamos, pesamos.

A maneira mais correta é começarmos a perceber que sensações amargas eram necessárias para nos sentirmos doce. Então elas também se tornam parte do doce. Eu lhes desejo tal sentimento.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 20/03/18

Comente