Newsmax: “Referendo Sobre Aborto Na Irlanda: Uma Perspectiva Global”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo “Referendo Sobre Aborto Na Irlanda: Uma Perspectiva Global

O dramático referendo desta semana na Irlanda mostrou que a maioria dos irlandeses quer acabar com uma antiga lei pela qual as mulheres que abortam e os médicos que as ajudam a fazê-lo podem pegar até 14 anos de prisão.

Mas quando os abortos se tornam legais na Irlanda, algo muito mais revolucionário do que uma mudança de leis está nascendo.

A transformação que ocorre na conservadora sociedade irlandesa reflete o impulso global da liberalização, abalando uma convenção social após a outra em toda a sociedade humana moderna. Dia a dia, o homem se liberta de vários quadros sociais que costumavam controlar seus pensamentos e ditar seu comportamento.

Mais Liberdade Exige Mais Maturidade

Vamos dar uma olhada na história. Desde as monarquias, passando pelas várias ditaduras, até as democracias do nosso tempo, que continuam a mudar de forma nos tempos modernos, torna-se evidente um curso natural do desenvolvimento humano. O indivíduo está gradualmente tomando as rédeas de sua família e posses, corpo e comportamento, e todos os componentes que compõem sua identidade.

Mas aqui está o que podemos facilmente perder: a liberdade deve ser acompanhada pela maturidade do ser humano, se quisermos manter o equilíbrio na sociedade.

À medida que nos livramos das correntes do passado e marchamos para a liberdade do futuro, temos que cultivar a consciência humana para um nível totalmente novo. Com todas as limitações que estão sendo levantadas, a pessoa deve-se perguntar: Quanto estou conectada a outras pessoas ao meu redor? Qual é a minha obrigação natural para com elas? Como minhas ações influenciam todos os outros?

Nós estamos entrando em uma era em que as respostas a essas perguntas não virão mais de clérigos, funcionários do governo, leis e regulamentos ou de qualquer instituição que pretenda ditar o modo de pensar das pessoas. Em vez disso, virá do desenvolvimento interior do ser humano ou, se quisermos, do nosso desenvolvimento “espiritual”.

No entanto, esperar que o desenvolvimento humano positivo aconteça por si só não é o que estou sugerindo. Pelo contrário, tenho certeza de que precisamos começar a nos educar como uma sociedade, iluminando as questões existenciais, aprendendo sobre a natureza humana e nos preparando para o estado interdependente ao qual o mundo está chegando.

Em outras palavras, estou defendendo uma expansão da consciência humana na sociedade como um todo. Como resultado, os indivíduos na sociedade entenderão melhor como se comportar em direção ao equilíbrio.

Liberdade Através Da Interdependência

Como isso funciona? Devemos seguir nossas dicas de como a natureza mantém um “equilíbrio dinâmico”. Ao olhar a vida dentro do corpo humano, vemos contrastes como calor e frio, órgãos com várias funções, diferentes tipos de germes, forças ativas e passivas, e ainda todos trabalham juntos em equilíbrio e reciprocidade, complementando-se mutuamente. É o princípio da vida que funciona sem o nosso envolvimento.

Nós, seres humanos, no entanto, devemos nos desenvolver e nos complementar consciente e volitivamente. Nosso desenvolvimento como seres humanos exige que alcancemos o equilíbrio e a reciprocidade em todos os níveis da vida.

Se não desenvolvermos a capacidade de fazer isso, dar-nos mais e mais liberdade pode se manifestar de forma muito negativa na forma de terrorismo, crime e outras formas de comportamento abominável. Sem a maturidade para manter o equilíbrio social, poderíamos nos ver mergulhando no caos sócio familiar e político, a ponto de a pessoa fazer só o que é certo aos seus próprios olhos e para si mesma.

Eu acredito que veremos que nem o dinheiro nem o poder podem nos levar a buscar a harmonia social; somente a educação que visa aumentar a consciência humana nos ajudará a sentir nossa interdependência e a apreciar nossa humanidade comum. E quanto mais desenvolvemos o ser humano dentro de nós, mais podemos nos libertar das limitações fora de nós.

Comente