Medium: “Abuso Infantil: Espelho da Sociedade do Século XXI??”

O portal Medium publicou meu novo artigo “Abuso Infantil: Espelho da Sociedade do Século XXI?

Nós nos assustamos quando ouvimos outra história horrível de abuso infantil, como os trabalhadores abusivos de creches que foram presos na semana passada, tanto em Israel quanto no Arkansas.

Inconcebível como é, o abuso em creches parece ser sistemático e generalizado. Dados coletados de 39 estados dos EUA, por exemplo, mostram que 5.321 prestadores de serviços de creche foram considerados abusivos. Em Israel, estão sendo feitos esforços para promover uma legislação que exija que todos os jardins de infância instalem câmeras de segurança, pois os pais percebem que ninguém pode garantir a segurança de seus filhos.

Mas o que está fazendo com que aqueles que contratamos para cuidar de nossos filhos se comportem de maneira tão monstruosa? E como podemos restringir esse fenômeno quando não temos controle sobre o que acontece dentro das creches?

É difícil de entender, mas esses incidentes horripilantes revelam o coração frio e duro que bate dentro do ser humano. Quando o ego nos domina, ele nos inunda com um grau tão elevado de agitação e fúria que conquista tudo, levando-nos a prejudicar qualquer um em nosso caminho, até mesmo uma criancinha desamparada.

E com criancinhas que não conseguem se expressar bem, não há nada que impeça o monstro de irromper. Da mesma forma, os dados mostram que a faixa etária com maior probabilidade de sofrer abuso está entre 0 e 3 anos de idade.

“Que Tipo De Monstro Pode Fazer Isso?”

“Se eu mesmo tivesse visto o vídeo on-line”, disse a professora de jardim de infância israelense enquanto mostrava imagens de seu próprio comportamento abusivo, “eu perguntaria: que tipo de monstro pode fazer isso?”

Evidentemente, não podemos ver nossa própria falha no momento da verdade. O coração de pedra nos cega e remove o sentimento de culpa, fazendo com que percamos nossos sentidos sem estarmos conscientes dele.

Assim, mesmo se colocarmos câmeras em todos os lugares – não estaremos resolvendo o problema de base. O monstro está dentro de cada cuidador e, de fato, em cada um de nós. A questão é quem desperta o monstro do seu sono?

Nós podemos facilmente culpar os indivíduos por suas ações abusivas, e certamente devemos impedi-los de continuar. Mas estes são apenas resultados que flutuam acima da superfície. O monstro que desperta é uma doença social que vem incubando há décadas e está surgindo cada vez mais em nosso tempo.

Como Chegamos Aqui

Até meados do século XX, criar filhos era completamente diferente do que estamos acostumados agora, e ainda mais perto de nosso desenvolvimento natural como seres humanos. As mães costumavam ter melhores condições para criar filhos e cuidar do seu bem-estar. E elas eram socialmente reconhecidas por isso.

Depois veio a revolução industrial, juntamente com poderosos interesses investidos que procuravam modificar a ordem social em prol do lucro. Esforços foram feitos para levar as mulheres à força de trabalho, relacionando-a aos ideais liberais de emancipação das mulheres e seu status igualitário na sociedade. Isso foi para maximizar a produção e o consumo a um nível que o mundo nunca viu antes.

A sociedade de consumo resultante foi projetada para pilhar os recursos do planeta de modo a orientar a vida humana em torno do excesso material. Gradualmente, as pessoas adotaram um novo estilo de vida que reformulou a ordem social e a unidade familiar.

No entanto, à medida que os estudos da felicidade se revelam, nem nós nem os poucos ricos encontramos realmente uma satisfação genuína e conforto na busca cíclica pela aquisição material.

O resultado? Uma sociedade em que crianças são arrancadas de suas mães e jogadas nas mãos de uma babá que também compete na corrida material. Uma sociedade “livre”, onde tudo é permitido e os limites são embaçados. Uma sociedade onde a conexão natural entre pai e filho foi significativamente comprometida e desvalorizada. Uma sociedade onde o ego monstruoso e desinibido pode irromper mesmo em relação a crianças indefesas.

O abuso infantil é o espelho da sociedade humana no século XXI.

Nossas Crianças Precisam De Uma Revolução Social

Então, o que vamos fazer sobre isso? Como vamos evitar incidentes semelhantes no futuro? Como vamos curar a doença da nossa sociedade?

Enquanto não conseguirmos trabalhar para uma mudança fundamental nos valores sociais, todos nós podemos nos comprometer pelo abuso nas creches.

Este não é um chamado para voltar no tempo. Pelo contrário. É um alerta para a próxima revolução a surgir. Assim como a revolução industrial nos ensinou a levar um estilo de vida material, a próxima revolução deve nos ensinar a levar um estilo de vida social.

Primeiro, devemos priorizar a educação. Deve se tornar a profissão mais valorizada da sociedade. Um educador deve receber reconhecimento social junto com as condições para manter a integridade profissional. Temos que escolher cuidadores que provem sua paixão por criar nossos filhos, que terão uma compreensão profunda da natureza humana e que serão treinados extensivamente para praticar a contenção e o autocontrole em qualquer situação.

Estas são apenas algumas pré-condições para qualquer educador que trabalhe com crianças. Mas a verdadeira revolução acontecerá quando nós, adultos, nos sentamos juntos em círculos, como no jardim de infância, e cultivamos o ser humano dentro de nós, contra o monstro que pode despertar.

Quando redefinirmos a meta da vida, substituiremos a luta pela sobrevivência material por uma crescente sensibilidade à nossa profunda conexão humana, e isso nos dará um novo sentido de significado e realização.

Especificamente a revelação da sabedoria da Cabalá em nosso tempo é projetada para lançar luz sobre as conexões humanas naturais entre as pessoas e nos ajudar a desenvolvê-las até o último nível: descobrir o sistema de conexão que une todos nós como uma única família.

Comente